Intelectuais, partido político e práxis revolucionária no pensamento de Antonio Gramsci – um estudo a partir de A questão meridional

Resumo

Gramsci produziu um conjunto volumoso de textos, publicados em jornais e revistas operários, acumulados até 1926. Se atentarmos para esse material verificaremos o foco sobre temas da atualidade política vivenciada por Gramsci, atravessada pelo combate ao fascismo, por sua perspectiva crítica em relação ao partido, por sua leitura própria do marxismo e da revolução em seu país. O enfoque sobre esses escritos pode nos ajudar a compreender a origem do seu pensamento, seu desenvolvimento em seus vínculos com as lutas políticas concretas, seus elementos constituintes, a perenidade de alguns temas por toda a sua obra. Como é o caso do papel dos intelectuais e do partido político. Possivelmente, esses temas constituem desde sua mais jovem perspectiva política as duas bases sobre as quais Gramsci desenvolve ao longo do escopo de seu pensamento a questão da hegemonia do proletariado. O objetivo do presente trabalho é analisar como esses temas são apresentados no célebre ensaio A questão meridional. Trata-se de colocar em destaque o tema dos intelectuais relacionando-o a noção de práxis e a concepção de partido político, considerando que suas formulações refletem também a necessidade de empreender uma acurada análise das lutas de classes que historicamente se desenvolviam na Itália. 

 

Biografia do Autor

Leandro Cabral de Almeida, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA-UFRRJ)

Doutorando e Mestre em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Pensamento Social e Cultura Política do (CPDA/UFRRJ). Professor de História na Rede de Educação do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC-RJ). E-mail: leandrocabral@id.uff.br

Referências

BARATTA, Giorgio. Antonio Gramsci em contraponto: diálogos com o presente. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.

BEIRED, José Luis Bendicho. A função social dos intelectuais. In: AGGIO, Alberto (org.). Gramsci: a vitalidade de um pensamento. São Paulo: Fundação Ed. UNESP, 1998.

CARNOY, Martin. Estado e teoria política. Campinas, SP: Papirus, 1988.

CERRONI, Umberto. Teoria do partido político. Editora Riuniti: Roma, 1982.

CHÂTELET, François. História das ideias políticas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

ENGELS, Friedrich. Prefácio à edição alemã de 1890. In. In. MARX, Karl. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

FONTES, Virginia. O manifesto comunista e o pensamento histórico. In. REIS, Daniel Aarão (org.). O manifesto comunista 150 anos depois. Rio de Janeiro: Contraponto, 1998.

FROSINI, Fábio. Unidade de teoria-prática. In: LIGUORI, Guido & VOZA, Pasquale. Dicionário Gramsciano (1926-1937). São Paulo: Ed. Boitempo, 2017.

___________. La “filosofia della práxis” nei Quaderni del Carcere di Antonio Gramsci. Isonomia – Rivista di filosofia, 2002.

GIDDENS, Anthonny. Capitalismo e moderna teoria social. Lisboa: Ed. Presença, 2005.

GRAMSCI, Antonio. __________. A questão meridional: 1926. In: Escritos Políticos, v.2. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2004.

__________. Apontamentos para uma introdução e ao encaminhamento ao estudo da filosofia e da história da cultura. In: COUTINHO, Carlos. NOGUEIRA, Marco Aurélio e HENRIQUES, Luis Sérgio (org.). Cadernos do Cárcere, v. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

___________. Às margens da história. (História dos grupos sociais subalternos). In: COUTINHO, Carlos. NOGUEIRA, Marco Aurélio e HENRIQUES, Luis Sérgio (org.). Cadernos do Cárcere, v. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GRUPPI, Luciano. O conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978.

IANNI, Octavio. Introdução. In: IANNI, Octavio (org.) Marx. São Paulo: Ática, 1982.

KAYE, Harvey. Los historiadores marxistas britânicos: um analisis introductorio. Universidad de Zaragoza: Prensas universitárias, 1989.

MARX, Karl. Introdução à Crítica da filosofia do direito de Hegel. In. MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2010.

___________. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2010a.

__________. Prefácio de Contribuição à crítica da economia política. In: IANNI, Octavio (org.). Marx. São Paulo: Ática, 1982a.

__________. Carta a P. V. Annenkov (1846). In: IANNI, Octavio (org.) Marx. São Paulo: Ática, 1982b.

__________. A ideologia alemã. São Paulo: Editora Hucitec, 1986.

MORAES, Denis. Antonio Gramsci y el periodismo. Revista Pueblos, (23-06-2014), Bilbao, 2014.

NETTO, José Paulo. Introdução. In: O desenvolvimento do capitalismo na Rússia – o processo de formação do mercado interno para a grande indústria. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

QUINTANEIRO, Tania. Um toque de clássicos: Durkheim, Marx e Weber. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

SÁNCHEZ VÁSQUEZ, Adolfo. Filosofia da práxis – 2ª Ed. – Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales – Clacso: São Paulo: Expressão Popular, Brasil, 2011.

SELL, Carlos Eduardo. Sociologia clássica: Marx, Durkheim e Weber. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2009.

SEMERARO, Giovanni. Gramsci e os novos embates da filosofia da práxis. São Paulo: Ideias e Letras, 2006.

SIMIONATTO, Ivete. Classes subalternas, lutas de classes e hegemonia: uma abordagem gramsciana. In: Revista Katál. Florianópolis, v. 12, n.1, 2009.

VACCA, Giuseppe. Modernidades Alternativas: o século XX de Gramsci. Brasília: Fundação Astrogildo Pereira; Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.

__________ . Vida e pensamento de Antonio Gramsci : 1926-1937. Brasília: Fundação Astrogildo Pereira; Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

VIEIRA, OLIVEIRA. Thompson e Gramsci: história, política e processo de formação. Educ. Soc. , Campinas, v. 31, n. 111, abril-jun. 2010.

Publicado
2020-04-25
Como Citar
de Almeida, L. (2020). Intelectuais, partido político e práxis revolucionária no pensamento de Antonio Gramsci – um estudo a partir de A questão meridional. Cadernos Do GPOSSHE On-Line, 3(2), 31-52. https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v3i2.2230
Seção
Antonio Gramsci