A construção de um modelo didático de gênero e a definição de capacidades de linguagem como facilitadores do ensino de artigo de opinião em um curso de preparação para o Exame Celpe-Bras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46230/2674-8266-13-4345

Palavras-chave:

Celpe-Bras, Capacidades de linguagem, Modelo didático

Resumo

Neste artigo, apresentamos as capacidades de linguagem (DOLZ; PASQUIER; BRONCKART, 1993) e os modelos didáticos de gênero (PIETRO; SCHNEUWLY, 2019) como são conceituados pela engenharia didática do Interacionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 1999) e discutimos sua utilidade como recursos para orientar o planejamento de cursos preparatórios para a obtenção do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros Celpe-Bras. Toma-se como base uma Sequência Didática (DOLZ; NOVERRAZ; SCHNEUWLY, 2004) elaborada para o ensino do gênero textual artigo de opinião em um curso preparatório desse exame. Além de apresentar a definição das capacidades de linguagem para esse gênero no exame e o modelo didático do gênero, é feita uma análise qualitativa da proposta didática criada com base nesses recursos, que evidencia seu potencial para tornar o planejamento mais apegado aos diferentes objetivos definidos para um curso baseado em gêneros e mais coerente com a concepção de uso da linguagem que adotam os idealizadores do exame.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Damián Díaz, Facultad de Información y Comunicación, Universidad de la República

Mestre em Linguística Aplicada. Professor Assistente da Facultad de Información y Comunicación (FIC), Universidad de la República (UdelaR), Campus Montevideo, Montevidéu, Uruguai.

Gladys Quevedo-Camargo, Instituto de Letras, Universidade de Brasília

Doutora em Estudos da Linguagem. Professora Ajunta do Instituto de Letras (IL), Universidade de Brasília (UnB), Campus Darcy Ribeiro, Brasília, DF, Brasil.

Referências

BAKHTIN, M. El problema de los géneros discursivos. In: BAKHTIN, M. Estética de la creación verbal. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2008, p. 245-290.

BRASIL. Secretaria de Educação Superior. Manual do Candidato do Exame Celpe-Bras. Brasília, 30 f. 2002. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/manuais/manual-2002. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Manual do Examinando do Exame Celpe-Bras. Brasília, 12 f. 2012. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/manuais/manual-do-examinando-versao-eletronica-simplificada-2012-2. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. Manual de orientações para os coordenadores de postos aplicadores do Celpe-Bras. Brasília, 44 f. 2015. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/manuais/manual-do-aplicador-2015. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. Manual de orientações para os coordenadores de postos aplicadores do Celpe-Bras. Brasília, 44 f. 2016. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/manuais/manual-do-aplicador-2016. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. Cartilha do Participante Celpe-Bras. Brasília, 22 f. 2019. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/manuais/cartilha-do-participante-2019. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos. Por um interacionismo sociodiscursivo. São Paulo: EDUC, 1999.

BRONCKART, J. P. Gêneros de textos, tipos de discursos e sequências. Por uma renovação do ensino da produção escrita. Letras, v. 20, n. 40, p. 163-176, jun. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/12150. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRONCKART, J. P.; DOLZ, J. La notion de compétence: quelle pertinence pour l´étude de l´apprentissage des actions langagières? Raisons éducatives, n. 2, p. 27-44, 1999.

CAMILO, E. J.; HERNÁN, G. F.; RODRIGUES, L. H. Curso preparatório para o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros Celpe-Bras. In: SIEPE, 2018, p. 412-416. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/187766328.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.

CASTRO, P. B. Produção escrita: encontros e desencontros entre os livros didáticos de português do Brasil para estrangeiros e o Exame Celpe-Bras. 2006. 131 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/textos-publicados/castro-pedrina-barros. Acesso em: 10 nov. 2020.

CESARINO, P. A bem da verdade histórica. Tentativas de reescrever a história exigem que se ilumine passado e presente. Folha de São Paulo, São Paulo: 7 abr. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/paula-cesarino-costa-ombudsman/2019/04/a-bem-da-verdade-historica.shtml. Acesso em: 10 nov. 2020.

CONRADO, R. S. Produção textual no ensino de Português Língua Estrangeira: paralelo entre o livro didático e o exame oficial de proficiência Celpe-Bras. 2013. 109 f. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/textos-publicados/conrado-rosana-salvini. Acesso em: 10 nov. 2020.

CRISTOVÃO, V. L. Sequências didáticas para o ensino de línguas. In: DIAS, R.; CRISTOVÃO, V. L. O livro didático de língua estrangeira. Múltiplas perspectivas. Campinas: Mercado de Letras, 2009, p. 305-344.

CRISTOVÃO, V. L.; STUTZ, L. Sequências didáticas: semelhanças e especificidades no contexto francófono como L1 e no contexto brasileiro como LE. In: SZUNDY, P. T. et al. (Orgs.). Linguística aplicada e sociedade. Ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. Campinas: Pontes, 2011, p. 17-39.

CRISTOVÃO, V. L.; BEATO-CANATO, A. P.; FERRARINI, M. A.; PETRECHE, C. R.; ANJOS-SANTOS, L. M. Uma proposta de planejamento de língua inglesa em torno dos gêneros textuais. Letras, v. 20, n. 40, p. 191-215, jun. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/12152. Acesso em: 10 nov. 2020.

DOLZ, J. Learning Argumentative Capacities. A study of the Effects of a Systematic and Intensive Teaching of Argumentative Discourse in 11-12 Year Old Children. Argumentation, v.10, p. 227-251, 1996. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/BF00180727. Acesso em: 10 nov. 2020.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 2004, p. 81-108.

DOLZ, J.; PASQUIER, A; BRONCKART, J-P. L´aquisition des discours: Emergence d´une competence ou apprentisage de capacities langagiéres diverses? Études de Linguistique Appliqueé, n. 92, oct/dec, p. 23-37, 1993. Disponível em: https://archive-ouverte.unige.ch/unige:37333. Acesso em: 10 nov. 2020.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita – Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 2004, p. 35-60.

DOLZ, J.; GAGNON, R.; DECÂNDIO, F. R. Uma disciplina emergente: a didática das línguas. Tradução por Fabrício Roberto Decândio. In: NASCIMENTO, E. L. (Org.). Gêneros textuais. Da didática das línguas aos objetos de ensino. Campinas: Pontes, 2019, p. 21-50.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B.; HALLER, S. O oral como texto: como construir um objeto de ensino. In: DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 2004, p. 125-155.

DUTRA, A. F.; PENNA, S. Celpe-Bras, confecção de material didático. In: SILID, 4, 2013, p. 1-15. Disponível em: DUTRA, A. F.; PENNA, S. Celpe-Bras, confecção de material didático. Acesso em: 10 nov. 2020.

HUBACK, A. P. O exame do Celpe-Bras e os materiais didáticos de português como língua estrangeira. Revista (Com)Textos Linguísticos, v. 6, n. 7, p. 31-46, 2012. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/textos-publicados/huback-ana-paula. Acesso em: 10 nov. 2020.

KOCH, I. G. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 2010.

KOCH, I. G. Argumentação e linguagem. São Paulo, Cortez, 2011.

MACHADO, A. R. A perspectiva interacionista sociodiscursiva de Bronckart. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.). Gêneros: teorias, métodos e debates. São Paulo: Parábola, 2005, p. 235-259.

MACHADO, A. R. A; CRISTOVÃO, V. L. Construção de modelos didáticos de gêneros: aportes e questionamentos para o ensino de gêneros. Linguagem em (Dis)curso, v. 6, n. 3, p. 547-573, 2006. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/349. Acesso em: 10 nov. 2020.

MAGALHÃES, T.; CRISTOVÃO, V. L. Sequências e projetos didáticos no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: uma leitura. Campinas: Pontes, 2018.

MOHR, D. Português para hispanofalantes no Celin: uma alternativa para o ensino de gêneros escritos. 2007. 102 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/25763/denise_final.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 10 nov. 2020.

NAGASAWA, E. Y. Leitura e produção de texto para preparação ao exame Celpe-Bras: relato de experiência docente no ensino de português como língua adicional. Revista Escrita, n. 21, p. 1-10, 2016. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/textos-publicados/nagasawa-2016. Acesso em: 10 nov. 2020.

NAGASAWA, E. Y. Português como língua adicional para fins específicos: preparação ao exame Celpe-Bras. 2018. 178 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/189525?locale-attribute=es. Acesso em: 10 nov. 2020.

NAGASAWA, E. Y. ; SCHOFFEN, J. R. Material didático com base na perspectiva dialógica da linguagem: uma proposta para preparação ao exame Celpe-Bras. Linguística, Estudo e Pesquisa, v. 21, n. 2, p. 151-166, 2017. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/lep/article/view/52314. Acesso em: 10 nov. 2020.

PIETRO, J-F.; SCHNEUWLY, B. O modelo didático: um conceito da engenharia didática. In: NASCIMENTO, E. L. (Org.). Gêneros textuais. Da didática das línguas aos objetos de ensino. Campinas: Pontes, 2019, p. 51-81.

RODRIGUES, R. A constituição e o funcionamento do gênero jornalístico artigo: cronotopo e dialogismo. 2001. 246 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/20277. Acesso em: 10 nov. 2020.

RODRIGUES, R. Os Gêneros do discurso na perspectiva dialógica da linguagem: a abordagem de Bakhtin. In: BONINI, A.; MEURER, J. L.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.) Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005, p. 152-183.

SALES, H. M. P. A produção escrita em turmas heterogêneas de português língua estrangeira: das tarefas ao exame Celpe-Bras. 2014. 205 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2014. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/textos-publicados/sales-hellen-margareth-pompeu-de.-2014. Acesso em: 10 nov. 2020.

SCHLATTER, M.; SCARAMUCCI, M. V. R., PRATI, S., ACUÑA, L. Celpe-Bras e Celu: impactos da construção de parâmetros comuns de avaliação de proficiência em português e em espanhol. In: FONTANA, M. Z. (org.) O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG Editora, 2009, p. 195-122.

SCHNEUWLY, B. Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontogenéticas. In: DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 2004, p. 19-34.

SCHOFFEN, J. R. Gêneros do discurso e parâmetros de avaliação de proficiência em português como língua estrangeira no exame Celpe-Bras. 2009. 192 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/16900. Acesso em: 10 nov. 2020.

SCHOFFEN, J. R. et al. Estudo descritivo das tarefas da parte escrita do exame Celpe-Bras. Edições de 1998 a 2017. Porto Alegre: Editora do Instituto de Letras – UFRGS, 2018.

SCHOFFEN, J. R.; SEGAT, G. L. O gênero carta/e-mail no exame Celpe-Bras: reflexões para a preparação de examinandos e para o ensino de português como língua adicional. ReVEL, v. 18, n. 35, p. 398-427, 2020. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/2f97008cb139aa001ba8d15a22c0d941.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.

SILVA, L. C. V.; CUNHA, M. C. Análise das produções textuais no exame Celpe-Bras: subsídios para uma avaliação formativa da escrita. Revista do GELNE, v. 19, n. 2, p. 114-129, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/gelne/article/download/12068/8654/. Acesso em: 10 nov. 2020.

SOARES, D. R. Elaborando um curso preparatório para o Celpe-Bras no campus virtual da UFLA. In: CIET-ENPED, 2018, p. 1-11. Disponível em: http://www.ufrgs.br/acervocelpebras/arquivos/textos-publicados/elaborando-um-curso-preparatorio-para-o-celpe-bras-no-campus-virtual-da-ufla. Acesso em: 10 nov. 2020.

SOUZA, E.; STUTZ, L. O (re)conhecimento da sócio-história nas capacidades de significação: conceitos necessários para operacionalização de linguagem e didatização de gêneros. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 58, n. 3, p. 1113-1133, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655603. Acesso em: 10 nov. 2020.

STUENKEL, O. Grupos que sustentam Maduro serão principal desafio a qualquer futuro governo na Venezuela. El País Brasil, São Paulo, 11 mar. 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/03/11/opinion/1552342672_852167.html. Acesso em: 10 de nov. de 2020.

YAN, Q. De práticas sociais a gêneros do discurso: uma proposta para o ensino de português para falantes de outras línguas. 2008. 130 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/15002. Acesso em: 10 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2021-10-13

Como Citar

DÍAZ, D.; QUEVEDO-CAMARGO, G. A construção de um modelo didático de gênero e a definição de capacidades de linguagem como facilitadores do ensino de artigo de opinião em um curso de preparação para o Exame Celpe-Bras. Revista Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 13, n. 3, p. 73–93, 2021. DOI: 10.46230/2674-8266-13-4345. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/4345. Acesso em: 20 out. 2021.