“Nós Não Somos Feministas. Só Queremos Ser Reconhecidas como Pescadoras”

Interseccionalidades e Performances Narrativas de Pescadoras Negras em Arraial do Cabo

  • Maria Aparecida Gomes Ferreira
Palavras-chave: Interseccionalidade, Performances Narrativas, Pescadoras, Arraial do Cabo

Resumo

Partindo de uma visão performativa da linguagem (AUSTIN, [1962] 1990; DERRIDA, 1972) sobre performances de gênero e raciais (BUTLER, 1990; 1993; BUCHOLTZ, 2011), o presente trabalho é um estudo de narrativas (SANTOS, 2007; FERREIRA, 2016) que objetiva discutir a relevância das performances D/discursivas de gênero e de raça para melhor compreensão da cultura de pesca em Arraial do Cabo (FERREIRA, 2016) e analisar as ordens de indexicalidade (BLOMMAERT, 2010) sugeridas nessas performances, a partir de uma análise interseccional dos dados (CRENSHAW, 2002; AKOTIRENE, 2018; LOVE, 2019). Os resultados apontam para ordens de indexicalidade com relações de menor competitividade e maior interdependência (HOOKS, 2018) entre pescadores e pescadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AKOTIRENE, C. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2018.

AUSTIN, J. L. How to do things with words. Oxford: Oxford University Press. 1962.

BUCHOLTZ, M. White kids. Language, race, styles and youth identity. USA: Cambridge University Press, 2011.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1990/2003.

______. Bodies that matter. On the discursive limits of sex. London: Routledge, 1993.

______. Excitable Speech. A politics of performative. New York & London: Routledge, 1997.

BLOMMAERT, J. Sociolinguistic scales. Working Papers in Urban Language and Literacies. Paper 37. King´s College London, p. 1-15, 2006.

______. A messy new market place. In: ______. The sociolingusitics of globalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. p. 28-62.

COLLINS, P. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, jan./abr. 2016.

COLLINS, P. BILGE, S. Intersectionality. Cambridge: Cambridge University Press, 2016.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, ano 10, p. 171-188, 2002.

DERRIDA, J. Signature Event Context. In.: ______. Limited Inc. Evanston, Northwestern: University Press, 1977. p. 1-23.

FERREIRA, M. A. G. Entre redes de discursos e de pesca: performances narrativas de mulheres pescadoras em Arraial do Cabo. 2016. 199 p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

______. “Eles num vê uma mulhé na água / (...) eles vê como se fosse um homem”: cronótopos e performances de gênero na pesca em Arraial do Cabo. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, MG, v. 30, n. 1, p. 279-303, jan./jun. 2017.

FERREIRA, M. A. G. e FIALHO, R. M. Nas redes de saberes e histórias. Rio de Janeiro: União Nacional de Autores, 2013.

GARCEZ, P. M. Transcrição como teoria: a identificação dos falantes como atividade analítica plena. In.: MOITA LOPES, L. P, BASTOS, L. C. (Orgs.). Recortes multi e interdisciplinares. Campinas: Mercado de Letras, 2002. p. 83-95.

GEE, J. P. An introduction to discourse analysis: Theory and Method. London; New York: Routledge, 1999.

GUBRIUM, J. F.; HOLSTEIN, J. A. Postmodern Interviewing. SAGE Publications: [s.n.], 2003.

HOOKS, B. O feminismo é para todo mundo: Políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa
dos Tempos, 2018.

LINSKER, R.; TASSARA, H. O mar é uma outra terra. São Paulo: Terra Virgem, 2005.

LOVE, B. L. We want to do more than survive: abolitionist teaching and the pursuit of educational freedom. Boston: Beacon Press, 2019.

LORDE, A. Idade, raça, classe e gênero: mulheres redefinindo a diferença. Tradução de Léa Viveiros de Castro. In.: ______. Sister Outsider: Essays and speeches. Nova York: Crossing Press, 1984.

MISHLER, E. G. Research Interviewing: Context and Narrative. Harvard University Press. USA, 1986.

PRADO, S. M. Da anchova ao salário minímo: uma etnografia sobre injunções de mudança social em Arraial do Cabo. Niterói: EdUFF, 2002.

RAMOS, L. Crise política e as esquerdas. In.: BUENO, Winnie et. al. Tem saída? Ensaios críticos sobre o Brasil. Porto Alegre: Zouk, 2017.

SANTOS, W. S. O longo caminho até Damasco: rede de mudança e fluxo de mudança em Narrativas de Conversão religiosa. 2007. 210 p. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2007.

SCHNACK, C. M.; PISONI, T. D.; OSTERMAN, A. C. Transcrição da fala: do evento real à representação da escrita. Revista Entrelinhas, ano II, n. 2, maio/ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2019.

SCOTT, J. W. Gender: A Useful Category of Historical Analysis. The American Historical Review, v. 91, n. 5, p. 1053-1075, Dec. 1986.

WORTHAM, S. Narratives in action: A strategy for research and analysis. [S.l.]: Teachers College; Columbia University, 2001.
Publicado
2020-03-23
Como Citar
FERREIRA, M. A. “Nós Não Somos Feministas. Só Queremos Ser Reconhecidas como Pescadoras”. Revista Linguagem em Foco, v. 11, n. 2, p. 148-164, 23 mar. 2020.