COMO SE TRADUZ METÁFORA? UMA ANÁLISE COM BASE NA TEORIA DA METÁFORA CONCEITUAL

  • Laura Baiocco UFRGS
  • Maity Siqueira UFRGS
Palavras-chave: Linguística Cognitiva, Tradução, Teoria da Metáfora Conceitual, Metáfora

Resumo

Este trabalho é uma aproximação entre os estudos da linguagem figurada na Linguística Cognitiva e os estudos de tradução. Apresentamos uma análise de duas traduções para o português do conto inglês “A Scandal in Bohemia”, de Arthur Conan Doyle. Buscamos investigar como os tradutores agem diante de metáforas e verificar a possível presença de mapeamentos metafóricos nas escolhas feitas pelos tradutores. Nos estudos que lidam com tradução dentro da Linguística Cognitiva, existe certo consenso de que o desafio da tradução está nos casos em que as línguas utilizam domínios conceituais diferentes para expressar ideias parecidas. Com isso em mente, selecionamos expressões dos textos com base no MIPVU, método para a identificação de metáforas linguísticas, e conduzimos a análise. Nossa investigação sugere que as metáforas, primárias na sua grande maioria, foram frequentemente traduzidas por equivalentes literais, sugerindo que as metáforas primárias também tendem a apresentar problemas para a tradução, diferentemente do que se entende na literatura. Nesses casos, percebemos que este problema pode ser explicado por diferenças entre as línguas nas elaborações linguísticas dessas metáforas. Com isso, concluímos que o potencial para a universalidade não isenta metáforas primárias de serem desafios para a tradução.

Publicado
2019-02-24