A educação a distância e a precarização da formação do professor: um desafio a superar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v5i1.7322

Palavras-chave:

Precarização, Educação a Distância, Formação do Professor

Resumo

Este artigo destaca a abrangência da educação a distância, diante das mudanças estruturais do Estado a partir da década de 1990, em que a educação passa a ser ajustada a lógica capitalista e a formação docente direcionada ao projeto neoliberal. Buscamos analisar as consequências na formação do professor, diante do projeto educacional afinado aos interesses do capital, as regulamentações que deram impulso à expansão da educação a distância (EaD) no ensino superior e o processo de internalização no país. Diante dos dados quantitativos fornecidos pelas sinopses estatísticas do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) examinamos a EaD nos setores públicos e privados e sua expansão em todas as regiões do território nacional. As análises realizadas nesta pesquisa têm em sua fundamentação teórica e metodológica os princípios da Pedagogia Histórico-Crítica, pedagogia essa baseada no Materialismo Histórico- dialético, método que nos permite compreender a realidade social em que estamos inseridos. Discutimos a relação entre a sociedade e a educação, indicando um possível caminho para a superação do projeto educacional do capital.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BATISTA, Carla Jeane Farias; SOUZA, Marisa Magalhães. A Educação a Distância no Brasil: Regulamentação, Cenários e Perspectivas. Revista Multitexto, 2015, v. 3, n. 02. Disponível em: http://www.ead.unimontes.br/multitexto/index.php/rmcead/article/view/136. Acesso em: 12 dez. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2008. Brasília, DF: MEC/INEP. [2008]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2009. Brasília, DF: MEC/INEP. [2009]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2010. Brasília, DF: MEC/INEP. [2010]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2011. Brasília, DF: MEC/INEP. [2011]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2012. Brasília, DF: MEC/INEP. [2012]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2013. Brasília, DF: MEC/INEP. [2013]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2014. Brasília, DF: MEC/INEP. [2014]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2015. Brasília, DF: MEC/INEP. [2015]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2016. Brasília, DF: MEC/INEP. [2016]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2017. Brasília, DF: MEC/INEP. [2017]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2018. Brasília, DF: MEC/INEP. [2018]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal. [1988]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 2 abr. 2019.

BRASIL. Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967. Complementa e modifica a Lei número 4.117, de 27 de agosto de 1962. Brasília, DF: Presidência da República. [1962]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0236.htm. Acesso em: 11 dez. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei no 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e Bases para o ensino, de 1o e 2o graus e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. [1971]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5692.htm. Acesso em: 2 abr. 2019.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República. [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 2 abr. 2019.

CHAVES, Vera Lúcia Jacob. Expansão da Privatização/Mercantilização do Ensino Superior Brasileiro: A formação dos Oligopólios. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 111, p. 481-500, abr./jun. 2010. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 2 abr. 2020.

DUARTE, Newton. A Individualidade para si: contribuição a uma teoria crítica da formação do indivíduo. 3. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

ESTADÃO – ECONOMIA E NEGÓCIOS. Região Sul é socialmente a mais desenvolvida. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,regiao-sul-e-socialmente-a-mais-desenvolvida-imp-,557299#:~:text=O%20Sul%20det%C3%A9m%20o%20maior,m%C3%A9dia%20de%20vida%2C%20entre%20outros. Acesso em: 16 nov. 2020.

EVANGELISTA, Olinda. SEKI, Allan Kenji. SOUZA, Artur Gomes de. TITTON, Mauro. AVILA, Astrid Baecker. Desventuras dos professores na formação para o capital. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2019.

FERREIRA, Benedito de Jesus Pinheiro. Educação e mídias digitais: a necessária síntese da contradição valor de uso/valor de troca. ISSN 1982-7199. DOI: http://dx.doi.org/10.14244/198271993773. Revista Eletrônica de Educação, v. 14, 1-21, e3773071, jan./dez. 2020. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3773. Acesso em: 5 jan. 2021.

FREITAS, Luiz Carlos. A Reforma Empresarial da Educação: Nova direita, velhas ideias. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Índice de Desenvolvimento Humano. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/busca.html?searchword=IDH&searchphrase=all. Acesso em: 7 nov. 2020.

IPAE, Instituto de Pesquisas Avanças em Educação. Os reflexos da nova regulamentação da educação a distância nas escolas de educação básica e superior e nas instituições de pesquisa científica e tecnológica (Estudo técnico sobre os Decretos nºs 5.622, de 19 de dezembro de 2005 e 6.303, de 12 de dezembro de 2007). Disponível em: http://www.ipae.com.br/et/14.pdf. Acesso em: 5 jan. 2021.

KROTON Educacional S.A. Relatório de Sustentabilidade 2018. Disponível em: http://ri.kroton.com.br/wp-content/uploads/sites/44/2019/06/190610_Kroton_RS2018_naveg%C3%A1vel_.pdf. Acesso em: 10 out. 2020.

LIBÂNEO, José Carlos. Políticas educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa, v. 46, n. 159, p. 38-62. jan./març. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/v46n159/1980-5314-cp-46-159-00038. Acesso em: 20 nov. 2020.

MALANCHEN, J. A formação a distância e a precarização do trabalho docente: Canal História e Memória da Educação: SILVA, J. C. Cascavel, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MNDriR9bPXc. Acesso em: 10 out. 2020.

MALANCHEN, Julia. Oportunismo do Capital e a Precarização da Educação Pública via EAD: Análise a partir da Pedagogia Histórico-Crítica. Revista Cotidiano Ressignificado - Educação e Novas Tecnologias. 2020. Disponível em: https://rpcr.com.br/index.php/revista_rpcr/article/view/1. Acesso em:10 set. 2020.

MALANCHEN, Julia. Políticas de Formação de Professores a Distância no Brasil: uma análise crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2015.

SAVIANI, Demerval. Escola e Democracia. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, Demerval. Educação – Do senso comum à consciência filosófica. 19. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SEKI, Allan Kenji; SOUZA, Artur; EVANGELISTA, Olinda. A formação docente superior - Hegemonia do capital no Brasil. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 447-467, jul./dez. 2017. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/812. Acesso em: 3 mar. 2020.

SILVA, João Carlos. A Pedagogia Histórico-Crítica no Contexto da Luta de Classes: Contribuições para pensar sobre a Escola Pública. In: MATOS, Neide da Silveira Duarte; SOUSA, Joceli de Fátima Arruda (Orgs). Pedagogia Histórico-Crítica – Revolução e Formação de Professores. Campinas, SP: Armazém do Ipê, 2018.

VIEIRA, Suzane da Rocha. Diretrizes Curriculares para o curso de Pedagogia: pedagogo, docente ou professor? Orientadora Olinda Evangelista. 2007, 141f. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/89999/244565.pdf. Acesso em: 22 maio 2019.

Downloads

Publicado

2021-12-08

Como Citar

VIEIRA AMORIM, E. .; MALANCHEN, J. A educação a distância e a precarização da formação do professor: um desafio a superar. Cadernos do GPOSSHE On-line, [S. l.], v. 5, n. 1, 2021. DOI: 10.33241/cadernosdogposshe.v5i1.7322. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/CadernosdoGPOSSHE/article/view/7322. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Fluxo Contínuo