Estudos Discursivos e Identitários em Educação

Escrita Biográfica como Caminho para Transformação

  • Juliana de Freitas Dias
  • Vanessa Tavares de Matos
Palavras-chave: Discurso, Educação, Identidade, Escrita Autoral

Resumo

Neste artigo propomos uma proposta de investigação, centrada no estudo da linguagem sob enfoque discursivo, sobre o papel de projetos educacionais de caráter transgressor (HOOKS, 2013) e voltados ao enfrentamento das desigualdades sociais e, em especial, de desigualdades de gênero-raça-classe. Apresentamos nossas análises discursivas das auto-transformações identitárias de professoras participantes do Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI), atualmente política pública da Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF). Nosso aporte teórico centra-se na Análise de Discurso Crítica, em diálogo transdisciplinar com a Pedagogia Crítica (FREIRE, 1967; GIROUX, 1997; e HOOKS, 2013); com estudos decoloniais (BALESTRIN, 2013; LUGONES, 2008; QUIJANO, 2014) e com estudos feministas, sobretudo de perspectiva também decolonial e negra (ADICHIE, 2015; RIBEIRO, 2018, LUGONES, 2014). Analisaremos a produção escrita autoral de cunho biográfico de professores/as participantes do Programa de Ampliação do Projeto Mulheres Inspiradoras em 2017. Utilizaremos como arcabouço metodológico as diretrizes da Análise de Discurso Crítica (CHOULIARAKI e FAIRCLOUGH, 1999). A geração de dados desta pesquisa qualitativa, com viés etnográfico discursivo, se orientou para textos de cunho biográfico que se revelou potente para a compreensão das mudanças identitárias discursivas dos/as professores/as.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADICHIE, C. N. Sejamos todos feministas. Tradução de Cristina Baum. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ALBUQUERQUE, G. V. P. Projeto Mulheres Inspiradoras: a pedagogia de projetos e o fortalecimento da identidade dos estudantes e das estudantes. 2015. Monografia (Especialização em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

ALVES, G. Carta de algum lugar do futuro: narrativas de cunho biográfico/ Estratégia de geração de dados – uma proposta “desencaixada” e reflexiva. Cadernos de Linguagem e Sociedade, Brasília, v. 19, n. 3, p. 145-164, 2018.

ARONOWITZ, S.; GIROUX, H. Education under siege. London: Routledge & Kegan Paul, 1987.

BACH JR., J. O trabalho biográfico como fonte de aprendizado: autoeducação e fenomenologia de Goethe. Educar em Revista, Curitiba, v. 35, n. 74, p. 233-250, 2019.

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio-ago., 2013.

DIAS, J. F. Pensar, sentir, agir na educação: estudos discursivos engajados com a mudança social. Brasília: Universidade de Brasília, 2019. (No prelo).

DIAS, J. F. Conscientização Linguística Crítica e mudança identitária de professor: práticas de leitura escolar. In: APARECIDO, Kleber (Org.). Letramentos, Discursos Midiáticos e Identidades: Novas perspectivas. São Paulo: Pontes Editores, 2015. p. 135-160.

DIAS, J.; ALBUQUERQUE, G. Carta a uma professora: “não quero ser invisível, quero ser professora”. Cadernos de linguagem e sociedade, Brasília, v. 19, n. 3, p. 7-18, 2018.

DIAS, J.; COROA, M.; LIMA, S. Criar, resistir e transgredir: pedagogia crítica de projetos e práticas de insurgências na educação e nos estudos da linguagem. Cadernos de linguagem e sociedade, Brasília, v. 19, n. 3, p. 29-48, 2018.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity: rethinking Critical Discourse Analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge. 2003.

______. A dialética do Discurso. Tradução de Maria Izabel Magalhães. In: MAGALHÃES, I. (Org.). Discursos e práticas de letramento: pesquisa etnográfica e formação de professores. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012.

FRANCHI, E. P. (Org.). A causa dos professores. Campinas, SP: Papirus Editora, 1995.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Liberdade. 19. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Tradução de Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

______. Love as the Practice of Freedom. In: ______. Outlaw Culture. Resisting Representations. Nova Iorque: Routledge, 2006. p. 243-250.

LUGONES, M. Colonialidad y género. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 73-101, jul.-dic., 2008.

MAGALHÃES, I; MARTINS, A. R.; RESENDE, V. M. Análise de Discurso Crítica: um método de pesquisa qualitativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2017.

PEDRO, E. R. Análise crítica do discurso: aspectos teóricos, metodológicos e analíticos. In: ______ (Org). Análise Crítica do Discurso: uma perspectiva sociopolítica e funcional. Lisboa: Caminho Editorial, 1997.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder y clasificación social. In: ______. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014.

RAMALHO, V; RESENDE, V. M. Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. v. 1. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011. (Coleção Linguagem e sociedade).

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. Análise de Discurso Crítica. 2. ed. 2. reimp. São Paulo. SP: Contexto, 2014.

RIBEIRO, D. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

VIEIRA, V. G. B. Formação e identidade docente no contexto de ampliação do Projeto Mulheres Inspiradoras sob a ótica da Análise de Discurso Crítica. 2018. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Publicado
2020-03-23
Como Citar
DIAS, J.; DE MATOS, V. Estudos Discursivos e Identitários em Educação. Revista Linguagem em Foco, v. 11, n. 2, p. 63-79, 23 mar. 2020.