György Lukács e os limites da democratização do socialismo soviético

  • Claudinei Cássio de Rezende Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Resumo

György Lukács, diante da possibilidade de influenciar positivamente nos rumos da democratização do socialismo real, especialmente da União Soviética, nos anos 1960, interrompe seus escritos da Ontologia e redige um ensaio sobre a democratização, que levou o nome de Demokratiesierungschrift [Escrito sobre a democratização], e que foi submetido ao Partido Comunista Húngaro com sua consequente censura e indeferimento para publicação. Não obstante a crítica lukácsiana ao socialismo realmente existente e sua evocação a uma virtual democracia socialista, sua posição em relação à transição socialista no Leste Europeu é demasiada branda e desconsidera a factual não ultrapassagem do modo de produção do capital nas sociedades de transição pós-capitalistas.

Biografia do Autor

Claudinei Cássio de Rezende, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor em ciências sociais. Professor de História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Referências

BERMAN, Marshall. Aventuras no Marxismo. Tradução de Sonia Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
CHASIN, José. Marx: da razão do mundo ao mundo sem razão. In ______. Marx Hoje. 2ª ed. São Paulo: Ensaio, 1988.
______. Marx: Estatuto Ontológico e Resolução Metodológica. São Paulo: Boitempo, 2009.
COUTINHO, Carlos Nelson. A democracia como valor universal. Encontros com a Civilização Brasileira, p. 33-47, nº 9, março de 1979.
CRANKSHAW, Edward. Khrouchtchov Souvernirs. Traduction du russo de Strobe Talbott. Paris: Éditions Robert Laffont, 1971.
DEUTSCHER, Isaac. A revolução inacabada. Rússia 1917-1967. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro, 1968.
LENIN, V. I. Karl Marx. In: Obras escolhidas, t.1. São Paulo, Alfa-Omega, 1986.
LÖWY, Michael. A evolução política de Lukács: 1909-1929. São Paulo: Editora Cortez, 1998.
LUKÁCS, György. Carta sobre o stalinismo. In Temas de Ciências Humanas. vol. 1. São Paulo: Temas, 1977.
______. Pensamento vivido. Autobiografia em diálogo. Tradução Cristina Alberta Franco. São Paulo/Viçosa, Estudos e Edições Ad Hominem/Editora UFV, 1999.
______. História e Consciência de Classe: Estudos sobre a Dialética Marxista. Tradução de Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
______. Socialismo e Democratização. Trad. de Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.
______. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. Tradução de Lya Luft e Rodnei Nascimento. São Paulo: Boitempo, 2010.
______. Para uma Ontologia do Ser Social I. Trad. de Carlos Nelson Coutinho, Mario Duayer e Nélio Schneider. Revisão de Ronaldo Vielmi Fortes e Ester Vaisman. São Paulo: Boitempo, 2012.
_____. Lenin. Um estudo sobre a unidade de seu pensamento. Trad. Rubens Enderle. Revisão de Miguel Vedda. São Paulo: Boitempo, 2012 b.
______. Para uma Ontologia do Ser Social II. Trad. de Nélio Schneider, Ronaldo Vielmi Fortes. Revisão de Ronaldo Vielmi Fortes e Elcemir Paço Cunha. Prefácio de Guido Oldrini. São Paulo: Boitempo, 2013.
MANDEL, Ernest. Marx e Engels: a produção de mercadorias e a burocracia – bases teóricas para a compreensão marxista da União Soviética. In Ensaio 14. São Paulo, Editora Ensaio, 1985.
MÉSZÁROS, István. Poder político e dissidência nas sociedades pós-revolucionárias. In Ensaio 14. São Paulo: Editora Ensaio, 1985.
______. Para além do capital. Tradução de Paulo César Castanheira e Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2002.
______. O Conceito de Dialética em Lukács. Tradução de Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2013.
SERGE, Victor. O ano I da Revolução Russa. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. São Paulo: Editora Ensaio, 1993.
TERTULIAN, Nicolas. Metamorfoses da Filosofia Marxista: a propósito de um texto inédito de Lukács. In Crítica Marxista 13. São Paulo: Boitempo, 1991.
______.O Grande Projeto da Ética. Ensaios Ad Hominem, Tomo I – Marxismo. Santo André: Ad Hominem, 1999.
______. “Lukács e o stalinismo” in Verinotio nº 7, ano IV novembro de 2007.
______. Georg Lukács: Etapas de seu Pensamento Estético. São Paulo: Editora Unesp, 2008.
______. Posfácio. In Lukács, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. Tradução de Lya Luft e Rodnei Nascimento. São Paulo: Boitempo, 2010.
Publicado
2018-10-11
Como Citar
Rezende, C. (2018). György Lukács e os limites da democratização do socialismo soviético. Cadernos Do GPOSSHE On-Line, 1(1), 49-92. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/CadernosdoGPOSSHE/article/view/521
Seção
Dossiê: Lukács