Reflexões sobre processos de constituição de pesquisa num mestrado em educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v7i2.11790

Palavras-chave:

Educação; Projeto de Pesquisa; Procedimentos Metodológicos.

Resumo

O texto analisa o processo de constituição de uma pesquisa de Mestrado em Educação e Ensino, em universidade pública estadual brasileira, por meio das contribuições de professores que, ao mediarem os componentes curriculares, no percurso das investigações dos discentes, contribuíram significativamente à compreensão do objeto de estudo. O objetivo deste artigo é refletir sobre os escritos iniciais do projeto de pesquisa, tomando-se por base as contribuições de cada disciplina cursada para direcionar teoricamente o projeto. Os dados apresentados estão guiados pelas leituras do projeto realizadas por professores, onde pudemos aperfeiçoá-lo com sugestões feitas por eles nos ricos encontros de debates em sala de aula, bem como no esclarecimento de questões abordadas. Na análise, é perceptível a importância dos olhares aguçados de professores que apontam os caminhos a serem explorados na pesquisa, propiciando maior consistência científica nos trabalhos em desenvolvimento, compreendendo e refletindo as particularidades apresentadas por cada estudante.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Willian Moraes Pinheiro , Universidade Estadual do Ceará

Mestrando pela Universidade Estadual do Ceará - UECE/Mestrado Acadêmico em Educação e Ensino – MAIE; Licenciado em Pedagogia pela FECLESC/UECE; Professor efetivo da Secretaria Municipal de Educação – SME/Fortaleza-CE.  

Ana Cristina de Moraes, Universidade Estadual do Ceará

Pós-Doutora em Educação. Professora Adjunta do Centro de Educação – CED – da Universidade Estadual do Ceará – UECE; Professora do Mestrado Acadêmico em Educação e Ensino – MAIE e do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE/UECE.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte. São Paulo: PERSPECTIVA, 2019.

BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. 7. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

BRASIL. Secretaria de educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais –

Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. São Paulo: Edipro, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

FREITAS, Luiz Carlos de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 160p. 2018.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Edição e tradução Carlos Nelson Coutinho; co-edição Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira, Vol. I, 2004.

HOOKS, Bell. Alisando o Nosso Cabelo. Revista Gazeta de Cuba – Unión de escritores y Artista de Cuba, janeiro-fevereiro de 2005. Tradução do espanhol: Lia Maria dos Santos.

JAPIASSU, Ricardo Ottoni Vaz. Metodologias do ensino de teatro. Campinas, SP. Papirus, 2001.

LONGAREZI, Andrea M.; SILVA, Jorge Luiz. “Pesquisa-formação: um olhar para sua constituição conceitual e política”. Revista Contrapontos. V. 13, nº. 03, p. 214-225. 2013.

LOVY, Michael. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Munchhausen: marxismo e positivismo na sociedade do conhecimento. São Paulo: Cortez, 2007.

LUCKESI. Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez, 2011.

MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MORAES, Ana Cristina. Peripécias do Saci, formação docente e aulas antropofágicas. Revista Interinstitucional Artes de Educar. Rio de Janeiro, V.8, N.1 - pág. 148-164 jan-maio de 2022: “Por uma pedagogia macunaímica”.

MORAES, A. Cristina; OLIVEIRA, G. T. Lima; RIBEIRO, L. T. Furtado. Saberes artísticos permeando a formação de pedagogos e seu Eco nas Escolas. Revista portuguesa de educação, v. 34, p. 151-166, 2021.

PEIXOTO, Fernando. O que é teatro? 5ª ed. Editora Brasiliense, vol. 10. 1988. (Primeiros passos).

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3 ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009. (Tradução de Álvaro Cabral e Cristiano Monteiro Oiticica).

PIMENTA, Selma Garrido. Professor-pesquisador: mitos e possibilidades. Contrapontos, v. 5, n. ja/abr. 2005, p. 9-22, 2005. Acesso em: 05 jul. 2023.

RUBIM, Antonio Albino Canelas. (2007) “Políticas culturais no Brasil: tristes tradições e enormes desafios”, em: RUBIM, Antonio Albino Canelas. BARBALHO, Alexandre (orgs.) Políticas Culturais no Brasil, Salvador, EDUFBA, 2007.

SACRISTÁN, José Gimeno. O que significa currículo? In: SACRISTÁN, José Gimeno (Org.). Saberes e incertezas sobre currículo. Porto Alegre: Penso, 2013, p. 16-35.

SANTOS, Deribaldo. Arte-educação, estética e formação humana. Maceió: Coletivo Veredas, 2020.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Crise e castigo: partidos e generais na política brasileira. São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais; Rio de Janeiro: Instituto Universitário do Rio de Janeiro, 1987.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

SPOLIN, Viola. Jogos teatrais na sala de aula. São Paulo: Perspectiva, 2008.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1998.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, set./dez. 2007. DOI: 10.1590/S0101-73302007000400002.

Downloads

Publicado

2023-11-17

Como Citar

MORAES PINHEIRO , W.; DE MORAES, A. C. Reflexões sobre processos de constituição de pesquisa num mestrado em educação . Cadernos do GPOSSHE On-line, [S. l.], v. 7, n. 2, 2023. DOI: 10.33241/cadernosdogposshe.v7i2.11790. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/CadernosdoGPOSSHE/article/view/11790. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos