História e memória do Congo

contribuições da educação não formal

Autores

  • Juliana Casotto Pirchiner Prefeitura Municipal de Cariacica
  • Paulo Cesar da Silva Passamai Prefeitura Municipal de Cariacica
  • Eduardo Augusto Moscon Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v4iUnico.6733

Resumo

Este artigo discute as contribuições da história e memória no processo de educação não formal, por meio da manifestação cultural do Congo do Espírito Santo, patrimônio cultural imaterial. A memória é elemento constituinte do sentimento de identidade, tanto individual ou coletiva, sendo este fator determinante no pertencimento de uma pessoa ou de um grupo. As festas de Congo enquanto patrimônio imaterial promovem a identidade dos integrantes e fortalece as relações sociais em que compartilham valores e trocas simbólicas, adquirindo significados individuais e se unem coletivamente, resolvendo por meio dos festejos num plano simbólico as contradições da vida social aparentemente inconciliável no plano político. O Congo é um espaço de resistência, rico, que abre possibilidades de uma educação voltada para a preservação, conservação e valorização cultural reconhecendo a produção de conhecimento existente neste espaço e de divulgação do conhecimento histórico produzido nestes grupos e comunidades.

Biografia do Autor

Paulo Cesar da Silva Passamai, Prefeitura Municipal de Cariacica

Mestre em Educação em Ciências e Matemática (EDUCIMAT/IFES). Professor de história e Pedagogo na educação básica pela rede municipal de Cariacica-ES.

Eduardo Augusto Moscon Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Centro de Educação, Departamento de Educação Política e Sociedade. Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2006). Mestre em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (1997).

Referências

ANJOS, José Luiz dos. Festa, danças e representações: continuidade de tradições e plasticidades culturais. Revista Movimento. Porto Alegre, v. 19, n. 03, p. 11-30, jul/set de 2013.

ANJOS, Jose Luiz dos Anjos; TAVARES, Otávio.; SANETO, Juliana Guimarães. Bandas de congo e política oficial: Cenários de tradições e transformações estéticas corporais. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v. 35, n. 4, p. 897-911, out./dez. 2013

BRAVIN, Adriana. Congopop: mídia, música e identidade capixaba. Vitória: Ed. Do autor, 2008. 154 p.

CAPAI, Humberto. (Coord.) Atlas do Folclore Capixaba. Espírito Santo; Sebrae/ES; 2009.

CAZETTA, Valéria.; GURUDI, Verônica. Alfabetização científica e cartográfica no ensino de ciências e geografia: polissemia do termo, processos de enculturação e suas implicações para o ensino. Revista de Estudos Culturais. USP: São Paulo n. 1 (2014) ISSN: 2446-7693. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/revistaec/article/view/98376/97111>. Acesso: 15 jan. 2021.

COSTA, Michel Dal Col. As bandas de congo mirins: ensino popular e vivência de cultura afro-brasileira na Serra (ES). Revista História. Hoje, v. 1, nº 1, p. 157-178 – 2012.

CHASSOT, Attico. Alfabetização Científica: Uma Possibilidade para a Inclusão Social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 22, p.89-100, jan/fev/mar/abr. 2003.

GOHN, Maria da Gloria. Educação não formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011. (Coleção questões da nossa época, v.1).

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. In: GIL, A. C. Delineamento da pesquisa. São Paulo: Atlas, 1994, p. 49-59.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.22, n.2, p.15-46, jul/dez. 1997.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Edições Vértice, 1990.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: Um conceito antropológico. 14ª ed. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2001.

LE GOFF, J. Memória. In: História e Memória. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 1990.p.423-483.

LINS, Jaceguay. O congo no Espírito Santo: uma panorâmica musicológica das bandas de congo. Vitória: [s.n.], 2009. 115 p.

MARANDINO, Martha et al. A educação não formal e a divulgação científica: o que pensa quem faz? In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, 5, 2004, Bauru. Atas do IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – ENPEC, 2004, Bauru/SP. Disponível em: <http://paje.fe.usp.br/estrutura/geenf/textos/oquepensa_trabcongresso5.pdf>. Acesso em 15 Jan. 2021.

PIRCHINER, Juliana Casotto . Banda de congo Piabas / Irundi do Espírito Santo: educação, ciência e cultura. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Instituto Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática, Vitória, 2018.

SANTOS, Boaventura de Souza. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal. 1989.

SANTOS, Jose Elias Rosa. Processos Organizativos, memória e identidade: etnografia e história da transmissão cultural do congo em uma comunidade afro-brasileira do município de Cariacica (ES). 2013. 213f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Ciências Sociais UFES). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Universidade Federal do Espírito Santo.

THOMPSON, Paul. História oral: a voz do passado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. 388 p.

Downloads

Publicado

2021-09-02

Como Citar

Casotto Pirchiner, J., da Silva Passamai, P. C. ., & Moscon Oliveira, E. A. . (2021). História e memória do Congo: contribuições da educação não formal. Cadernos Do GPOSSHE On-Line, 4(Unico). https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v4iUnico.6733

Edição

Seção

Demanda Contínua