Letramentos e Gêneros Discursivos Jurídicos no Ensino Médio

Possibilidades de Estudo a Partir da Base Nacional Comum Curricular

  • Matheus Gazzola Tussi
Palavras-chave: Letramentos, Gêneros discursivos jurídicos, Ensino médio, BNCC

Resumo

Este artigo tem por objetivo defender o estudo de gêneros discursivos jurídicos no ensino médio a partir da proposta contida na Base Nacional Comum Curricular, tendo como fundamentação teórica os estudos dos gêneros discursivos (BAKHTIN, 2006; SCHNEUWLY; DOLZ, 2004; ROJO; BARBOSA, 2015) e dos letramentos (STREET, 2014; ROJO; BARBOSA, 2015; KLEIMAN, 2007). Perspectivas contemporâneas de estudos linguísticos consideram o letramento como prática social, cujas características variam conforme o âmbito discursivo, intermediada por contextos diferentes de identidade e poder. A partir disso, o ensino ultrapassa a visão dicotômica entre letrados e iletrados para uma visão que reconhece uma multiplicidade de letramentos. Para dar conta disso, nos currículos escolares e nos livros didáticos aparece uma gama de gêneros discursivos considerados relevantes para a educação básica. Porém, entendemos que têm ficado de fora dessa seleção os textos jurídicos, cujo estudo é fundamental para a formação de cidadãos pelo entendimento institucional e legal que propiciam ao aluno e que lhe serve de base para sua movimentação social após a escola. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) vai ao encontro dessa perspectiva ao inserir, dentre os focos de estudos de língua portuguesa, o campo de atuação na vida pública, formado por gêneros discursivos que regulam a vida em sociedade. Nesta pesquisa é feita uma análise da BNCC com vistas às possibilidades de estudo, no ensino médio, de gêneros discursivos que circulam no campo de atuação da vida pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, I. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 22 maio 2019.

BRONCKART, J-P. Os gêneros de texto e os tipos de discurso como formatos das interações de desenvolvimento. In: MENENDEZ, Fernanda Miranda. Análise do discurso. Lisboa: Hugin Editores, 2005. p. 37-79. Disponível em: http://archive-ouverte.unige.ch/unige:37567. Acesso em: 02 fev. 2019.

DIONÍSIO, M. de L. Educação e os estudos atuais sobre letramento. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1, 209-224, jan./jun. 2007.

ESPÍNDULA, D. V. I. Gêneros textuais/discursivos em livros didáticos do ensino médio: critérios de categorização e agrupamento. Revista Recorte, v. 6, n. 1, 2009. Disponível em: http://periodicos.unincor.br/index.php/recorte/article/view/2043. Acesso em: 29 nov. 2018.

FIAD, R. S. Pesquisa e ensino de escrita: letramento acadêmico e etnografia. Revista do GEL, v. 14, n. 3, p. 86-99, 2017.

HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998.

KLEIMAN, A. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Signo, v. 32, n. 53, p. 1-25, 2007.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. Gêneros textuais & ensino. 5. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007. p. 19-36.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

ROJO, R.; BARBOSA, J. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Os gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (Orgs.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 61-78.

SILVA, T. X. da; SILVA, J. C.; SILVA, E. A. A recorrência e o uso dos gêneros textuais no livro didático de Língua Portuguesa. Entrepalavras, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 256-273, nov. 2013. Disponível em: http://www.entrepalavras.ufc.br/revista/index.php/Revista/article/view/241. Acesso em: 27 nov. 2018.

SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 25, p. 5-17, Abr. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782004000100002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 05 jan. 2019.

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

STREET, B. Perspectivas interculturais sobre o letramento. Filol. Linguíst. Port., n. 8, p. 465-488, 2006.

TINOCO, G. Projetos de letramento: ação e formação de professores de língua materna. Tese (Doutorado) – Universidade de Campinas. Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, 2008.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
TUSSI, M. Letramentos e Gêneros Discursivos Jurídicos no Ensino Médio. Revista Linguagem em Foco, v. 12, n. 1, p. 41-54, 12 maio 2020.