O processamento de cognatos e falsos cognatos por brasileiros falantes de português, inglês e francês

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46230/2674-8266-13-7349

Palavras-chave:

Multilinguismo, Acesso lexical, Cognatos e Homógrafos interlinguísticos

Resumo

Entender como os indivíduos que falam mais de uma língua reconhecem e processam palavras de diferentes idiomas tem sido questão central nas pesquisas em multilinguismo. Nas últimas décadas, um grande número de estudos coletou evidências de que o reconhecimento de palavras em uma língua pode ser influenciado pelo conhecimento de palavras de outra língua, ou seja, o acesso lexical dos multilíngues seria não-seletivo, em que ambas as línguas estão ativas, independentemente da língua-alvo do contexto. Assim, o presente estudo buscou investigar a influência das L1 e L2 sobre a L3 em uma população trilíngue. Contou-se com uma amostra de 26 brasileiros trilíngues de português (L1), inglês (L2) e francês (L3) de proficiência diversa. Os participantes realizaram dois experimentos de decisão lexical em francês, o primeiro composto por estímulos em francês que eram cognatos com português, inglês ou ambas as línguas, e o segundo composto por homógrafos interlinguísticos nas mesmas condições. Os resultados nos levam a conclusões semelhantes aos estudos anteriores, dando suporte à hipótese de acesso lexical não-seletivo, demonstrando a existência de um efeito cognato na análise de percentual de erro no caso dos cognatos e dos homógrafos interlinguísticos. Contudo, não foi possível encontrar um efeito cognato trilíngue como o esperado e tampouco verificar o efeito cognato nos tempos de reação. Esses resultados são discutidos, refletindo-se sobre a influência da proficiência, do tempo e da frequência de uso das línguas e do número de participantes do estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Barcelos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS

Mestre em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre/RS.

Ana Beatriz Arêas da Luz Fontes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Doutora em Psicologia Cognitiva. Professora do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre/RS.

Referências

BARBOSA PINTO, N.; ARÊAS DA LUZ FONTES, A.B. O acesso lexical em falantes multilíngues português-inglês-italiano. Veredas, v. 24 (1), 2020, p. 291-316.

CENOZ, J. The additive effect of bilingualism on third language acquisition : A review. The International Journal of Bilingualism, v. 7 (1), 2003, p.71-87.

COOK, V. Basing Teaching on the L2 User. Rascunho de capítulo. In: Llurda, 2003, Non-Native Teachers. Disponível em: http://homepage.ntlworld.com/vivian.c/Writings/Papers/BasingTeaching.htm. Acesso em 10 de fev. 2016.

DE BOT, Kees. The multilingual Lexicon: Modelling Selection and Control. The International Journal of Multilingualism, v. 1, n. 1, 2004.

DE GROOT, A. M. B.; DELMAAR, P.; LUPKER, S. J. The processing of interlexical homographs in translation recognition and lexical decision: support for non-selective access to bilingual memory. Quarterly Journal of Experimental Psychology, v. 53, p. 397-428, 2000.

DIJKSTRA, T; GRAINGER, J.; VAN HEUVEN, W. Recognition of cognates and interlingual homographs: The neglected role of phonology. Journal of Memory and Language, v. 41, v. 4, 1999, p. 496-518.

DIJKSTRA, T ; VAN JAARSVELD, H ; TEN BRIKE, S. Interligual homograph cognition: Effects of task demands and language intermixing. Bilingualism, Language and Cognition, v. 1, 1998, p.51-66.

DIJKSTRA, T.; VAN HEUVEN, W. J. B. The architecture of the bilingual word recognition system: from identification to decision. Bilingualism: Language and Cognition, v. 5, 2002, p. 175 – 197.

GIRARDET, J; PÉCHEUR, J. Écho A1: méthode de français. Paris: CLE International/Sejer, 2010.

GROSJEAN. Neurolinguistics, beware! The bilingual is not two monolinguals in one person. Brain and language. 1989, p.3-15.

HEREDIA, R.R.; CIEŚLICKA, A.B. Bilingual Lexical Ambiguity Resolution. 1. ed. Cambridge, 2020.

KEULEERS, E., & BRYSBAERT, M. (2010). Wuggy: A multilingual pseudoword generator. Behavior Research Methods 42(3), 627-633.

LEMHÖFER, K; DIJKSTRA, T; MICHEL, M. Three languages, one ECHO : Cognate effects in trilingual word recognition. Language and Cognitive Processes, 19(5), 2004, p.585-611.

PSYCHOLOGY SOFTWARE TOOLS, Inc. [E-Prime 2.0]. (2012). Retrieved from https://support.pstnet.com/.

SCHOLL, A; FINGER, I. Elaboração de um questionário de histórico da linguagem para pesquisas com bilíngues. Nonada: Letras em Revista, v.2, n. 21, 2013.

SPSS Inc. Released 2009. PASW Statistics for Windows, Version 18.0. Chicago: SPSS Inc.

SZUBKO-SITAREK, Weronika. Cognate facilitation effects in trilingual word recognition. Studies in second language learning and teaching. SSLLT 1 (2), 189-208.

VAN HELL, Janet G.; DIJKSTRA, Ton. Foreign language knowledge can influence native language performance in exclusively native contexts. Psychonomic Bulletin & Review. 9(4), 2002, 780-789.

VAN ORDEN, G. C. A ROWS is a ROSE: Spelling, sound and reading. Memory and Cognition. 1987. v. 15, p. 181-198. Reprinted by permission by the Psychonomic Society, Inc. Websites Cognate Linguistics. Disponível em: http://www.cognates.org/research/mfcogn2.html. Acesso em março de 2015.

Downloads

Publicado

2022-03-11

Como Citar

BARCELOS, L.; ARÊAS DA LUZ FONTES, A. B. O processamento de cognatos e falsos cognatos por brasileiros falantes de português, inglês e francês. Revista Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 13, n. 4, p. 37–55, 2022. DOI: 10.46230/2674-8266-13-7349. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/7349. Acesso em: 16 maio. 2022.