As Metamorfoses no discurso e o surgimento do novo homo politicus na corrida eleitoral em 2018

Palavras-chave: Sujeito político, saber, relações de poder

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar as formas de construção do sujeito político na atualidade ou, como optamos por utilizar no decorrer do texto, o novo homo politicus. O conceito foi utilizado por Jean-Jacques Courtine em seu artigo ‘As metamorfoses do homo politicus’, publicado no Brasil em Legados de Pêcheux: inéditos em análise do discurso (PIOVEZANI; SARGENTINI, 2011). Para efetivar os estudos, utilizamos as noções de enunciado, discurso, saber e poder consolidadas pelo filósofo francês M. Foucault. Sendo assim, esta pesquisa se insere nos estudos foucaultianos do discurso e utiliza-se da arqueologia e da genealogia para a construção do método de análise. Como aporte teórico, as obras utilizadas foram: Arqueologia do saber (2012), Vigiar e Punir (2011), História da sexualidade I (1988) e O nascimento da biopolítica (2008).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUMAN, Z. Vidas para consumo: A transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

COURTINE, J. J. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

COURTINE, J.J. As metamorfoses do homo politicus. In: PIOVEZANI, C.; SARGENTINI, V. Legados de Michel Pêcheux: inéditos em análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2011, p. 117-127.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Editora 34, 2013.

DELEUZE, G. Foucault. Lisboa: Editora Vega, 2005.

DUARTE, A. Vidas em risco: crítica do presente em Heidegger, Arendt e Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: Michel Foucault, uma tragetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. In: DREYFUS, H; RABINOW, P. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

FOUCAULT, M. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. Resposta a uma questão. In: FOUCAUT, M. Repensar a política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010, p. 1-24.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2011.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural do Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GONZÁLEZ, L. E. F.; QUEIROLO, R. V. Izquierda y derecha: formas de definirlas, el caso latinoamericano y sus implicaciones. America Latina Hoy, Salamanca, v. 65, p. 79-105, dez. 2013. Disponível em https://www.redalyc.org/pdf/308/30829449004.pdf. Acesso em 26 abr. 2020.

ORLANDI, L. B. L. Do enunciado em Foucault a teoria da multiplicidade em Deleuze. In: TRONCA, I. A. Foucault vivo. Campinas: Pontes, 1987, p. 11-42.

PRADO FILHO, K. A genealogia como método histórico de análise de práticas e relações de poder. Revista de Ciências Humanas, 2017.

REVEL. J. Dicionário Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

SARGENTINI, V. M. O. Dispositivo: um aporte metodológico para o estudo do discurso. In: SOUSA, K.M.; PAIXÃO, H.P. Dispositivos de poder/saber em Michel Foucault: biopolítica, corpo e subjetividade. 1. ed. São Paulo: Editora Intermeios, 2015, v. 1, p. 19-36.

VEYNE, P. Foucault: seu pensamento, sua pessoa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
DE OLIVIERA, R.; DE SOUSA, K. As Metamorfoses no discurso e o surgimento do novo homo politicus na corrida eleitoral em 2018. Revista Linguagem em Foco, v. 12, n. 1, p. 148-164, 12 maio 2020.