A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ADICIONAL: CRENÇAS, DIFICULDADES E POSSIBILIDADES

Autores

  • Paula Tuany Silva Café UFMT
  • Flávia Girardo Botelho Borges UFMT
  • Ana Cecília Fonseca Matos UFMT

Palavras-chave:

Português como Língua Adicional, Formação de Professores, Crenças

Resumo

Este artigo situa-se na contemporaneidade das ações de internacionalização da educação nacional, tendo como foco a formação de professores para atuarem em aulas de português como língua adicional, em uma universidade pública brasileira. Para tanto, o texto apresenta a cartografia da formação pedagógica, alicerçada aos princípios norteadores da Linguística Aplicada Crítica, de dois sujeitos, professores em formação. A metodologia contou com a aplicação de um questionário, que investigou o processo de formação pedagógica baseado nas crenças, dificuldades e possibilidades, e a análise dos dados referenciou autores da Linguística e da Formação de Professores, como NÓVOA (1997) e BARCELOS (2006), entre outros. Em síntese, foi possível perceber que há o envolvimento das crenças, pautadas na formação e experiências docentes anteriores ao PLA, para a construção da formação atual. Em termos de dificuldades, os sujeitos revelaram que as semelhanças entre o espanhol e o português podem ser um obstáculo para o melhor desenvolvimento das aulas e, consequentemente, aprendizagem dos estudantes. Como possibilidades, os sujeitos evidenciaram a necessidade de oferta de disciplinas na graduação e pós-graduação que contemplassem essa formação adicional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-04-01

Como Citar

CAFÉ, P. T. S.; BORGES, F. G. B.; MATOS, A. C. F. A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ADICIONAL: CRENÇAS, DIFICULDADES E POSSIBILIDADES. Revista Linguagem em Foco, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 105, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/1193. Acesso em: 20 abr. 2021.