CARACTERIZAÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA OBRA “MACUNAÍMA” DE MÁRIO DE ANDRADE

Autores

  • José Vilian Mangueira UERN
  • Karine Maria Lima Lopes IFRN
  • Antônio Cleonildo da Silva Costa IFRN

Palavras-chave:

Identidade, Macunaíma, Heterogeneidade cultural

Resumo

Embora sejamos alvo da massificação, que define a identidade como condição biológica, somos formados por múltiplas identidades, produzidas em processos de transformação. Para consolidar-se como nacional, a literatura modernista subverteu a ideologia romântica sobre a “alma brasileira imutável”. Tematizando essa pluralidade étnica e cultural brasileira, Mário de Andrade em Macunaíma, publicada em 1928, cria um sujeito ambíguo, avesso, acumulado de baixezas e sem idealizações. Simbolicamente, “o herói sem nenhum caráter” sintetiza um “modo de ser brasileiro” – sem caráter definido e em metamorfose, concentrando em si virtudes e defeitos de um indivíduo multifacetado. Durante toda a narrativa, o protagonista percorre várias regiões do Brasil em busca da muiraquitã, pedra preciosa, única lembrança de seu amor Ci. Macunaíma vivencia aventuras na tentativa de recuperar o amuleto, mas o perde definitivamente. Finalmente, o herói se autodenomina uma estrela de brilho inútil. Com base nas leituras de Bernd (2003), Hall (2006), Proença (1987) e Bauman (2005), entre outras, objetivamos analisar a questão da identidade nacional na obra supracitada, sua construção enquanto entidade abstrata e a heterogeneidade cultural para evidenciar o resgate da cultura popular brasileira no que tange à representação das propostas estéticas e temáticas modernistas do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Mário. Macunaíma. São Paulo: Editora Klick, 1999, 175p.
ACHCAR, Francisco; ANDRADE, Fernando Teixeira de. Os livros da Fuvest III: Macunaíma e Libertinagem. São Paulo: Sol, 2001.
BERND, Zilá. Literatura e identidade nacional. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.___________. Literatura e identidade nacional. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1992
BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005. 110 p.
CANCLINI, Néstor Garcia. As Culturas Híbridas em Tempos de Globalização. In:. ______. Culturas Híbridas. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. 102p.
KOTHE, Flávio R. O Herói. 2. ed. São Paulo: Ática S.A, 1987. 92p.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Vira e mexe, nacionalismo: paradoxos do nacionalismo literário. São Paulo: Companhia das letras, 2007.
PROENÇA, Manuel Cavalcanti. Roteiro de Macunaíma. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.
PÁDUA, Vilani Maria. Mário de Andrade e a estética do bumba-meu-boi. 2010. Tese (pósgraduação) – Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: <http://zip.net/bnrXxP>. Acesso em: 31 jan. 2015.
STRAUSS, Claude Lévi. ‘identité. Paris: PUF, 1977.

Downloads

Publicado

2019-08-20

Como Citar

MANGUEIRA, J. V.; LOPES, K. M. L.; COSTA, A. C. da S. CARACTERIZAÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA OBRA “MACUNAÍMA” DE MÁRIO DE ANDRADE. Revista Linguagem em Foco, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 23–34, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/1551. Acesso em: 20 abr. 2021.