A categoria da particularidade como mediação para a produção do conhecimento

contribuições de György Lukács

  • Gisele Masson Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Resumo

O artigo tem como objetivo apresentar as análises de György Lukács sobre a categoria da particularidade, na sua relação dialética com a universalidade e a singularidade. Trata-se de resultado de estudo teórico acerca da obra do autor, o qual visa explicitar as contribuições da teoria marxista na superação de perspectivas analíticas que supervalorizam ou subestimam a singularidade e a universalidade, assim como daquelas que realizam reducionismos mecanicistas, por desconsiderarem as complexas mediações dialéticas. A busca por suplantar, tanto as generalizações teóricas abstratas, quanto as simplificações, na produção do conhecimento, encontra, na teoria da objetividade do autor húngaro, a ampliação dos fundamentos marxianos sobre a unidade contraditória entre fenômeno e essência. O tertium datur lukacsiano entre a totalidade abstrata e a imediaticidade fragmentada contribui para destacar a necessária apreensão dialética das mediações complexas para a adequada direção da ação humana. O esforço do autor é direcionado para a superação da fetichização empirista, que apaga as contradições mais profundas do ser-propriamente-assim e seu vínculo com as legalidades fundamentais, assim como a fetichização da razão. Nesse sentido, a singularidade, a particularidade e a universalidade são entendidas como categorias lógicas que possuem uma gênese ontológica, por isso, tanto a teoria científica, quanto a teoria estética têm o mesmo referente objetivo, representando, ao mesmo tempo, uma relação de unidade e distinção.

Biografia do Autor

Gisele Masson, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Professora da Universidade Estadual de Ponta Grossa(UEPG).

Referências

HEGEL, G. W. F. Ciência da Lógica: 2. A doutrina da essência. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2017.

KANT, I. Crítica da faculdade de julgar. São Paulo: Ícone, 2009.

LUKÁCS, G. La categoría de la particularidad. In: ______. Estética: La peculiaridad de lo estético. Barcelona; México: Grijalbo, 1967. 3 v. p. 199- 275.

______. Introdução a uma estética marxista: sobre a categoria da particularidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

______. Pensamento vivido: autobiografia em diálogo – Entrevista a István Eörsi e Ersébet Vezér. São Paulo: Estudos e Edições Ad Hominem; Viçosa, MG: UFV, 1999.

______. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, 2010.

______. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

______. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da novíssima filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MÉSZÁROS, I. O conceito de dialética em Lukács. São Paulo: Boitempo, 2013.

OLDRINI, G. György Lukács e os problemas do marxismo do século 20. Maceió: Coletivo Veredas, 2017.

NETTO, J. P. Apresentação. In: LUKÁCS, G. Para um ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

TERTULIAN, N. Georg Lukács: etapas de seu pensamento estético. São Paulo: Unesp, 2008.
Publicado
2018-10-07
Como Citar
Masson, G. (2018). A categoria da particularidade como mediação para a produção do conhecimento. Cadernos Do GPOSSHE On-Line, 1(1), 29-48. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/CadernosdoGPOSSHE/article/view/487
Seção
Dossiê: Lukács