Como um Jogo

Gamificação Responsiva no Ensino de Línguas

Palavras-chave: Gamificação, Design Responsivo, Ensino de Línguas, Aprendizagem Ativa

Resumo

A transposição de elementos característicos do jogo para o ensino de línguas, definida como gamificação, tem despertado o interesse dos pesquisadores da área, que veem nessa transposição uma maneira de promover a motivação, envolvimento e empenho do aluno. O objetivo deste estudo é investigar quais são os elementos dos jogos que podem ser redirecionados para a educação com possibilidade de propiciar os melhores resultados. Para isso, usamos como metodologia uma revisão narrativa ampliada de estudos anteriores sobre gamificação e design responsivo na tentativa de chegar à gamificação responsiva, procurando identificar os elementos lúdicos mais responsivos aos recursos disponíveis no contexto de ensino, aos objetivos do ensino de línguas e às preferências e estilos de aprendizagem dos alunos. Após a análise e reflexão dos dados gerados por esses estudos, os resultados mostraram uma diferença significativa entre elementos lúdicos periféricos, com pouco impacto na motivação do aluno, e os elementos lúdicos intrínsecos, capazes de propiciar ao aluno a superação das dificuldades pela persistência na ação, essência do jogo e da aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vilson Jose Leffa, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Doutorou-se em Linguística Aplicada pela Universidade do Texas em 1984 e trabalhou na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, da qual se aposentou. Na área acadêmica, tem publicado artigos, capítulos de livro, livros e trabalhos em anais de congressos, tanto no Brasil como no exterior, sendo atualmente pesquisador do CNPq. Na área de formação de recursos humanos, contribuiu para a formação de líderes de pesquisas que atualmente atuam em outras universidades. Na área de gestão científica, foi duas vezes presidente da Associação de Linguística Aplicada do Brasil (ALAB), e criou o Periódico Linguagem e Ensino. Mais recentemente concentrou-se no estudo das tecnologias digitais no ensino de línguas, incluindo a produção de Recursos Educacionais Abertos e ensino a distância.

Email: leffav@gmail.com

Carolina Fernandes Alves, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Professora Assistente do Curso de Letras/Espanhol da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Atua na formação inicial de professores de língua espanhola, nas modalidades presencial e a distância. Seus interesses de pesquisa incluem “formação de professores", "ensino e aprendizagem de língua espanhola", "Recursos Educacionais Digitais" e "Recursos Educacionais Abertos". E-mail: carolespanhol@gmail.com

Referências

AARSETH, E. J. Cybertext: perspectives on ergodic literature. The Johns Hopkins University Press: 1997

ALENCAR, M.; SANTOS, E.; NETTO, J. F. Identifying students with evasion risk using data mining. In: EdMedia+ Innovate Learning. Association for the Advancement of Computing in Education (AACE), 2015. p. 611-616.

AUSTIN, J. L. How to do things with words. Oxford: Oxford University Press, 1962.

ALVES, F. Gamification: como criar experiências de aprendizagem engajadoras: um guia completo do conceito à prática. São Paulo: DVS Editora, 2014.

BARTHES, R. O prazer do texto. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspetiva, 1987.

BOGUSKI, M. S.; MANDL, K. D.; SUKHATME, V. P. Repurposing with a difference. Science, v. 324, n. 5933, p. 1394-1395, 2009.

BONACHO, F. A ergodicidade e o texto digital. Comunicação Pública, v. 10, n. 17, 2015.

BREWER, R. et al. Using gamification to motivate children to complete empirical studies in lab environments. In: Proceedings of the 12th international conference on interaction design and children. 2013. p. 388-391.

BROPHY, P.; CRAVEN, J. Web accessibility. Library trends, v. 55, n. 4, p. 950-972, 2007.

CANI, J. B.; SANTIAGO, M. E. V. O papel do quadro comum europeu de referência para idiomas: aprendizagem, ensino e avaliação (QCER) na internacionalização das IES: uma análise sob a perspectiva do Letramento Crítico e dos Multiletramentos. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 57, n. 2, p. 1164-1188, 2018.

CECHINEL, C. Modelos de curadoria de Recursos Educacionais Digitais.

Brasília: Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB), 2017. Disponível em:

<http://www.cieb.net.br/cieb-estudos-5-modelos-de-curadoria-de-recursos-educacionaisdigitais/>. Acesso em: 28 abril, 2020.

DETERDING, S. et al. From game design elements to gamefulness: defining" gamification". In: Proceedings of the 15th international academic MindTrek conference: envisioning future media environments. 2011. p. 9-15.

DUARTE, G. B. Eventos complexos de letramentos na aprendizagem de inglês: relações entre práticas de letramentos, gamificação e motivação. 2017. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.

FOCHO, G. N. Language as tool for a global education: bridging the gap between the traditional and a global curriculum. Journal of Research in Innovative Teaching, v. 3, n. 1, 2010.

GAMEFIED. Periodic Table of Gamification Elements. 2017. Disponível em: < https://www.gamified.uk/2017/04/03/periodic-table-gamification-elements/>. Acesso em: 16 de abril 2020.

GEE, J. P. What video games have to teach us about learning and literacy. Computers in Entertainment, v. 1, n. 1, p. 20-20, 2003.

GERALDI, J. W. Linguagem e ensino. Exercícios de militância e divulgação. Campinas, SP: ALB e Mercado de Letras, 1999.

GOEHLE, G. Gamification and web-based homework. Primus, v. 23, n. 3, p. 234-246, 2013.

GUEDES, L. K. O uso de games como input para aprendizagem de línguas. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas, 2014.

HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. London: Edward Arnold, 1985.

HANG, J. Habilidades que você pode desenvolver jogando LOL, 2016. Disponivel em: <https://jogosdigitaisfatenp.wordpress.com/2016/07/15/habilidades-que-voce-pode-desenvolver-jogando-lol/> Acesso em: 2 abril 2020.

HSIEH, C.; CHEN, S. Y. A cognitive style perspective to handheld devices: customization vs. personalization. International Review of Research in Open and Distributed Learning, v. 17, n. 1, p. 1-22, 2016.

KAPP, K. M. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. San Francisco: Pfeiffer, 2012.

KAY, J. Learner control. User Modeling and User-Adapted Interaction, v. 11, n. 1/2, p. 111–127, 2001.

KOBSA, A.; KOENEMANN, J.; POHL, W. Personalised hypermedia presentation techniques for improving customer relationships. Knowledge Engineering Review, v. 16, n. 2, p. 111–155, 2001.

KRASHEN, S. Reading and vocabulary acquisition: supporting evidence and some objections. Iranian Journal of Language Teaching Research, v. 1, n. 1, p. 27-43, 2013.

KUHLE, A. Language as tool: the analogy to primate cognition. Language & Communication, v. 34, p. 1-16, 2014.

KUMAR, B.; KHURANA, P. Gamification in education-learn computer programming with fun. International Journal of Computers and Distributed Systems, v. 2, n. 1, p. 46-53, 2012.

LEFFA, V. J. Uma ferramenta de autoria para o professor: o que é e o que faz. Letras de Hoje, v. 41, n. 144, p. 189-214, 2006.

LEFFA, V. J.; BOHN, H. I.; DAMASCENO, V. D.; MARZARI, G. Q. Quando jogar é aprender: o videogame na sala de aula. Rev. Est. Ling., v. 20, n. 1, p. 209-230, 2012.

LEFFA, V. J. Gamificação adaptativa para o ensino de línguas. Anais do Congreso Iberoamericano de Ciencia, Tecnología, Innovación y Educación. Artículo 499, 2014. Disponível em: <http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/Gamificacao_Adaptativa_Leffa.pdf>. Acesso em: 12 abril, 2020.

LEFFA, V. J. Gamificação no ensino de línguas. Perspectiva, v. 38, n. 2, p. 01-14, 2020.

LEFFA, V. J.; IRALA, V. B. O ensino de outra(s) língua(s) na contemporaneidade: questões conceituais e metodológicas. In: V. J. LEFFA; V. B. IRALA. (Org.). Uma espiadinha na sala de aula: ensinando línguas adicionais no Brasil. Pelotas: Educat, 2014, p. 21-48.

LEFFA, V. J.; BEVILÁQUA, A. F. Aprendizagem ergódica: a busca do hipertexto responsivo no ensino de línguas. Revista Língua & Literatura, v. 21, n. 38, p. 99-117, 2019.

LEONTIEV, A. N. Activity, consciousness, and personality. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1978

LORENSET, C. Foreign language acquisition and digital games playing: a focus on vocabulary development. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

LUCCHESI, D. Sistema, mudança e linguagem: um percurso na história da linguística moderna. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MALONEY, J. et al. The scratch programming language and environment. ACM Transactions on Computing Education (TOCE), v. 10, n. 4, p. 1-15, 2010.

NUNES, G. M.; LEFFA, V. J.; LOPES, J. A.; OLIVEIRA, V. O. O uso do feedback automático no aplicativo educacional Busuu e sua influência na aprendizagem de línguas. Linguagem em Foco, v. 9, n. 1, p. 25-37, 2017.

O'DONOVAN, S.; GAIN, J.; MARAIS, P.. A case study in the gamification of a university-level games development course. In: Proceedings of the South African Institute for Computer Scientists and Information Technologists Conference. 2013. p. 242-251.

OLIVEIRA, W.; BITTENCOURT, I. I. Tailored gamification to educational technologies. Singapore: Springer, 2019.

PAPERT, S. LOGO: Computadores e educação. São Paulo, Brasiliense, 1985.

QUADROS, G. B. F. de. A gamificação no ensino de línguas online. 2016. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.

RAYMER, R. Gamification: Using game mechanics to enhance eLearning. ELearn, v. 2011, n. 9, 2011.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, v. 20, n. 2, p.5-6, 2007.

SCHADE, A. Customization vs. personalization in the user experience. 2016.Disponível em: <https://www.nngroup.com/articles/customization-personalization/>. Acesso em: 13 de abril, 2017.

SCANNELL, J. W. et al. Diagnosing the decline in pharmaceutical R&D efficiency. Nature reviews Drug discovery, v. 11, n. 3, p. 191, 2012.

SEARLE, J. R. Speech acts: an essay in the philosophy of language. Cambridge University Press, 1969.

SEABORN, K.; FELS, D. I. Gamification in theory and action: a survey. International Journal of human-computer studies, v. 74, p. 14-31, 2015.

SUBIĆ, N.; KRUNIĆ, T; GEMOVIĆ, B. Responsive web design: are we ready for the new age? Online Journal of Applied Knowledge Management, v. 2, n. 1, 2014.

STRITTMATTER, S. M. Overcoming drug development bottlenecks with repurposing: old drugs learn new tricks. Nature medicine, v. 20, n. 6, p. 590-591, 2014.

TYLEN, K. et al. Language as a tool for interacting minds. Mind & Language, v. 25, n. 1, p. 3-29, 2010.

VAN LIER, L. From input to affordance: Social - interactive learning from an ecological perspective. In: LANTOLF, J. (Ed.) Sociocultural theory and second language learning. Oxford: Oxford University Press, 2002

VIDAL, C. D. Multimodalidade e traduções funcionais para investigar a aquisição de segunda língua em gamers. 2011. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

WERBACH, K.; HUNTER, D. For the win: how game thinking can

revolutionize your business? Philadelphia: Wharton Digital Press, 2012.

WILES, R.; CROW, G.; PAIN, H. Innovation in qualitative research methods: A narrative review. Qualitative research, v. 11, n. 5, p. 587-604, 2011.

WILSON, K. A. et al. Relationships between game attributes and learning outcomes: review and research proposals. Simulation & gaming, v. 40, n. 2, p. 217-266, 2009.

Publicado
2020-09-21
Como Citar
LEFFA, V.; ALVES, C. Como um Jogo. Revista Linguagem em Foco, v. 12, n. 2, p. 207-226, 21 set. 2020.