O avanço conservador na legislação brasileira e seus impactos na educação

Resumo

Sob a luz do materialismo histórico e dialético, o presente texto analisa os impactos do conservadorismo em ascensão no Brasil em propostas e aprovações de alteração da legislação educacional brasileira. Para tanto, a partir de pesquisa bibliográfica e documental, este artigo apresenta algumas características do conservadorismo que fundamenta as ações sociais e políticas no Brasil; discute ações, projetos e leis de cunho conservador que pretendem alterar ou alteram a organização da oferta educacional no país. Por fim, aponta que o avanço conservador, evidenciado em propostas e aprovações de alteração da legislação, limita a formação dos estudantes e o trabalho dos professores, fatos que colaboram para uma sociedade desigual, preconceituosa e subserviente aos interesses dominantes.

Biografia do Autor

Simone de Fátima Flach, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Doutora em Educação. Docente do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG.

Karen Cristina Jensen Ruppel da Silva, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Mestre e Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG.

Referências

BURKE, E. Reflexões sobre a revolução na França. Tradução José Miguel Nanni Soares. São Paulo: Edipro, 2014.
CASIMIRO, F. H. C. As classes dominantes e a nova direita no Brasil contemporâneo. In: GALLEGO, E. S. O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018. p. 41 - 45.
COMTE, A. Curso de filosofia positiva. São Paulo: Nova Cultural, 2000.
DURKHEIM, E. Educação e Sociedade. Petrópolis: Vozes, 2011.
ESCORSIN NETTO, L. O conservadorismo clássico: elementos de caracterização e crítica. São Paulo: Cortez, 2011.
FRESU, G. Nas trincheiras do ocidente: lições sobre fascismo e antifascismo. Ponta Grossa; UEPG, 2017.
GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. v. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. p
GRAMSCI, A. Antes de tudo, precisamos ser livres. GRAMSCI, A. Escritos Políticos. v. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. p. 211- 213.
GRAMSCI, A. Três Princípios, Três Ordens. In: GRAMSCI, A. Escritos Políticos. v. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. p. 76 - 84.
KONDER, L. Introdução ao fascismo. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2009.
MARX, K. Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2010.
MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro 1. 19 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.
MIGUEL, L. F. A reemergência da direita brasileira. In: GALLEGO, E. S. O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018. p. 17 – 26.
TOCQUEVILLE, A. de. A democracia na América. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2010.
ZAMBELLI, C. Não foi golpe: os bastidores da luta nas ruas pelo impeachment de Dilma. Rio de Janeiro, LVM, 2018.
Publicado
2019-08-14
Como Citar
Flach, S., & da Silva, K. (2019). O avanço conservador na legislação brasileira e seus impactos na educação. Cadernos Do GPOSSHE On-Line, 2(1), 64-83. https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v2i1.1522
Seção
Crise da educação em tempos de neoconservadorismo