FUNDAMENTOS TEÓRICO-FILOSÓFICOS E SUAS DETERMINAÇÕES NAS TEORIAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR

Resumo

Realçando a relação existente entre filosofia e educação, o texto de natureza teórico-conceitual pretendeu abordar os principais fundamentos teórico-filosóficos os quais carregam determinações para o trabalho educativo na educação escolar. Para dar cabo a tal desenvolvimento, realizou-se um primeiro procedimento analítico-expositivo dos traços essenciais das ideias de alguns dos filósofos clássicos da modernidade para, subsequentemente, apresentar suas expressões na educação escolar, a partir de um procedimento de síntese considerando os seguintes critérios: relação sujeito-objeto; concepção de conhecimento; formulação do conhecimento; percurso lógico adotado; primados; expressões pedagógicas e eixos no processo educativo. Com os resultados apresentados, espera-se ter uma efetiva contribuição em termos de reflexão filosófica que se impõe como fundamento nuclear do trabalho pedagógico.

Biografia do Autor

Lígia Márcia Martins, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Livre Docente em Psicologia da Educação, professora do Programa da Pós-graduação em Educação Escolar da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP/Araraquara. Grupo de Estudos Marxistas em Educação.

Tiago Nicola Lavoura, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Pós-doutor em Educação e Psicologia (Universidade de Aveiro, Portugal) e em Educação Escolar (UNESP/Araraquara), professor titular da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Formação Humana e Educação Física (GEPEFEF).

Referências

ANDERY, M. A. et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 8. ed. São Paulo: EDUC, 1999.
CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2000.
COMTE, A. Vida e obra. Coleção Os pensadores. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
DESCARTES, R. Discurso sobre o método. São Paulo: Hemus Editora, 1978.
DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2000.
LUKÁCS, G. O jovem Hegel e os problemas da sociedade capitalista. São Paulo: Boitempo, 2018.
MARTINS, J. Psicologia da Cognição: como fazer fenomenologia. In: MARTINS, J.; DICHTCHEKENIAN, M. J. B. (Orgs.). Temas Fundamentais de Fenomenologia. São Paulo: Moraes, 1984.
MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboço da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: EDUFRJ, 2011.
MARX, K. O capital: crítica da economia política – o processo de produção do capital. Livro 1, v. 1, 26. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.
MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.
NOVELLI, P. A. A crítica de Hegel ao conceito de lei em Kant. Revista Eletrônica Estudos Hegelianos, ano 5, n. 9, p. 101-116, dezembro de 2008. Disponível em: . Acesso em 20/09/2016.
PENHA, J. O que é existencialismo. Coleção primeiros passos. São Paulo: Brasiliense, 1996.
RICOEUR, P. Fenomenologia e existência: uma leitura de Merleau-Ponty. In: MARTINS, J. e DICHTCHEKENIAN, M. J. B. (Orgs.). Temas fundamentais de fenomenologia. São Paulo: Moraes, 1984.
RUSSELL, B. Obras filosóficas. História da filosofia ocidental. Livro terceiro. São Paulo: Nova Fronteira, 1979a.
RUSSELL, B. Obras filosóficas. História da filosofia ocidental. Livro quarto. São Paulo: Nova Fronteira, 1979b.
SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. Campinas: Autores Associados, 2009.
SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, Autores Associados: 2007.
SEVERINO, A. J. A filosofia contemporânea no Brasil: conhecimento, política e educação. Petrópolis: Vozes, 1999.
Publicado
2019-10-03
Como Citar
Martins, L., & Lavoura, T. (2019). FUNDAMENTOS TEÓRICO-FILOSÓFICOS E SUAS DETERMINAÇÕES NAS TEORIAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR. Cadernos Do GPOSSHE On-Line, 2(Especial), 1-20. https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v2iEspecial.1986
Seção
A ciência diante do obscurantismo