ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO NEGRO EM FORMA DE GRAFITE: QUESTIONANDO SENTIDOS DOMINANTES ATRAVÉS DO DISCURSO MULTIMODAL

Autores

  • Geórgia Maria Feitosa e Paiva Estácio (FIC)
  • Hiran Nogueira Moreira IFCE
  • Francisca Poliane Lima de Oliveira UECE

Palavras-chave:

Racismo, Análise do Discurso Crítica, Discurso Multimodal

Resumo

O racismo contra negros no Brasil é um problema latente, provocador e complexo, por mais que alguns setores sociais tentem tornar invisível tal situação. Essa realidade torna essa pesquisa relevante por esta levantar questões críticas a respeito das constituições dos sujeitos e seus discursos acerca do racismo, mas, principalmente por abranger o discurso que está inserido em práticas sociais tensas de resposta ao discurso dominante e estabelecedor de relações assimétricas de poder. A partir da Teoria Social do Discurso de Norman Fairclough (2001), da Gramática do Design Visual de Gunther Kress e van Leeuwen (2006) e da concepção de texto de Hanks (2008), realizamos a análise crítica de três imagens (grafites) presentes em espaços públicos (muro e calçada) na rua Juvenal Galeno (Bairro do Benfica) e na avenida Treze de Maio (Bairro de Fátima), na cidade de Fortaleza - CE. Buscamos, assim, relacionar as implicações desses três referenciais teóricos na nossa análise: a definição de discurso, enquanto prática social, de Fairclough, aliada à sua concepção de texto como formação social, o processo conceitual simbólico sugestivo da Gramática do Design Visual e a concepção dinâmica de texto proposta por Hanks. O conjunto visual formado por texto e imagem nos grafites revela o discurso multimodal de um movimento negro que busca questionar os sentidos impostos pelo discurso racista dominante. Ao contrário do que o senso comum defende, os grafites são construções fecundas de sentido que produzem subjetividades e podem transformar o imaginário social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, D. B. de. Do texto às imagens: as novas fronteiras do letramento visual. In: PEREIRA, R. G; ROCA, P. (orgs.). Linguística aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Editora Contexto, 2009.
ALMEIDA, D. B. Perspectivas em análise visual: do fotojornalismo ao blog. João Pessoa: Editora da UFPB, 2008.
DIONÍSIO, A. P. Gêneros multimodais e multiletramentos. In: KARWOSKI, A. M. GAYDECZKA, B; BRITO,K. S. (orgs.). Gêneros textuais: Reflexões e ensino. Rio de Janeiro: Ed. Lucerna, 2005, p. 159-177.
FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília, Editora da UNB, 2001.
HALLIDAY, M. A. K. An Introduction to Functional Grammar. London: British Library Cataloguing in Publication Data, 1985.
HANKS, W. F. Texto e textualidade. In: BENTES, A. C.; REZENDE, Renato C.; MACHADO, Marco A. R. (Org.). Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008, p. 118-168.
JEWITT, C. (org.). Handbook of Multimodal Analysis. London: Routledge, 2009.
KRESS, G. VAN LEEUWEN, T. Multimodal Discourse: the modes and the media of contemporary communication. London: Edward Arnold, 2001.
KRESS, G. VAN LEEUWEN, T. Reading images: the Grammar of visual design. London: Routlegde, 2a.Edition, 2006.
MAGALHÃES, C. Interdiscursividade e conflito entre discursos sobre raça em reportagens brasileiras.Revista Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 4, n. especial, p. 35-60, 2004.
RESENDE, V.de M. RAMALHO, V. Análise do discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006.
RINK, A. Grafite: intervenção urbana e arte. Curitiba: Appris, 2013.

Downloads

Publicado

2019-08-20

Como Citar

E PAIVA, G. M. F.; MOREIRA, H. N.; DE OLIVEIRA, F. P. L. ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO NEGRO EM FORMA DE GRAFITE: QUESTIONANDO SENTIDOS DOMINANTES ATRAVÉS DO DISCURSO MULTIMODAL. Revista Linguagem em Foco, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 69–82, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/1556. Acesso em: 20 abr. 2021.