Deixis Am Phantasma

Meditações em Torno do Significado Ausente

  • Caio César Costa Santos
Palavras-chave: Deixis am phantasma, Bühler, Significado ausente

Resumo

Este artigo tem o propósito de apresentar, à luz de uma perspectiva psicológica, a origem e manifestação da deixis am phantasma proposta por Bühler (1967), na obra Sprachtheorie. Raramente, veem-se algumas referências em torno desta questão fenomenológica. Partindo-se ora de fragmentos episódicos criados por mim, ora de imagens mentais formuladas por Bühler (1967), tentamos investigar mais detidamente as funções, as características e as manifestações da deixis am phantasma. A contribuição de nossa investigação linguística reside no fato de que o fenômeno dêitico também tem relação com o passado estruturante, com as pistas deixadas para trás e com a invisibilidade do objeto designado. Nossos resultados preliminares apontam que a deixis am phantasma funciona mais como um fenômeno perceptual de demonstração do que meramente um signo linguístico de referência. Veremos que a força do pensamento, bem como a fonte da memória são condições primordiais para o acesso a “situações-fantasmas”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAR-HILLEL, Y. Expressões indiciais. In: DASCAL, M. (Org.) Fundamentos metodológicos da linguística: problemas, críticas e perspectivas da linguística. Tradução de Rodolfo IIari. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1982, p. 23-49.

BENVENISTE, É. Problemas de linguística geral II. Tradução de Eduardo Guimarães. São Paulo: Pontes, 1989.

BERGSON, H. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BUHLER, K. La deixis en fantasma y el uso anafórico de los demostrativos. In: MARÍAS, J. Teoria del lenguaje. Madrid: Revista de Occidente, 1967. Tradução de: Sprachtheorie. Jena. Gustav Fischer, 1934, p. 195-219.

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

HANKS, W. F. Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. et al. Tradução de Ana Christina Bentes, Marco Antônio Rosa Machado, Marcos Rogério Cintra e Renato C. Rezende. São Paulo: Cortez, 2008.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1975.

JESPERSEN, O. Language: its nature, development, and origin. London, UK: George Allen & Unwin, 1964.

LAHUD, M. A propósito da noção de dêixis. São Paulo: Ática, 1979.

LEVINSON, S. C. Pragmática. Tradução de Luís Carlos Borges e Aníbal Mari. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

LYONS, J. Linguagem e linguística: uma introdução. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1982.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

PEIRCE, C. S. Semiótica. Tradução de José Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 1977.

RECANATI, F. Concepts perceptual: in defence of the model indexical. Synthese v. 1, p.1-18, 2013.

SANTOS, C. C. C. Bons tempos aqueles: implicações na expansão do campo dêitico. São Cristóvão, 2014. 100 p. Dissertação (Mestrado em Letras), Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, 2014.

WEST, D. E. Cognitive and linguistic underpinnings of deixis am phantasma: Bühler’s and Peirce’s semiotic. Sign Systems Studies. v. 41, n.1, 2013, p. 21-41.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
SANTOS, C. C. Deixis Am Phantasma. Revista Linguagem em Foco, v. 12, n. 1, p. 134-147, 12 maio 2020.