Chamada para Edição Temática: Colonialismo e neocolonialismo na América Latina e África

2019-12-23

O conceito de colonialismo tem sido usado, acima de tudo, como um fenômeno que explica as relações assimétricas e de dominação entre diferentes povos e nações; no entanto, também se manifesta em âmbito interno ao reproduzir, sob novas formas, antigas relações de poder. O neocolonialismo não apenas organiza os países da periferia do capitalismo a partir dos interesses das grandes potências, mas retira-lhes tudo que possa ser transformado em mercadoria, inclusive os direitos sociais. Em paralelo, faz com que as sociedades dominadas adotem os mesmos valores culturais do explorador.

O sociólogo mexicano Pablo González Casanova, em um artigo intitulado “Internal colonialism and national development” (1965), afirmava que as fronteiras políticas influenciaram direta ou indiretamente a formulação e uso de categorias sociológicas; o colonialismo é uma delas. Certas categorias surgiram e foram tratadas vinculadas aos problemas internos de uma nação ou território, outras em relação a problemas internacionais, sem fixar sistematicamente pontos de interconexão; isto é, sem investigar suficientemente até que ponto as categorias geralmente usadas para explicar problemas nacionais também servem para explicar problemas internacionais e vice-versa.

Esta é uma reflexão significativa para as lutas contemporâneas dos povos africanos e latinos no terreno econômico, político, social, ideológico e cultural, que exige conhecer profunda e amplamente as relações de forças nacionais e internacionais.

A edição Colonialismo e neocolonialismo na América Latina e África pretende contribuir para o avanço e a qualificação do debate sobre as múltiplas manifestações decorrentes dos processos de dominação neocolonial e convidam à submissão de artigos, ensaios e resenhas nas áreas de filosofia, ciência política, história, geografia, literatura, epistemologia, sociologia, entre outras.

Seguem algumas sugestões temáticas:

  • Convergências e divergências entre as diversas teorias pós-coloniais e decoloniais;
  • Teoria e pensamento crítico na(s) periferia(s);
  • Raça, etnia e nação;
  • Neoliberalismo e neocolonialismo;
  • Eurocentrismo, descolonização e pensamento crítico;
  • Consequências políticas do neocolonialismo no Sul global;
  • Colonialismo interno, nação e imperialismo;
  • Alternativas de resistência e construção de autonomias dentro do Estado-nação.

 

Prazo para recebimento de artigos e resenhas: 17/02/2020

Editores responsáveis: Gustavo Guerreiro (UECE), Otávio Velho (Museu Nacional/UFRJ) e Patricia Arredondo (York University).

Acesse as normas de editoriais antes de submeter um trabalho no endereço: https://revistas.uece.br/index.php/tensoesmundiais/about/submissions#authorGuidelines

Para mais informações, entre em contato pelos e-mails:

guguerreiro@gmail.com