A Influência da Família e Escola na Formação Identitária da Criança Quilombola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v7i2.11770

Palavras-chave:

Educação antirracista; Construção identitária; Criança quilombola.

Resumo

O presente artigo busca fazer uma reflexão acerca da construção identitária da criança quilombola. Seu objetivo é perceber a relação entre família e escola enquanto disseminadora de tradições. A parceria dessas duas esferas ajudará a criança a fortalecer sua cultura, sua autoaceitação de si e defender seu povo que por muito tempo foi estereotipado. A metodologia dar-se-á por uma pesquisa documental e bibliográfica, com análise dos documentos vigentes para Educação Escolar Quilombola. Como suporte teórico serão abordados os estudos de Munanga (2005), Custódio e Foster (2019) Silva (2002), Leidens (2018), que versam caminhos e ações conjuntas na construção de valores, respeito e pluralidade de ideias que é fundamental para a vida em cidadania como também para as interações sociais que formam a identidade da criança negra. Trabalhar essa temática em consonância com a escola e a família resulta na aceitação do seu fenotípico negro e valorização do eu e do outro, pois uma educação antirracista e para as relações étnico-raciais deve iniciar na escola, depois ultrapassar seus muros levando conhecimento através de ações socializadoras com todos que compõe o espaço escolar.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Enauanny Wênya Lira Santos , Universidade de Pernambuco

Mestre do Programa de Mestrado Profissional em culturas africanas, da diáspora e dos povos indígenas – PROCADI; Especialista em Estudos de História (PROMINAS); Atendimento Educacional Especializado (Faculdade Campos Elíseos); Graduada em História (FABEJA) e Pedagogia - (UPE)

Referências

AQUINO, Cássio Adriano Braz. SOUZA, Mabel Melo. MONTEIRO, Francisco Herbert Pimentel. A Valorização da Cultura Negra e outras Ações Como Estratégias de Desenvolvimento: Caso da Comunidade. Quilombola de Horizonte-CE. Cadernos Camilliane. 2008.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Org. Educação Infantil Igualdade Racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo. Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdade - CEERT 2012

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n. 5/2009, de 17 de dezembro de 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica – CEB. Dez. 2009

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular - BNCC. MEC. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em 15/11/2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

CARVALHO, Daniela Melo da Silva. A Escola no Enfrentamento ao Racismo. 2020. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2020.

CUSTÓDIO, Elivaldo Serrão, FOSTER, Eugénia da Luz Silva. Educação escolar quilombola no Brasil: uma análise sobre os materiais didáticos produzidos pelos sistemas estaduais de ensino. Educar em Revista, Curitiba. 2019.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Editora Civilização Brasileira Rio de janeiro 1968.

FURTADO, Marcella Brasil. SUCUPIRA, Regina Lúcio. ALVES, Cândida Beatriz. Cultura, Identidade e Subjetividade Quilombola: Uma Leitura a Partir da Psicologia Cultural. Universidade de Brasília/ DF. Brasil. 2014

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. l.ed., IS.reimpr. - Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Ed. 11. Rio de Janeiro: DPSA,2006.

IVIC, Ivan. Lev Semionovich Vygotsky. Edgar Pereira Coelho (org.) - Recife:

Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

LEIDENS, Alexandre. A Formação da Identidade na Educação Escolar Quilombola. Muiraquitã, UFAC, ISSN 2525-5924, v. 6, n. 1, 2018.

MACEDO, Aldenora. A gestão escolar democrática e a implementação da educação antirracista na escola. Revista Espaço Acadêmico - n°187 – p. 106 – 119. 2016.

MUNANGA, Kabengele. Superando o Racismo na escola. 2ª edição revisada / Kabengele Munanga, organizador. – [Brasília]: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. 204p.: il.

PETRUCCI, Giovanna Wanderley, BORSA, Juliane Callegaro, KOLLER, Sílvia Helena. A Família e a Escola no Desenvolvimento Socioemocional na Infância. Trends in Psychology / Temas em Psicologia – Vol. 24, nº 2, 391-402 DOI: 10.9788/TP2016.2-01Pt. 2016.

ROCHA, Louro Cornélio da. As relações étnico-raciais, a cultura afro-brasileira e o projeto político-pedagógico. Salto para o Futuro- Currículo, relações raciais e Cultura Afro-brasileira. 2006. p. 1-76.

SÁ-SILVA, Jackson Ronie. Almeida, Cristóvão Domingos de. Guindani, Joel Felipe. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, Ano I - Número I - Julho de 2009

SILVA, Wilker Solidade, MARQUES, Eugênio Portela Siqueira. Educação e relações étnico-raciais: a lei 10.639/03, a formação docente e o espaço escolar. Horizontes, v. 33, n. 2, p.47-56, jul./dez. 2015.

SILVA, Flávia Carolina da. Educação das relações étnico-raciais na educação infantil: caminhos necessários para uma educação antirracista. Revista da ABPA, v. 12. n° 33. P. 66-84. 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Org. Identidade e diferença. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2000 p. 73 -102.

SILVA, Vera Lúcia Neri da– UFF GT: Educação de crianças de 0 a 6 anos/ n. 07 Agência Financiadora: CAPES As Interações Sociais e a Formação da Identidade da Criança Negra. 2002.

SANSONE, Livio. PINHO, Osmundo Araújo. Raça: novas perspectivas antropológicas. 2 ed. rev. Salvador: Associação Brasileira de Antropologia: EDUFBA, 2008.

Downloads

Publicado

2023-11-17

Como Citar

LIRA SANTOS , E. W. A Influência da Família e Escola na Formação Identitária da Criança Quilombola. Cadernos do GPOSSHE On-line, [S. l.], v. 7, n. 2, 2023. DOI: 10.33241/cadernosdogposshe.v7i2.11770. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/CadernosdoGPOSSHE/article/view/11770. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos