Faixas de proficiência empiricamente desenvolvidas para avaliar a fluência do professor de língua estrangeira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46230/2674-8266-13-6076

Palavras-chave:

Avaliação docente, Fluência, Língua Estrangeira

Resumo

A consideração de evidências empíricas para o desenvolvimento de critérios avaliativos em exames de proficiência constitui um argumento para a validade do construto operacionalizado, assim como confere maior confiabilidade aos resultados produzidos por instrumentos avaliativos. O Exame de Proficiência para Professores de Língua Estrangeira (EPPLE), instrumento avaliativo em desenvolvimento para a avaliação de professores de línguas no contexto educacional brasileiro, carece de validação empírica de seus critérios para a avaliação da fluência, assim como não possui uma escala de proficiência linguística analítica. Este trabalho apresenta resultados da aplicação dos Empirically derived, Binary choice, Boundary Definition scales (EBBs), metodologia empírica para a seleção de critérios avaliativos utilizada para a análise de amostras de desempenho oral de futuros professores de língua estrangeira, oriundas do banco de dados do EPPLE. A partir da análise das amostras de desempenho oral, sugere-se que a escala de proficiência analítica e o quadro de critérios avaliativos incorporem fenômenos de hesitação a partir de uma perspectiva global e comunicativa. Além disso, pausas, autocorreções, repetições e reformulações de enunciados foram identificados como aspectos determinantes para definir os desempenhos característicos de cada faixa de proficiência linguística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Fernando de Oliveira, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Graduado em Lincenciatura em Letras Português/Inglês pela UNESP, campus IBILCE. Mestrando pelo programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da UNESP, campus IBILCE. Atua como professor de português para estrangeiros em plataformas online e se interessa por avaliação de proficiência. 

Referências

AMERICAN COUNCIL ON THE TEACHING OF FOREIGN LANGUAGES (ACTFL), 2013. The ACTFL proficiency guidelines 2012 - speaking. Disponível em: https://www.actfl.org/sites/default/files/pdfs/public/ACTFLProficiencyGuidelines2012_FINAL.pdf. Acesso em: 05 fev. 2021.

CENOZ, J. Pauses and hesitation phenomena in second language production. ITL - International Journal of Applied Linguistics. 2000.

COLOMBO, C. S. Avaliação de Proficiência Oral em Língua Estrangeira: Uma Proposta de Abordagem Avaliativa em um Exame para Professores de Línguas com base em Métodos de Estruturação de Problemas e em Métodos Multicritério de Análise da Decisão. 2019. 262 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. São José do Rio Preto/SP, 2019.

CONSOLO, D. A. A competência oral de professores de língua estrangeira: a relação teoria-prática no contexto brasileiro. In: CONSOLO, D. A.; TEIXEIRA DA SILVA, V. L. (Orgs.), Olhares e competências do professor de língua estrangeira: da formação ao desempenho profissional. São José do Rio Preto: NH, 2007, p. 165-178.

CONSOLO, D. A. Assessing EFL teachers’ oral proficiency: on the development of teacher education programmes and testing policies in Brazil. In: DOUGLAS et al. (Org.) Perspectivas em avaliação no ensino e na aprendizagem de línguas: pesquisas e encaminhamentos na formação e na prática docente. Campinas: Pontes Editores, 2017.

EDUCATIONAL TESTING SERVICE. Developing analytic rating guides for TOEFL iBT Integrated Speaking Tasks. 2013. Disponível em: https://www.ets.org/Media/Research/pdf/RR-13-13.pdf. Acesso em: 05 FEV. 2021.

FILLMORE, C. J. On fluency. In: FILLMORE, C. J.; KEMPLER, D.; WANG, W. (ed.). Individual differences in language ability and language behaviour. New York: Academic Press. 1979.

FULCHER, G.; DAVIDSON, F.; KEMP, J. Effective rating scale development for speaking tests: performance decision trees. Language Testing. Leicester: 2011.

FULCHER, G. Defining the construct. In: Testing second language speaking. New York: Routledge, 2014.

GHANEM, R.; KANG, O. Pronunciation features in rating criteria. In: KANG, O.; GINTHER, A (ed.). Assessment in Second Language Pronunciation. New York: Routledge. 2018.

IELTS. IELTS Speaking band descriptors. Disponível em: https://www.ielts.org/-/media/pdfs/speaking-band-descriptors.ashx?la=en. Acesso em: 05 fev. 2021.

JONG, N. Fluency in Second Language Testing: Insights from different disciplines. Language Assessment Quarterly. 2018.

KENNEDY, S.; TROFIMOVICH, P. Intelligibility, comprehensibility and accentedness of L2 speech: The role of listener experience and semantic context. Canadian Modern Language Review, 2008.

LENNON, P. Investigating fluency in EFL: A quantitative approach. Language Learning. 1990.

LENNON, P. The lexical element in spoken second language fluency. In: RIGGENBACH, H. (ed.) Perspectives on fluency. Michigan: The University of Michigan Press. 2000.

LIYANAGE, I.; GARDNER, R. Assessing fluency: are the criteria fair?. Classroom discourse. 2013.

UPSHUR, J. A.; TURNER, C. E. Constructing rating scales for second language tests. ELT Journal. Oxford University Press. 1995.

RODRIGUES, L. C. B. A formação do professor de língua estrangeira no século XXI: Entre as antigas pressões e os novos desafios. Revista Signum. 2016.

SEGALOWITZ, N. Cognitive bases of second language fluency. New York, NY: Routledge. 2010.

TURNER, C. Listening to the Voices of Rating Scale Developers: Identifying Salient Features for Second Language Performance Assessment. Canadian Modern Language Review/La Revue canadienne des langues vivantes. 2000.

Downloads

Publicado

2021-10-13

Como Citar

OLIVEIRA, D. F. de. Faixas de proficiência empiricamente desenvolvidas para avaliar a fluência do professor de língua estrangeira. Revista Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 13, n. 3, p. 55–72, 2021. DOI: 10.46230/2674-8266-13-6076. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/6076. Acesso em: 20 out. 2021.