Inclusão e letramento digital na educação de jovens e adultos

Uma análise teórica sob a perspectiva decolonial

Palavras-chave: Letramento Digital, Educação de Jovens e Adultos, Pedagogia Decolonial

Resumo

O presente artigo caracteriza-se como um estudo teórico-conceitual que procura promover aproximações entre os campos de estudos do letramento, da inclusão digital e da educação de jovens e adultos (EJA). O artigo propõe-se a verificar possibilidades e limites de se adotar uma perspectiva decolonial para a reflexão sobre o letramento digital na educação de jovens e adultos. Os conceitos de inclusão digital, letramento e EJA são compreendidos, cada um em seu campo, sob o enfoque crítico. A EJA em uma perspectiva não compensatória, a inclusão digital em uma perspectiva não instrumental e o letramento a partir do modelo ideológico. O intertexto entre os diferentes campos permitiu concluir que são profícuas as possibilidades de compreensão dos três campos sob o enfoque decolonial e que estudos de caso podem contribuir para verificar empiricamente o potencial transgressor da perspectiva decolonial na inclusão e letramento digital na EJA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARROYO, M. G. Educação de jovens e adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: SOARES, L.; GIOVANETTI, M. A.; GOMES, N. (Orgs.) Diálogos na Educação de Jovens e Adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 1ª edição, 2005. p. 19-50.

BONILLA, M. H. Políticas públicas para inclusão digital nas escolas. Motrivivência, ano XXII, n. 34, p. 40-60, jun. 2010. Disponível em: <http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/17135> Acesso em 16 de jun. de 2020.

BRAGA, D.; VÓVIO, C. Uso de tecnologia e participação em letramentos digitais em contextos de desigualdade. In: BRAGA, D. (Org.). Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação e Participação Social. São Paulo: Ed. Cortez, 2018.

BUZATO, M. E. K. Inclusão Digital como invenção do quotidiano: um estudo de caso. Revista Brasileira de Educação, vol. 13, n. 38, maio/ago. 2008. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n38/10.pdf> Acesso em 18 de jun. de 2020.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. Trad. R. Venâncio Majer. 20ª Edição, revista e ampliada. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

DIAS, L. R. Inclusão digital como fator de inclusão social. In: PRETO, N.; BONILLA, M. H. (orgs.). Inclusão digital: polêmica contemporânea. Salvador: EDUFBA, 2011. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/4859/1/repositorio-Inclusao%20digital-polemica- final.pdf> Acesso em 16 de jun. de 2020.

DI PIERRO, M. C. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 92, p.1115-1139, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v26n92/v26n92a18.pdf> Acesso em: 17 de jun. 2020.

ECHALAR, J.; ARAÚJO, C. H. dos S.; ECHALAR, A. D. L. F. Políticas educacionais para inserção de tecnologias na escola: entre o discurso de inclusão e os (des)mandos do desenvolvimento econômico. In: MILL, D. et al (Orgs) Escritos sobre Educação e Tecnologias: entre provocações, percepções e vivências. São Paulo: Artesanato Educacional, 2020.

FAVACHO, A.; MILL, D. Funções do discurso tecnológico na sociedade contemporânea. Pró-Posições (UNICAMP. Impresso), v. 18, p. 197-214, 2007. Disponível em: <https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/2433/53-artigos-favachoa_etal.pdf > Acesso em 16 de jun. de 2020.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

_____________. A máquina está a serviço de quem? Revista BITS, São Paulo, v. 1, n. 7, p. 6, 2001. Disponível em: <http://www.acervo.paulofreire.org:8080/jspui/handle/123456789/24 > Acesso em 16 de jun. de 2020.

____________. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

FREITAS, M. T. Letramento digital e formação de professores. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, n. 3, dez. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/edur/v26n3/v26n3a17.pdf> Acesso em: 15 de jun. de 2020.

GALVÃO, A. M. de O.; BATISTA, A. A. G. Oralidade e escrita: uma revisão. Cadernos de Pesquisa, vol. 36, n. 128, maio/agosto, 2006. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/cp/v36n128/v36n128a07> Acesso em: 15 de jun. de 2020.

GNERRE, M. Considerações sobre o campo de estudo da escrita. In: __________. Linguagem, Escrita e Poder. 1° reimpressão. 3° edição. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

JOAQUIM, B. dos S.; PESCE, L. Inclusão digital, empoderamento e educação ao longo da vida: conceitos em disputa no campo da Educação de Jovens e Adultos. Crítica Educativa (Sorocaba/SP), v. 3, n. 3, p. 185-199, ago./dez. 2017. Disponível em: <http://www.criticaeducativa.ufscar.br/index.php/criticaeducativa/article/view/244/36> Acesso em: 15 jun. 2020.

_____________; _______________. O uso (crítico) das Tecnologias digitais de Informação e Comunicação na educação (não compensatória) de jovens e adultos. Revista Práxis Educacional. Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. v. 14, n. 29p. 126-142, jul. / set. 2018. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/4102>. Acesso em: 10 jul. 2020

KLEIMAN, A. B. Introdução: Modelo de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: _____________. (Org.) Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras.1995, p. 15-61.

______________; SITO, L. Multiletramentos, interdições e marginalidades. In: KLEIMAN, A. B.; ASSIS, J. A. Significados e ressignificações do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2016.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LIMA, L. Educação ao Longo da Vida: entre a mão direita e a mão esquerda de Miró. São Paulo: Cortez, 2007.

LUCINI, M.; SANTANA, L. M. de. Pedagogia decolonial e educação de jovens, adultos e adultos no contexto de uma sociedade racializada. Roteiro, Joaçaba, v. 44, n. 1, p. 1-18, jan. /abr. 2019.

MARFIM, L. PESCE, L. Trabalho, Formação de Professores, e Integração das TDIC às Práticas Educativas: para além da racionalidade tecnológica. In.: Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, vol. 27, n. 89, 2019. Disponível em: <https://epaa.asu.edu/ojs/article/download/4168/2283> Acesso em: 13 de jun. 2020.

MILL, D. JORGE, G. Sociedade grafocêntrica digital (verbete). In.: MILL, D. (Org.) Dicionário Crítico de Educação e Tecnologias e Educação a Distância. Campinas: Papirus, 2018.

OLIVEIRA, L. F. O que é uma educação decolonial? In.: Revista Nuevamérica. Buenos Aires, 149, 2016.

PEIXOTO, J. Resistência e transgressão como alternativas para inovar em tempos de autoritarismo. In: MILL, D. et al (Orgs). Escritos sobre Educação e Tecnologias: entre provocações, percepções e vivências. São Paulo: Artesanato Educacional, 2020.

PESCE, L. O Programa Um Computador por Aluno no Estado de São Paulo: confrontos e avanços. In: Anais da XXXVI Reunião Anual da ANPED: Sistema Nacional de Educação e Participação Popular: desafios para as políticas educacionais, 2013, Goiânia: Ed UFG, 2013. v. 1. p. 1-31. Disponível em <http://36reuniao.anped.org.br/

pdfs_trabalhos_encomendados/gt16_trabencomendado_lucilapesce.pdf> Acesso em 17 jun. 2020

PESCE, L.; BRUNO, A. R. Educação e inclusão digital: consistências e fragilidades no empoderamento dos grupos sociais. Educação (PUC RS). v. 38, n. 03, set.-dez. 2015. p. 349-357. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/21779> Acesso em 17 jun. 2020

STREET, B. Los nuevos estudios de literacidad. In: ZAVALA, V.; NIÑO-MURCIA, M. AMES, P. Escritura y sociedade: nuevas perspectivas teóricas y etnográficas. Lima (peru): Red para el Desarrollo de las Ciencias Sociales en el Perú, 2004. p. 81-108.

ZAMORA, G. H. De los nuevos estudios de literacidad a las perspectivas decoloniales en la investigación sobre literacidad. Íkala Revista de Lenguaje y cultura, vol 24, issue 2, may-august, 2019.

WALSH, C.; OLIVEIRA, L. F.; CADAU, V. M. Colonialidade e Pedagogia Decolonial: para pensar uma educação outra. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, vol. 26, n. 83, 2018. Disponível em: <https://epaa.asu.edu/ojs/article/view/3874> Acesso em 19 de jun. 2020

WALSH, C. Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: In-surgir, re-existir e re-viver. In.: CANDAU, V. M., Educação intercultural na América Latina: Entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 letras, 2009.

Publicado
2020-09-21
Como Citar
JOAQUIM, B.; VÓVIO, C.; PESCE, L. Inclusão e letramento digital na educação de jovens e adultos. Revista Linguagem em Foco, v. 12, n. 2, p. 248-268, 21 set. 2020.