DISCURSO E FORMAÇÃO IDENTITÁRIA NEGRA NA ESCOLA

  • Maria Edleuza Maia UECE
  • José Ernandi Mendes UFC
  • Lúcia Helena de Brito UFC
Palavras-chave: Discurso, Identidade negra, Escola

Resumo

O presente artigo aborda a formação identitária de estudantes e professores(as) negros(as) no âmbito dos processos formativos na escola básica. Trata-se de um estudo realizado em uma escola pública estadual de educação básica, no município de Limoeiro do Norte-Ceará. O diálogo com os campos da Sociologia, da Linguística Aplicada, da Antropologia e da Educação nos forneceu fundamentos conceituais e metodológicos para analisarmos como a escola dialoga com a diversidade cultural, em especial a cultura negra, e sua importância na formação da identidade negra. Os discursos elaborados pelos estudantes e pelos(as) professoras(es) negras(os) sobre suas experiências e a relação com a pratica pedagógica da escola apresentam dados extensivos a uma realidade educacional mais ampla, comum às populações pobres e negras. As narrativas revelam significados que indicam como o termo “preconceito de cor” traduz o preconceito racial e social construído contra a população negra, que, associada genericamente à condição de inferioridade, é segregada pelos costumes e pela cultura. A escola como instituição é responsável por reproduzir valores e ideologias hegemônicas. Contraditoriamente, é na apropriação dos conhecimentos veiculados na escola que se fortalece a resistência e a luta consciente pelo ensino da cultura africana, um desafio para educadores(as) e sujeitos sociais empenhados na luta pelo fim dos preconceitos raciais e na construção da emancipação social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai - a África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
BRASIL. Censo. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010.
CLANDININ, Jean D.; CONNELLY, F. Michael. Personal experience methods. In: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. (Org.). Collecting and interpreting qualitative materials. London: Sage Publications, 1998. p.150-158.
FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. 5.ed. São Paulo: Globo, 2008, vols. I e II.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. 4.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
HEGEL, George F. Filosofia da História, Brasília: Ed. UnB, 1995.
KI-ZERBO. História da África negra. 2.ed. Europa-América: Mem-Martins, 1972.
MENDES, Pedro Vítor Gadelha. Racismo no Ceará: herança colonial, trajetórias contemporâneas. 2010. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) – Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.
MENDES, José Ernandi. Professor municipal: entre as políticas educacionais e as trajetórias pessoais. Tese de Doutorado em Educação Brasileira. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza, 2005.
MUNANGA, Kabenguele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 4.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
______. Negritude: usos e sentidos. 3.ed. 1. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. (Coleção Cultura Negra e Identidades).
NOGUEIRA, Oracy. Tanto preto quanto branco. Estudos das relações raciais. São Paulo: T. A. Queiroz, 1985.
PESAVENTO, Sandra Jatay. História & História Cultural. 2.ed. 1. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
POLLAK, Michel. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos. v.5, n.10, Rio de Janeiro, 1992. Disponível em: . Acesso: nov./2016.
SILVA, Paulo Vinícius Baptista da. Racismo em livros didáticos: estudo sobre negros e brancos em livros de língua portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.
Publicado
2019-09-23
Como Citar
MAIA, M. E.; MENDES, J. E.; DE BRITO, L. H. DISCURSO E FORMAÇÃO IDENTITÁRIA NEGRA NA ESCOLA. Revista Linguagem em Foco, v. 8, n. 2, p. 89 - 102, 23 set. 2019.