Educação Química versus Educação Híbrida

possibilidades para o processo de ensino e aprendizagem na Educação Básica

Autores

  • Mateus José dos Santos Universidade Federal de Viçosa
  • Sidney Pires Martins Universidade Federal de Viçosa
  • Rita Márcia Andrade Vaz de Mello Universidade Federal de Viçosa
  • Vinícius Catão Universidade Federal de Viçosa

Palavras-chave:

Educação Híbrida, Educação Química, Formação de professores, Ferramentas Digitais

Resumo

O presente trabalho discutirá algumas percepções sobre a articulação entre a Educação Híbrida e a Educação Química, a partir da visão dos participantes do minicurso “Ferramentas Digitais para o Ensino Híbrido: Articulações com a Educação Química”, ministrado no VI Simpósio Mineiro de Educação Química. O evento remoto ocorreu em junho de 2021, sendo voltado à estudantes, professores e pesquisadores envolvidos com o ensino de Ciências e de Química. Os dados coletados por meio de questionário foram analisadas qualitativamente e interpretadas usando a Análise de Conteúdo proposta por Bardin. As manifestações apontaram para a necessidade de se discutir com maior propriedade em contextos formativos a proposta de Educação Híbrida, com vistas ao diálogo sobre as potencialidades de situações de ensino que englobem esta modalidade. Tudo isso alinhado a uma formação humana que favoreça o pensamento crítico e reflexivo dos estudantes, alicerçado em uma aprendizagem ativa que busca aliar os aspectos conceituais aos procedimentais e atitudinais.

 

Biografia do Autor

Sidney Pires Martins, Universidade Federal de Viçosa

Mestre em Administração (2013), Especialista em Administração em Marketing Estratégico (2005) e em Gestão Educacional (2016). É graduado em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda (2002) e em Administração (2020). Atua como Professor universitário na graduação e pós-graduação lecionando disciplinas de Empreendedorismo, Inovação e Competitividade, Gestão de Vendas e Comportamento Consumidor, bem como Planejamento Estratégico e Gestão sob Conflitos/Negociação e áreas correlatas à Gestão Corporativa. Diretor da Saber & Saber - Arte de Educar, no qual atua como consultor na área de marketing estratégico e inteligência competitiva com foco em gestores que buscam melhores resultados em sua performance. É Membro do Grupo de Trabalho e Vice Coordenador da Comissão Jovens Lideranças Contábeis do Conselho Regional de Contabilidade de MG e, atualmente, assume a posição de conselheiro de tal autarquia. Membro de Relações Públicas da Associação Brasil Soka Gakkai Internacional, uma ONG filiada a ONU e já presente em 192 países, que luta pela Paz, Cultura e Educação dos povos. Atualmente, é acadêmico de Pedagogia da Faculdade Educacional da Lapa, Tutor da pós-graduação em Gestão Pública do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG) ? Polo Turmalina e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas e Formação dos Profissionais da Educação (GEPPFOR) da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Ensino, Tecnologias Educacionais e Educação Matemática (GEPETEM) do Instittuo Federal de Minas Gerais - Campus São João Evangelista. Tem interesse pelas áreas de: Metodologias de Ensino Ativas, Ensino Híbrido, Formação Inicial e Continuada de profissionais da Educação, Ferramentas Digitais.

Rita Márcia Andrade Vaz de Mello, Universidade Federal de Viçosa

Possui Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa , Mestrado em Extensão Rural pela Universidade Federal de Viçosa , Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais e Pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Université Paris Descartes (Sorbonne) . Já foi Presidente da Comissão de Pesquisa do Departamento de Educação ;Foi membro do CONSU. Atuou como Coordenadora geral dos Cursos Lato Sensu da Universidade Federal de Viçosa/Programa Nacional Escola de Gestores. Professora Titular da Universidade Federal de Viçosa. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Didática, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação, formação de professores, avaliação e políticas públicas educacionais. Autora de artigos e capítulos de Livros Nacionais e Internacionais .Organizadora e autora de livros : VAZ DE MELLO, R. M. A.;SOARES, L. A.; Intercessões entre Papel, Atribuição, Mediação e Prática Pedagógica dos Tutores Presenciais na Formação Continuada de Professores a Distância , 2013, 122p. ISBN 978-85-8042-845-2 ; BARBOSA, J. M. S.;VAZ DE MELLO, R. M. A.; Plano de Desenvolvimento da Educação: um enfoque na escola básica (ebook) , 2015 ; BARBOSA, J. M. S.;VAZ DE MELLO, R. M. A.; Plano de Desenvolvimento da Educação: Um enfoque na escola básica: e na atuação do gestor escolar , Ed. Novas Edições Acadêmicas, 1ª ed., v. 1, 136p, ISBN 6130169442 , 2015 ; VAZ DE MELLO, R. M. A.;BARBOSA, J. M. S.; Formação continuada e a a distância de gestores escolares da Educação Básica: a experiência formativa da Universidade Federal de Viçosa , 1 ª ed. Curitiba, PR:Editora CRV, 2017. v. 1. 152p. ISBN: 9788544413203 ; VAZ DE MELLO, R. M. A.;BARBOSA, J. M. S; .Floresta, M.G.S. Formação de profissionais da Educação Básica pública: reflexões para se pensar a educação a distância , 2017 ISBN 978-85-4441449-1 Coordenadora do Grupo de de pesquisa Políticas Públicas e a formação de profissionais da Educação ( GEPPFOR ) , do DPE / UFV. ORCID: ttps://orcid.org/0000-0002-7473-9559

Vinícius Catão, Universidade Federal de Viçosa

Licenciado em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), especialista em Educação Inclusiva pela Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (MG), mestre e doutor em Educação (Ensino de Ciências) pela Faculdade de Educação da UFMG, tendo realizado estágio de pós-doutorado na Faculdade de Educação da USP em parceria com o Centro de Formação de Escolas António Sérgio (Portugal). Professor Adjunto no Departamento de Química da Universidade Federal de Viçosa, setor de Educação Química. Possui experiências profissionais com temas relacionados ao ensino de Ciências/Química, espaços não formais de educação, formação inicial e continuada de professores, inclusão de surdos, educação bilíngue para surdos e diversidade na Escola, com trabalhos voltadas à educação sociocientífica, educação e cidadania, História da Ciência aplicada ao ensino, alfabetização científica e processos de ensino e aprendizagem em contextos inclusivos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: edições, v. 70, p. 225, 1977.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 21 jun 2020.

LEITE, B. S. Sala de aula invertida: uma análise das contribuições e de perspectivas para o Ensino de Química. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, n. Extra, p. 1591-1596, 2017.

LIMA-JUNIOR, C. G.; CAVALCANTE, A. M. A.; OLIVERIA, N. L.; SANTOS, G. F.; MONTEIRO-JUNIOR, J. M. Sala de aula invertida no ensino de química: planejamento, aplicação e avaliação no ensino médio. Revista Debates em ensino de Química, v. 3, n. 2, p. 119-145, 2017.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação (Bauru), v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

MORÁN, J. Educação Híbrida: um conceito-chave para a Educação hoje. In: BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. M. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 28-45.

OLIVEIRA, J. E. S.; LEITE, B. S. Ensino híbrido gamificado na química: o modelo de rotação por estações no ensino de radioatividade. Experiências em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 277-298, 2021.

PEREIRA, E. G; SILVA, L. D. Relato de experiência no ensino híbrido: como estudantes de química em nível médio encaram a indicação de videoaulas?. Revista EDaPECI, v. 21, n. 1, p. 72-84, 2021.

SACRISTÁN, G.; GÓMEZ, A.P. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SANTOS, M. J.; CATÃO, V.; LOPES, J. G. S.; REIS, I. F.; FERRAZ, V. G. L. Simpósio Mineiro de Educação Química como possibilidade de integrar ações em prol da formação inicial e continuada dos professores de Química. Revista Debates em Ensino de Química, v. 3, n. 1, p. 134-149, 2017.

SCHIEHL, E. P.; GASPARINI, I. Contribuições do Google Sala de Aula para o ensino híbrido. RENOTE-Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 14, n. 2, 2016.

SCHNEIDER, F. Otimização do espaço escolar por meio do Ensino Híbrido. In: BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. M. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 68-80.

ZANETTE, M. S. Pesquisa qualitativa no contexto da Educação no Brasil. Educar em Revista, n. 65, p. 149-166, 2017.

Downloads

Publicado

2022-02-20

Como Citar

dos Santos, M. J., Martins, S. P., Andrade Vaz de Mello, R. M., & Catão, V. . (2022). Educação Química versus Educação Híbrida: possibilidades para o processo de ensino e aprendizagem na Educação Básica. Conexão ComCiência, 2(1). Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conexaocomciencia/article/view/6329