“A Coisa Tá Preta”

Uma Análise Discursiva Acerca da Ressignificação da Expressão Idiomática no Videoclipe de Rincon Sapiência

  • Thauany Ferreira Amaro
  • Antonio Carlos Santana de Souza
Palavras-chave: Linguística, Análise do Discurso, Identidade cultural, Expressão idiomática

Resumo

O presente artigo traz, à luz da análise do discurso materialista histórica, uma reflexão discursiva acerca do dito popular de senso comum “a coisa tá preta” e a forma como ele é ressignificado no videoclipe da música homônima do rapper Rincon Sapiência. Intuindo alcançar o objetivo proposto, foi feita uma análise utilizando como base os escritos de Eni Orlandi (2006, 2012, 2015) a fim de compreender as principais noções teóricas que ampararam este estudo discursivo. No que diz respeito à compreensão acerca do rap como gênero musical coadunamos com Fleury e Souza (2015) que retratam o gênero como exemplo de identidade cultural do povo negro. Ademais, no que tange às expressões idiomáticas, utilizamos os estudos de Urbano (2008) e, para contemplar a temática de identidade cultural, Gomes (2003).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALESSI, G. “Batemos tambores, eles panelas”: Rincon Sapiência quer matar o senhor de engenho e ainda te fazer dançar. EL PAÍS, 12 jun. 2017, web. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2018.

BURGESS, J. YouTube e a Revolução Digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. Tradução de Ricardo Giassetti. São Paulo: Aleph, 2009.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de Análise do Discurso. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2016.

EQUIPE NOISEY. A coisa tá preta no novo clipe do Rincon Sapiência. NOISEY, 13 maio 2016, web. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2018.

FLEURY, M. C.; SOUZA. Identidade Cultural na Música Negra: o exemplo do soul e do rap. In: III Congresso Internacional do Curso de História da UFG/Jataí: História e Diversidade Cultural, 2012, Jataí. Anais. Jataí: UFG, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2018.

GOMES, N. L. Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. In: II Seminário Internacional de Educação Intercultural; Gênero e Movimentos Sociais, 2003, Florianópolis. Anais. Florianópolis: UFSC, 2003.

MARIANI, B.; MAGALHÃES, B. Lacan. In: OLIVEIRA, L. A. Estudos discursivos: perspectivas teóricas. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2013. Cap. 4, p. 101-122.

MONTEIRO-PLANTIN, R. S. . Fraseologia: era uma vez um patinho feio no ensino de língua materna. 1. ed. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2014. v. 1. 309p. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2019.

ORLANDI, E. de L. P. Análise de Discurso. In: ORLANDI, Eni Puccinelli ; LAGAZZI, S.M (Orgs.). Introdução às Ciencias da Linguagem: Discurso e Textualidade. 3. ed. Campinas: Pontes, 2006. p. 16-35.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto: formação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2012.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2015.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso. In: ORLANDI, E.P.; LAGAZZIRODRIGUES, S. (Orgs.). Introdução às ciências da linguagem: Discurso e textualidade. Campinas: Pontes, 2017.

A COISA TÁ PRETA. Compositor: Rincon Sapiência; Direção: Luis Rodrigues; Rincon Sapiência. Produção: Porqueeu Filmes. 13 maio 2016. 4:17 min. YouTube. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2018.

SANTOS, S. S. B. Pêcheux. In: OLIVEIRA, L. A. Estudos discursivos: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola Editorial, 2013. Cap. 8, p. 209-234.

SERRANO, C. Ginga, a rainha quilombola de Matamba e Angola. Revista USP, n. 28, p. 136-141, 01 mar. 1996.

URBANO, H. Da fala para a escrita: o caso de provérbios e expressões populares. Investigações, Pernambuco, v. 21, n. 2. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

XATARA, Claudia. Dicionário de expressões idiomáticas. web, 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2018.
Publicado
2020-03-23
Como Citar
AMARO, T.; DE SOUZA, A. C. “A Coisa Tá Preta”. Revista Linguagem em Foco, v. 11, n. 2, p. 136-147, 23 mar. 2020.