LINGUAGEM E LETRAMENTOS DE REEXISTÊNCIAS: EXERCÍCIOS PARA REEDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES RACIAIS NA ESCOLA

  • Ana Lúcia Silva Souza UNICAMP
Palavras-chave: Letramento de reexistência, Relações raciais, Arranjos educativos: formação de professores, Lei 10.639/03

Resumo

O artigo discute os embricamentos entre linguagem e relações raciais na escola, destacando a importância de considerar,nas interações que se estabelecem em sala de aula, as identidades dos sujeitos no exercício cotidiano da construção de conhecimentos, o que venho nomeando como letramentos de reexistência. Para tanto, evidencio que o uso da categoria “reexistência” requer tomar por base, numa perspectiva sóciohistórica, aspectos da visão bakhtiniana de linguagem, bem como as abordagens sobre letramentos múltiplos e heterogêneos (KLEIMAN, 1995; BARTON; HAMILTON; IVANIC, 2000; ROJO, 2009; SOUZA, 2009, 2011);a aplicação das concepções de cultura e de identidades como aponta Hall(2000); e, principalmente, os estudos sobre a educação da população negra no Brasil (BARROS, 2005, 2016; FONSECA, 2005, 2016; ROMÃO, 2005; CUNHA, 2005; CARDOSO, 2005; CRUZ, 2005). Pretendi destacar que atentar sobre o valor e importância da articulação dos conhecimentos produzidos nas trajetórias dos sujeitos, dentro e fora da escola, seja a única saída para que a escola cumpra o seu papel de reeducar para as relações raciais, para todas as pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANTES, A. S. Discursos sobre eugenia, higienismo e racialização nas escolas primárias pernambucanas (1818-1938). In: FONSECA, M. V.; BARROS, S. A. P. (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p.363-394.
BAKHTIN, M. / VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 1995 [1929].
BARROS, S. A. P. Discutindo a escolarização da população negra em São Paulo entre o final do século XIX e início do século XX. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação do negro e outras histórias. Distrito Federal, Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: 2005, p.79-92.
BARROS, S.A.P. Um balanço sobre a produção da história da educação dos negros no Brasil. In: FONSECA, M. V.; BARROS, S. A. P. (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p.51-70.
BARTON, D.; HAMILTON M; IVANIC, R. (Orgs.). Situated literacies: reading and writing incontext. Londres: Routlege, 2000.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução 01/2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana. Brasília, DF: 2004.
BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Brasília, DF: 2003.
CARDOSO, P. J. F. A vida na escola e a escola da vida: experiências educativas de afro-descendentes em Santa Catarina no século XX. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação do negro e outras histórias. Distrito Federal, Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: 2005, p.171-185.
CAVALLEIRO, E. Do silêncio do lar, ao silêncio escolar. São Paulo: Contexto, 2000.
CRUZ, M. S. Uma abordagem sobre a história da educação dos negros. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação do negro e outras histórias. Distrito Federal, Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: 2005, p.21-33.
CUNHA, L. M. A população negra nos conteúdos ministrados no curso normal e nas escolas públicas primárias de Pernambuco, de 1919 a 1934. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação do negro e outras histórias. Distrito Federal, Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: 2005, p.221-247.
DA LUZ, I.M. Sobre arranjos coletivos e práticas educativas negras no século XIX: o caso da Sociedade dos Artistas Mecânicos e Liberais de Pernambuco. In: FONSECA, M. V.; BARROS, S. A. P. (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p.117-140.
FONSECA, M. D. Pretos, pardos, crioulos e cabras nas escolas mineiras do século XIX. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação do negro e outras histórias. Distrito Federal, Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: 2005, p.93-113.
FONSECA, M. V. A população negra no ensino e na pesquisa em história da educação no Brasil. In: FONSECA, M. V.; BARROS, S. A. P. (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p.23-50.
FONSECA, M. V.; BARROS, S. A. P. (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016.
GOMES, N. L. Sem perder a raiz. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 8. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
JOVINO, I. S. El rap como práctica cultural juvenil negra. Boletín IFP, Santiago, ano 2, n.6, mayo 2004.
KLEIMAN, A. B. (Org.). Os significados do letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995.
MOEHLECKE, S. Ações Afirmativas no Brasil: um histórico do seu processo de construção. In: FONSECA, M. V.; BARROS, S. A. P. (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p.413-438.
MUNANGA, K. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Programa de Educação Sobre o Negro na Sociedade Brasileira. Niterói: EdUFF, 2004. (Cadernos PENESB 5).
PIRES, R. Narrativas quilombolas: negros em contos, de Cuti e Mayombe, de Pepetela. 1998. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.
RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e aquestão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.
ROMÃO, J. (Org.). História da educação do negro e outras histórias. Distrito Federal, Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: 2005
SILVA, P.B. G. Apresentação. In: FONSECA, M. V.; BARROS, S. A. P. (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p.07.
SOUZA, A. L. S. Letramentos de reexistência – poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.
SOUZA, A. L. S. Letramentos de reexistência: culturas e identidades no movimento hip-hop. 2009. 219f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas - SP, 2009.
Publicado
2019-09-23
Como Citar
SOUZA, A. L. LINGUAGEM E LETRAMENTOS DE REEXISTÊNCIAS: EXERCÍCIOS PARA REEDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES RACIAIS NA ESCOLA. Revista Linguagem em Foco, v. 8, n. 2, p. 67 - 76, 23 set. 2019.