ARTE VISUAL, MULTIMODALIDADE E ACESSIBILIDADE: UMA PROPOSTA DE AUDIODESCRIÇÃO

  • Marisa Ferreira Aderaldo UECE-UFMG
Palavras-chave: Pessoas com deficiência visual, Audiodescrição, Modelo sistêmico-funcional

Resumo

Hoje, graças a alguns avanços tecnológicos, é possível conferir mais autonomia às pessoas com deficiências, as quais podem executar determinadas atividades diárias sem depender de terceiros. Uma nova técnica, denominada Audiodescrição, que em poucas palavras significa a tradução de imagens em palavras, preferentemente associada a uma mídia sonora, tem-se mostrado prática empoderadora, pois permite que pessoas com deficiência visual acompanhem programações verbo-visuais, ou sonoro-visuais em meios multisemióticos como cinema e televisão, com autonomia. Em países como Alemanha, Espanha, Japão, Estados Unidos e mais timidamente no Brasil, o uso da audiodescrição mostra seu potencial socialmente integrador. Entretanto, sua aplicação a textos não-verbais como pinturas, gravuras e desenhos apresentados em espaços museais ainda carece de implementação. A tradução de imagens em palavras (audiodescrição) é uma técnica tradutória que pode ser combinada a equipamentos simples, como um leitor de MP3, por exemplo, para suporte da audiodescrição oralizada. A tradução verbal de uma imagem, que em princípio pode ser realizada por qualquer vidente, é na realidade uma técnica tradutória que requer treinamento e conhecimento teórico, pois é um texto cuja finalidade atende a um público com necessidades específicas. Pensando na formação de audiodescritores, esta reflexão partiu da hipótese de que o modelo semiótico sistêmico-funcional que O´Toole (1995, 2011) adaptou para a linguagem não-verbal, a partir da teoria linguística de Halliday (1982), é ferramenta potencialmente útil para audiodescritores. Para demonstrar a aplicabilidade do modelo trifuncional da linguagem não-verbal, analisamos a pintura mundialmente conhecida, a obra Moça com brinco de pérola de Johannes Vermeer sob a taxonomia otooleana de Unidades e Metafunções, e elaboramos uma proposta de roteiro de audiodescriçação. Este trabalho concluiu que o modelo sistêmico-funcional pode ser poderosa ferramenta auxiliar aos audiodescritores e audiodescritores em formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTI, L.B. Da Pintura. Tr. Antonio da Silveira Mendonça. 2ª Ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.
CINTAS, J.; ORERO, P.; REMAEL,A. Media for all: a global challenge. In: Media for all: subtitling for the deaf, Audio Description, and Sign Language. Amsterdam, New York: Rodopi, 2007.
DE COSTER, K., MUHLEISS, V. Intersensorial translation: visual art made up by words. In. DÍAZCINTAS et al. Media for all: subtitling for the deaf, audio description and sign languages. Amsterdam/New York: Rodopi, 2007.
DIDEROT, D. Carta sobre los ciegos para uso de los que ven. Madrid: Fundación Once, 2002.
GAGE, J. A cor na arte. tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
GUIMARÃES, L. As cores na mídia: a orga nização da cor-informação no jornalismo. São Paulo: Annablume, 2003.
HALLIDAY, M.A.K. El lenguaje como semiótica social: la interpretación social del lenguaje y del significado. México: Fondo de Cultura Económica, 1982.
HAMON, PHILIPPE. Introducción al análisis de lo descriptivo. Buenos Aires: Edicial, 1991.
HOLLAND,A.Audio Description in the theatre and the VisualArts: Images into Words. In: CINTAS, J.; ANDERMAN, G. Audiovisual translation: language transfer on Screen: Basingstoke; New
Yok: Palgrave Macmillan, 2009.
HOMERO. Ilíada. Versão complete. Disponível em . Acessado em 10.ago.2010
JIMÉNEZ, C. Una gramática local del guión audiodescrito. Desde la semántica a la pragmática de un nuevo tipo de traducción. In: HURTADO, C.J. (éd.) Traducción y accesibilidad: subtitulación para sordos y audiodescripción para ciegos. Nuevas modalidade de traducción. Frankfurt: Peter Lang, 2007.
MAGALHÃES, C.,ARAÚJO, V.L. S. Metodologia para elaboração de audiodescrições para museus baseada na semiótica social e multimodalidade. Revista de La Asociación Latinoamericana de
Estudios del Discurso. Vol. 11, 2011.
NAVARRO, M.H, LÓPEZ, E. M. Accesibilidad de la cultura visual: límites y perspectivas. Disponível em , acesso em 04 ago. 2012.
O´TOOLE, M. The language of displayed art. Rutherford, Madison, Teaneck: Fairleigh Dickinson University Press, [1994], 2011.
O´TOOLE, M. A Systemic Functional Semiotics of Art In: GREGORY, M., FRIES, P. (Eds.) Discourse in Society: Functional Perspectives. Meaning and Choice: Studies for Michael Halliday. Norwood: Ablex, 1995.
RODRÍGUEZ, G. La audiodescripción: parâmetros de cohesión. In: HURTADO, C.J. (Ed.) Traducción y accesibilidad: subtitulación para sordos y audiodescripción para ciegos. Nuevas modalidade de traducción. Frankfurt: Peter Lang, 2007.
RODRÍGUEZ, J.C.S; GARCÍA, R.G. Diccionario del color. Madrid: Ediciones Akal, 2001.
VASARI. G. Vidas dos Artistas. Tr. Ivone Castilho Bennedetti. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.
9. Créditos das Imagens
VERMEER, J. Estudo de uma jovem (1665-1667, c.). Disponível . Acesso em 20.fev.2012.
VERMEER, J. Moça com brinco de pérola. Disponível . Acesso em 20.fev.2012
Publicado
2019-09-15
Como Citar
ADERALDO, M. ARTE VISUAL, MULTIMODALIDADE E ACESSIBILIDADE: UMA PROPOSTA DE AUDIODESCRIÇÃO. Revista Linguagem em Foco, v. 3, n. 5, p. 97 - 114, 15 set. 2019.