LINGUAGENS, IDENTIDADES E GRUPOS AFROCULTURAIS DE MINAS GERAIS: A PROBLEMÁTICA DA NOMEAÇÃO

  • Maria Carolina da Silva Araújo UFOP
  • Kassandra Muniz UFOP
Palavras-chave: Branquidade, Identidade, Ato de fala, Trovão das Minas, Maracatu

Resumo

Este trabalho visa apresentar resultados obtidos no estudo de caso do Trovão das Minas, grupo musical de Belo Horizonte que estuda grupos tradicionais de cultura negra, principalmente o Maracatu Nação Estrela Brilhante do Recife - PE. Tivemos como objetivo estabelecer relações entre a linguagem e a identidade deste grupo, assumindo a hipótese de que seus processos de auto-nomeação estão relacionados com os processos de pertença, empoderamento ou rejeição da identidade cultural negra e sujeitas às discussões que permeiam o que é ser branco/a e negro/a em nosso país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUSTIN, J. Quando dizer é fazer: palavras e ação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.
BENTO, M. A. S. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, I.; BENTO, M. A. S. (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002, p.25-46.
CUTI. Quem tem medo da palavra negro. Revista Matriz, Porto Alegre, nov. 2010.
DUSCHATZKY, Silvia; SKLIAR, Carlos. O nome dos outros: narrando a alteridade na cultura e na educação. In: LARROSSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (Orgs.). Habitantes de Babel: políticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.
FRANKENBERG, Ruth. A miragem de uma branquidade não marcada. In: WARE, Vron (Org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004, p. 307-338.
GIDDENS, Anthony. Raça, etnicidade e migração. In: GIDDENS, Anthony. Sociologia. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. p.244-281.
HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Trad. de Adelaine La Guardiã Resende et al. Belo Horizonte: Ed. UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.
KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 1992.
MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In. BRANDÃO, André Augusto P. (Org.). Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2000, p.15-34.
MUNIZ, K. Linguagem e identificação: uma contribuição para o debate sobre ações afirmativas para negros no Brasil. 2009. 204f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem/ IEL, Universidade Estadual de Campinas, Campinas - SP, 2009.
OTTONI, Paulo. John Langshaw Austin e a visão performativa da linguagem. DELTA, v.18, n.1, p.117-143, 2002.
PIZA, Edith. Porta de vidro: entrada para a branquitude. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 59-90.
RAJAGOPALAN, Kanavillil. Pós-modernidade e a política de identidade. In: RAJAGOPALAN, Kanavillil; FERREIRA, Dina Maria Martins (Orgs.). Políticas em linguagem: perspectivas identitárias. São Paulo: Mackenzie, 2006. p.63-82.
SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. São Paulo: Annablume Editora, 2014.
SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000, p.73-102.
WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000, p.07-72.
Publicado
2019-09-20
Como Citar
ARAÚJO, M. C.; MUNIZ, K. LINGUAGENS, IDENTIDADES E GRUPOS AFROCULTURAIS DE MINAS GERAIS: A PROBLEMÁTICA DA NOMEAÇÃO. Revista Linguagem em Foco, v. 8, n. 2, p. 23 - 40, 20 set. 2019.