Percepção de estudantes de Ciências Biológicas sobre as atividades complementares

Autores

  • Alicia Costa Pereira Universidade estadual do Ceará
  • Laura Helena Pinto de Castro UECE
  • Lydia Dayanne Maia Pantoja UECE
  • Ivo Batista Conde UECE

Palavras-chave:

atividades complementares, biologia, graduação

Resumo

As atividades complementares são formas de aperfeiçoar a formação dos alunos através da realização de cursos, estágios, intercâmbios dentre outras atividades. Assim realizou-se uma pesquisa com graduandos do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas a distância objetivando compreender a percepção destes sobre a participação em atividades complementares durante a graduação. Trata-se de uma pesquisa exploratória descritiva, de abordagem quanti-qualitativa, cuja coleta de dados se deu por meio de uma entrevista estruturada, realizada pelo Google Meet®, onde participaram doze alunos. Os resultados mostram que eles sabem o que são atividades complementares, entendendo-as como algo positivo para sua formação, destacando como motivações para realizá-las a busca pelo aprendizado e pela certificação que pode enriquecer o currículo. Apesar das dificuldades apontadas, relataram benefícios na realização dessas atividades complementares e a maioria acha que a universidade divulga e incentiva a participação de todos. Conclui-se que os alunos percebem a importância dessas atividades, tanto para a sua formação pessoal quanto profissional.

 

Referências

BARDAGI, M.P.; HUTZ, C. S. Rotina acadêmica e relação com colegas e professores: Impacto na evasão universitária. 2012. Psico, 43(2), 174-184. Disponível em: <https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/7870> Acesso em: 18 set.2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011, 229p.

BOCK.M.; KOSLOWSKI.D.; A Importância do intercambio acadêmico para a formação do profissional no jornalismo. Salão do conhecimento. 5 p. 2017.

BUSSOLOTTI. J.; OLIVEIRA. M.; PIRIS. R.; VEIGAS. S.; A importância das atividades complementares no processo de aprendizado: percepção dos alunos de cursos de educação a distância na universidade de Taubaté. Taubaté/SP Abril. 8 p, 2016.

CERVO, Amado. Luiz.; BERVIAN, Pedro. A.; SILVA, Roberto. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007

FERREIRA, L. O estágio é importante para a carreira profissional. Disponível e;<https://administradores.com.br/producao-academica/o-estagio-e-importante-para-a-carreira-profissional> Acesso em 23 set.2020.

FRIEDLANDER. M. R.; GUTIERREZ. M. G. R.; NODA. M.; Critérios para a seleção de candidatos ao curso de doutorado. Rev. Latino Am. Enf. - Ribeirão Preto - v. 4 - n. 2 - p. 207-214 - julho 1996. 8 p.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. Editora Atlas, 6ª. Edição. São Paulo, 2008.

MINAYO, M.C.S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007. 406 p.

PAZ.J.; A importância da organização de eventos acadêmicos na formação do biólogo: a iniciativa do biodivergente. Uberlândia, v. 13, n. 1, p. 51-60, jan. / jun. 2014. 10 p. 3.

SANTOS, L. T. M. dos. Vivências acadêmicas e rendimento escolar: estudo com alunos universitários do 1◦ ano. 215f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Braga, 2000.

SCALABRIN. I.; MOLINARIA. A.; A importância da pratica do estágio supervisionado nas licenciaturas. 2013. Disponível em: < https://alex.pro.br/estagio1.pdf> Acesso em 27 ago.2020.

OLIVEIRA. C. T.; SANTOS. A. S.; DIAS, A, C. G. Percepções de Estudantes Universitários sobre a Realização de Atividades Extracurriculares na Graduação. Ciência e Profissão Out/dez. 2016 v. 36 n°4, 864-876. 13 p.

PAIXÃO, G. C.; MEDEIROS, J. B. L de P.; VIDAL, E. M. Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Ciências Biológicas Licenciatura a distância. Fortaleza, Ceará, 2012. Disponível em: <https://ava.uece.br/pluginfile.php/38176/mod_folder/content/0/PPC%20Bioeaed%20rev%2006.pdf?forcedownload=1.> Acesso em 17 dez. 2020.

PERES, C.M.; ANDRADE, A.S.; GARCIA, S.B; Atividades extracurriculares: multiplicidade e diferenciação necessária ao currículo. Rev. bras. educ. med. [online]. 2007, vol.31, n.3, pp.203-211.

UECE-Universidade Estadual do Ceará. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão – CEPE, Resolução Nº 3241 / CEPE, de 05 de outubro de 2009. Estabelece critérios e normas para institucionalização das Atividades Complementares como componente curricular dos Cursos de Graduação. Disponível em: < https://docs.google.com/file/d/0B_fq6qKo4yv7RnNCNm11RHQ2MUU/edit> Acesso em:17 dez 2020.

WARMLING; FERREIRA. Contribuições das atividades complementares na formação profissional em odontologia. ABENO. 12, 2, pp. 190-197. ISSN 1679-5954, 2012.

Downloads

Publicado

2021-11-21

Como Citar

Costa Pereira, A., Pinto de Castro , L. H., Dayanne Maia Pantoja , L., & Batista Conde , I. (2021). Percepção de estudantes de Ciências Biológicas sobre as atividades complementares. Conexão ComCiência, 1(3). Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conexaocomciencia/article/view/7095