Letramento digital e currículo na educação a distância

Uma análise da proposta político-pedagógica para a formação de professores em um curso de Letras

Palavras-chave: Educação a Distância, Licenciatura, Projeto Político-Pedagógico, Tecnologias Digitais

Resumo

As demandas pelo uso de tecnologias digitais no ensino estão cada vez mais explícitas, dado o atual contexto social e econômico. Entretanto, parece que elas ainda encontram obstáculos para se inserirem nos ambientes educacionais. Em parte, um dos motivos pode estar relacionado à formação docente. A partir dessa premissa, este texto apresenta os resultados de uma pesquisa conduzida com o propósito de verificar como um curso de Letras se propõe a formar professores letrados digitalmente, capazes de formar alunos igualmente letrados. A fundamentação teórica apoia-se, sobretudo, na perspectiva teórica do letramento digital. O estudo é de natureza qualitativa, realizado a partir dos procedimentos da pesquisa documental e da análise de conteúdo. Os resultados mostram que o letramento digital está presente no projeto político-pedagógico, porém, com uma visão mecanicista da tecnologia, destituída de um viés crítico que leve os professores em formação a se apropriarem de maneira criativa das ferramentas digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Edições 70, 1977. Disponível em: https://www.ets.ufpb.br/pdf/2013/2%20Metodos%20quantitat%20e%20qualitat%20-%20IFES/Livros%20de%20Metodologia/10%20-%20Bardin,%20Laurence%20-%20An%C3%A1lise%20de%20Conte%C3%BAdo.pdf. Acesso em: 24 jan. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). 2019. Censo da Educação Superior 2018: notas estatísticas. Brasília.

CEAD UFPI. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Letras a Distância (EAD) Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa. 2009. Disponível em: https://sigaa.ufpi.br/sigaa/verProducao?idProducao=210514&key=7e6541c153de596d82d54c0a8a2ae875. 108p. Acesso em: 8 jan. 2019.

CEARÁ. Lei n.º 14.146, de 25.06.08 (D.O. de 30.06.08). 2008. Disponível em: https://belt.al.ce.gov.br/index.php/legislacao-do-ceara/organizacao-tematica/educacao/item/5366-lei-n-14-146-de-25-06-08-d-o-de-30-06-08. Acesso em: 19 jan. 2020.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J.; DESLAURIERS, J-P.; GROULX, L-H.; MAYER, R.; PIRES, A. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Tradução de Ana Cristina Nasses. 4ª ed. Petrópolis, Vozes, 2014, p. 295-316.

CORRÊA, J. Novas tecnologias da informação e da comunicação: novas estratégias de ensino/aprendizagem. In: COSCARELLI, C. (Org.). Novas Tecnologias novos textos, novas formas de pensar. 3ª ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2006/2002, p. 43-64.

COSCARELLI, C. Alfabetização e letramento digital. In: COSCARELLI, C.; RIBEIRO, A.E. (eds.). Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. 3ª ed. Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2017/2005, p. 25-40.

DIAS, M.; NOVAIS, A. E. Por uma matriz de letramento digital. In: III Encontro Nacional sobre Hipertexto, 2009, Belo Horizonte. Anais Hipertexto 2009, 2009, v. 1, p. 1-19. Disponível em: http://nehte.com.br/hipertexto2009/anais/p-w/por-uma-matriz.pdf. Acesso em: 3 set. 2019.

DUDENEY, G.; HOCKLY, N.; PEGRUM, M. Tradução de Marcos Marcionilo. Letramentos digitais. São Paulo, Parábola Editorial, 2016, 352p.

FREITAS, M.T.; COSTA, S.R. (orgs.). Leitura e escrita de adolescentes na Internet e na escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo, Atlas, 2010, 200p.

GOMES, F. W. B. Letramento digital e formação de professores nos cursos de Letras de universidades federais brasileiras. Teresina, Edufpi, 2019, 149p.

MARANHÃO. Portaria n.º 1474, de 20 de agosto de 2019. 2019. Disponível em: http://www.educacao.ma.gov.br/files/2019/08/PORTARIA-1474-CONSTRI%C3%87%C3%83O-DE-APARELHO-CELULAR-1.pdf. Acesso em: 19 jan. 2020.

MINAS GERAIS. Lei 14486 de 9 de dezembro de 2002. 2002. Disponível em: https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=LEI&num=14486&comp=&ano=2002&aba=js_textoAtualizado. Acesso em: 19 jan. 2020.

PEREIRA, J. Educação e sociedade da informação. In: COSCARELLI, C.; RIBEIRO, A. E. (Orgs.). Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017/2005, p. 13-24.

SANTA CATARINA. Lei n.º 14.363, de 25 de janeiro de 2008. 2008. Disponível em: http://leis.alesc.sc.gov.br/html/2008/14363_2008_lei.html. Acesso em: 19 jan. 2020.

SÃO PAULO (Estado). Lei n.º 12.730, de 11 de outubro de 2007 (Atualizada até a Lei n.º 16.567, de 06 de novembro de 2017). 2007. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2007/lei-12730-11.10.2007.html. Acesso em: 19 jan. 2020.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Formação inicial de professores no Brasil - Panorama sobre ingresso, matrículas e conclusão em cursos de Pedagogia e de Licenciaturas nas modalidades presencial e a distância. 2019. Disponível em: https://www.todospelaeducacao.org.br/_uploads/_posts/317.pdf?1619510590. Acesso em: 16 set. 2019.

ZACHARIAS, V. Letramento digital: desafios e possibilidades para o ensino. In: COSCARELLI, C. (Org.) Tecnologias para aprender. 1ª ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2016, p. 16-29.

Publicado
2020-09-21
Como Citar
RODRIGUES, A.; GOMES, F. W. Letramento digital e currículo na educação a distância. Revista Linguagem em Foco, v. 12, n. 2, p. 109-128, 21 set. 2020.