Gramsci e a educação do educador: a saída é gramsciana. Não é gramscista

Resumo

Este trabalho tem como objetivo principal acompanhar teoricamente a concepção de Antonio Gramsci relativa à autoeducação, enquanto um processo de autotransformação das classes subalternas. A metodologia é a análise crítica de artigos jornalísticos do jovem da Sardenha que remontam o período entre 1911 e 1920, além de sua obra carcerária e de importantes comentadores. Para tanto, compreender a relação entre educador e educando, questão essencial na construção da democracia operária e de uma nova forma de sociabilidade, nos leva a compreender um pouco do cenário brasileiro. Dessa maneira, o trabalho reflete a questão da autoeducação, do fascismo e da ideologia do gramscismo cultural, tendo como resultado principal a compreensão da necessidade de as classes subalternas construírem uma cultura própria, ligada ao trabalho, para emancipação popular. Portanto, a saída é gramsciana.

Biografia do Autor

Marília Gabriella Borges Machado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Mestranda em Ciências Sociais na Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília (UNESP-FFC).  É bacharel (2017) e Licenciada em Ciências Sociais (2018), com foco na área de Ciências Políticas e Econômicas, sendo vinculada ao Grupo de Pesquisa Política e Cultura do Mundo do Trabalho. E-mail: gabriella.borgesmachado@hotmail.com

Referências

CARVALHO, O. A nova era e a revolução cultural-Fritjof Capra e Antonio Gramsci. Vide: 2014.

_____________, O imbecil coletivo-atualidades inculturais brasileiras. Faculdade da Cidade Editora. Sétima Edição, 1999.

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

COUTINHO, Sérgio. A revolução gramscista no ocidente: a concepção revolucionária de Antonio Gramsci em os Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Estandarte, 2002.

COMMETTI, John. M. Antonio Gramsci e le origini del comunismo italiano. Milano: Mursia, 1974.

COSTA, I. Marxismo cultural, um fantasma que ronda a História. Outras Palavras, 2019.

DEL ROIO, Marcos. Os prismas de Gramsci: a fórmula política da Frente Única (1919-1926). São Paulo: Xamã, 2005.

_________, Gramsci e a emancipação do subalterno. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

DUBLA, Ferdinando.Gramsci e la fabbrica: produzione, tecnica e organizzazione del lavoro nel pensiero gramsciano (1913-1934). Manduria: Lacaita, 1986.

GRAMSCI, A. Scritti Politici: la guerra, la rivoluzione e i nuovi problemi del socialismo italiano (1916-1919). A cura di Paolo Spriano. Roma: Riuniti, 1973.

____________, L’Ordine Nuovo (1919-1920): Opere di Antonio Gramsci. Roma: Einaud, 1954.

____________, Quaderni del Carcere. Edizione Critica dell’Istituto Gramsci. A cura di Valentino Gerratana. Roma: IGS, 1977.

____________, Escritos Políticos (1921-1926). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

KONDER, L. Introdução ao fascismo. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

L’Ordine Nuovo: ressegna settimanale di cultura socialista. Anno 01, N.01, 1° de maggio, 1919.

MUSSOLINI, B. Scritti e Discorsi: dal 1932-1933. Ulrico Hoeppli Editore: Milano, 1977.

ROSA, Cristina. Pequenos Soldados do Fascismo: a educação militar durante o governo Mussolini. Antíteses. Londrina, vol. 2, n.4, p.621-648, jul./dez. de 2009.

SECCO, L. Gramscismo: uma ideologia da extrema-direita. Blog da Boitempo, 2019.

Publicado
2020-04-25
Como Citar
Machado, M. G. (2020). Gramsci e a educação do educador: a saída é gramsciana. Não é gramscista. Cadernos Do GPOSSHE On-Line, 3(2), 53-72. https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v3i2.2229
Seção
Antonio Gramsci