Cidadania negra e protagonismo:

a subjetividade afrodescendente a partir do projeto EDUCAFRO

Autores

  • Victória Maria de Freitas Nunes Universidade Estadual da Paraíba https://orcid.org/0000-0001-6574-1860
  • Nilza Alessandra Cardoso Pereira Universidade Estadual da Paraíba
  • Cristina Miyuki Hashizume Universidade Estadual da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v7i2.11779

Palavras-chave:

Racismo; Colonialidade; Subjetividade; Franz Fanon; Saúde Mental.

Resumo

Neste trabalho problematizamos a formação da subjetividade afrodescendente a partir de pesquisa feita com coordenadores da ONG EDUCAFRO, reconhecida por sua efetividade em ações afirmativas. As análises foram referenciadas partindo das discussões de Franz Fanon. Objetivamos, especificamente, analisar a partir da obra de Fanon (2008), a formação da subjetividade afrodescendente a partir de relatos de coordenadores de três projetos da ONG EDUCAFRO, organização educacional comunitária. A partir da análise, apresentamos, numa perspectiva pós-colonial, três categorias temáticas agrupadas por núcleo semânticos, são elas: i) racismo estrutural e impactos na subjetividade intra e interpsíquica nas instituições; ii) resistência inter e intrasubjetivas: movimento emancipatório e decolonização e AfroCidadania; e iii) subjetividade: aspectos contextuais. Tais categorias permitem uma retomada da discussão de colonialidade para Franz Fanon, especificamente voltada a demandas psíquicas de jovens que vivem na cidade de São Paulo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Victória Maria de Freitas Nunes , Universidade Estadual da Paraíba

Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual da Paraíba. Pós-Graduanda em Neuropsicologia. Mestranda em Psicologia da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Saúde da Universidade Estadual da Paraíba.

Nilza Alessandra Cardoso Pereira , Universidade Estadual da Paraíba

Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Integrante do grupo de Pesquisa: Educação, Saúde e Direitos Humanos (UMESP-CNPq). Membro-associada da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP).

Cristina Miyuki Hashizume , Universidade Estadual da Paraíba

Doutora em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da USP. Coordenadora do Grupo de pesquisa Educação, Saúde e Direitos Humanos (CNPq). Professora do Programa de Pós Graduação em Formação de Professores - UEPB.

Referências

ASSIS, A. S. F.; FARIAS, K. S. C. S. Estudos raciais na educação escolar com enfoque na branquitude brasileira: das margens para o centro. Conjecturas, v. 21, n. 4, p. 284–301, 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução 510, de 07 de abril, 2016

CARVALHO, J. M. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. Editora Companhia das Letras, 1989.

CANDAU, V. M. et al. Educação em direitos humanos e formação de professores. São Paulo: Cortez, 2013.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO PARANÁ (CRP-PR). Caderno de psicologia e relações étnico-raciais: diálogos sobre o sofrimento psíquico causado pelo racismo. CRP-PR: Curitiba., 2016. 978-85-63012-14-2

COSTA, J. B. A prece de Frantz Fanon: Oh, meu corpo, faça sempre de mim um homem que questiona! Civitas - Revista Ciência Sociais, v. 16, ed. 3, 2016.

COSTA, P. H. A.; MENDES, K. T. Colonização, Guerra e Saúde Mental: Fanon, Martín-Baró e as Implicações para a Psicologia Brasileira. Psicologia: Teoria e Pesquisa [online], v. 36, 2020.

ROCHA, G. S. Antirracismo, negritude e universalismo em Pele negra, máscaras brancas de Frantz Fanon. Sankofa (São Paulo), v. 8, n. 15, p. 110-119, 2015.

DOURADO, A. L. F.; ARAÚJO, L. I. L.; MORI, V. D. Reflexões sobre o que é o “ser preto”: os desafios e dilemas do reconhecimento de uma identificação racial num país miscigenado. Programa de Iniciação Científica-PIC/UniCEUB-Relatórios de Pesquisa, 2020.

FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Trad. de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FANON, F. Em defesa da revolução africana. Lisboa: Sá da Costa, 1969.

FANON, F. Racismo e cultura. In: Em defesa da revolução africana. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1980.

FERNANDES, V. B.; SOUZA, M. C. C. C. Identidade Negra entre exclusão e liberdade. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, p. 103-120, 2016.

FERREIRA, R. L.; SOUSA, F. S. “E se fosse ao contrário?” Djonga e Fanon: um diálogo sobre racismo e alienação. Revista Trilhas da História, v. 10, n. 19, p. 51-67, 2020.

GROSFOGUEL, R. La descolonización del conocimiento: diálogo crítico entre la vision descolonial de Frantz Fanon y la sociologia descolonial de Boaventura de Sousa Santos. In: Formas-Otras: saber, nombrar, narrar, hacer. Barcelona: CIDOB Edicions, 2011. p. 97-108.

LEWANDOWSKI, R. Íntegra do voto do ministro Ricardo Lewandoski na ADPF

sobre cotas. Brasília, DF: STF, 2012.

MOCELIN, C. E.; GROSSI, P. K. Protagonismo negro, educação antirracismo e os quilombolas urbanos como “outros sujeitos”: uma problematização necessária. Revista Em Pauta: teoria social e realidade contemporânea, v. 18, n. 46, 2020.

SALVADOR, A. C. O papel protagonista do Pré-Vestibular para Negros e Carentes (PVNC) nas políticas afirmativas–a experiência da educação superior brasileira. Revista Em Pauta: teoria social e realidade contemporânea, v. 18, n. 45, 2020.

VIGOTSKY, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKY, L. S. et al. Psicologia e Pedagogia I: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. 2. ed. Lisboa: Estampa, 1991.

VIGOTSKY, L. S. Obras escogidas. Tomo I. Madrid: Aprendizaje Visor, v.3, p.11-340, 1995.

VITORIO, R. B. S. Raça, corpo e existência: uma leitura pós-colonial em Fanon. Revista de Filosofia, Salvador, v.1, n.2, 2020.

Downloads

Publicado

2023-11-17

Como Citar

DE FREITAS NUNES , V. M.; CARDOSO PEREIRA , N. A.; MIYUKI HASHIZUME , C. Cidadania negra e protagonismo: : a subjetividade afrodescendente a partir do projeto EDUCAFRO. Cadernos do GPOSSHE On-line, [S. l.], v. 7, n. 2, 2023. DOI: 10.33241/cadernosdogposshe.v7i2.11779. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/CadernosdoGPOSSHE/article/view/11779. Acesso em: 16 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos