CAPOEIRA E ATO DE FALA MANDIGUEIRO: VEM JOGAR MAIS EU, MANO MEU

  • Gilson Soares Cordeiro UECE
Palavras-chave: Capoeira, Atos de Fala, Mandinga

Resumo

O presente artigo debate parte das considerações da tese Vem jogar mais eu, mano meu: cartografando a capoeira na cidade de Camocim como jogo de linguagem e resistência negra, defendida pelo autor no Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada/UECE em 2015. Nele, discutimos a ideia de raça e linguagem (GUIMARÃES, 2004), a capoeira como um Jogo de Linguagem (WITTGENSTEIN, 1979), além de tecer comentários acerca dos atos de fala (AUSTIN, 1990) e sua dimensão performativa nesse jogo a partir do método cartográfico de vivência/coleta de dados (DELEUZE; GUATTARI, 1995; PASSOS; KASTRUP; ESCÓSSIA, 2014). Considerando esse escopo teórico-metodológico, discutimos a regra mandinga e os atos de fala que instauram, a partir dessa regra, atos de fala mandingueiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUSTIN, John L. Quando dizer é fazer: palavras e ação. Tradução de Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.
CORDEIRO. Gilson Soares. Vem jogar mais eu, mano meu: cartografando a capoeira na cidade de Camocim como jogo de linguagem e resistência negra. 2015. 251 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2015.
DAMIÃO, Flávia de Jesus; CUNHA JÚNIOR, Henrique. Uma história a contar...literatura, história e educação de afrodescendentes à partir da obra “a casa daágua”. In: GOMES, Ana Beatriz Sousa; CUNHA JÚNIOR, Henrique (Orgs.). Educação e afrodescendência no Brasil. Fortaleza: UFC, 2008. (Coleção Diálogos Intempestivos).
DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. 34.ed., v. 1, p.94, Rio de Janeiro, 1995.
(Coleção TRANS).
FONTOURA, A. R. R.; GUIMARÃES, A. C. de A. História da capoeira. Rev. da Educação Física/ UEM, Maringá, v. 13, n. 2, p.141-150, 2. sem., 2002.
GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Intelectuais Negros e Formas de Integração Nacional. Revista Estudos Avançados, v.18 (50), p.271-284, 2004.
LIMA, Lucia Correia; FARIA, Lázaro. Mandinga em Manhattan. Documentário, DocTV. [S.l.]: Cultura Marcas, 2006.
MUNIZ, Kassandra. Linguagem e Identificação: performatividade, Negros(as) e asações afirmativas no Brasil. Rev. iel Unicamp Síntese, 2009a. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2015.
______. Linguagem e identificação: uma contribuição para o debate sobre asações afirmativas para o negro no Brasil. 2009b. 202 f. Tese (Doutorado emLinguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Instituto de Estudos daLinguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2009b.
______. Sobre política linguística ou política na linguística ou “professora, o problema da escola é a mistura de classes sociais”. In: CONGRESSOLUSO AFRO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS. DIVERSIDADE(S) E (DES)IGUALDADES, 11., 2011, Salvador. Anais... Salvador, 2011.
OLIVEIRA, Manfredo de Araújo. Reviravolta lingüístico-pragmática na filosofia contemporânea. 2.ed. São Paulo, Loyola, 2001.
PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, Liliana (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa e intervenção e produção da subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2014.
PEQUENO, Tarcísio. Pedras podem seguir regras? In: IMAGUIRE, Guido;MONTENEGRO, Maria Paula Aparecida; PEQUENO, Tarcísio (Orgs.). Colóquio Wittgenstein. Fortaleza: UFC, 2006.
RAJAGOPALAN, Kanavillil. Pós-modernidade e a política da identidade. In: ______. Políticas em linguagem: Perspectivas identitárias. [S.l.: s.n.], 2006.
SANTOS, Sales Augusto dos. De militantes negros a negros intelectuais. In: CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA, 6., 2008, Lisboa. Anais... Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2008. p. 2-13.
SOARES, Carolina. Às vezes me chama de negro. CD 1: Músicas de Capoeira, 2005. Disponível em: . Acessado em: 10 out. 2016.
SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.
______. Mestre Bimba: corpo de mandinga. Rio de Janeiro: Manati, 2002.
SILVA, Sammia. Protagonistas no Ensino da Capoeira no Ceará: relações entre lazer, aprendizagem e formação profissional. 2013. 129 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, 2013.
SOUZA, A. L. S. Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: hiphop. São Paulo: Parábola, 2011. (Série Estratégias de Ensino, 26).
TONINI, Renato Neves. A arte perniciosa: a repressão penal aos capoeiras na República Velha. Rio de Janeiro: Lumens Juris, 2008
VARGAS, Mestre Toni. Palma de terreiro. In: ÁLBUM SALVE OBALUAÊ. 1 CD. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2014.
VIDOR, Elisabeth; REIS, Leticia Vidor de Sousa. Capoeira: uma herança cultural afro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2013.
WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Tradução de José Carlos Bruini. São Paulo: Nova Cultural, 1979. (Os Pensadores).
Publicado
2019-09-20
Como Citar
CORDEIRO, G. CAPOEIRA E ATO DE FALA MANDIGUEIRO: VEM JOGAR MAIS EU, MANO MEU. Revista Linguagem em Foco, v. 8, n. 2, p. 41 - 54, 20 set. 2019.