A Desvalorização do professor e quais ações dos gestores podem contribuir na reversão desse quadro

Autores

  • Adriana Aparecida Ramos Miron Ferreira Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo
  • APARECIDA LEONIR DA SILVA

Palavras-chave:

Desmotivação; desvalorização; gestão democrática

Resumo

Os professores em modo geral se sentem desmotivados, tendo por principal motivo a desvalorização em todos os âmbitos da sociedade. Diante do exposto, objetivou-se investigar qual a contribuição do gestor escolar para a reversão deste quadro, tendo como referência as respostas de uma parcela de docentes atuantes do segmento. A pesquisa foi realizada por meio de um questionário aplicado para 18 professores da Educação Básica. Concluiu-se que o gestor tem um papel fundamental para o sucesso desta ação, ele deve ser o articulador da implementação e manutenção da Gestão Democrática, que traz para dentro da Unidade Escolar movimento de conscientização sobre a importância da educação e dos profissionais envolvidos neste processo e qualifica os docentes dentro do seu ambiente de trabalho, buscando valorizar suas práticas e qualifica-las, trazendo para todos, o sentimento de pertencimento e responsabilidade em todo o processo educacional.

Referências

ALARCÃO, Isabel. Escola reflexiva e a nova racionalidade. 1ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394/96. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm.

BRZEZINSKI, Iria. Fundamentos sociológicos, funções sociais e políticas da escola reflexiva e emancipadora: algumas aproximações. In: Alarcão, Isabel. Escola reflexiva e a nova racionalidade. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 65-80

CONTRERAS, José. Autonomia perdida: a proletarização dos professores. 2ed. São Paulo: Cortez, 2002

CORTINA, Roseana Leite. Burocracia e educação: o diretor de escola no Estado de São Paulo. 1ed. Araraquara: Cultura Acadêmica, 1999

CUNHA, Maria Isabel da. O bom professor e sua prática. 1ed. Campinas: Papirus, 1989

FREITAG, Bárbara. Escola, Estado & sociedade. 7ed. São Paulo: Centauro, 2007

FUSARI, José Cerchi. Planejamento do trabalho pedagógico: algumas indagações e tentativas de respostas. Ideias, São Paulo, n. 8, p. 44-53, 1990.

GATTI, Bernardete Angelina.; BARRETO, Elba Siqueira de Sá.; ANDRÉ, Marli Elisa Dalmazo de. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. 1ed. Brasilia: Unesco, 2011

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA [INEP]. Estatísticas dos professores no Brasil. 2ed. Inep, Brasília, DF, Brasil. 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE]. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores: 2015. Rio de Janeiro: RJ, Brasil. 2016.

Distribuição de professores da educação básica, de acordo com escolaridade total, segundo região, situação de domicílio e inserção por tipo de escola no trabalho docente principal (2015)

MARCELO, Carlos. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 08, pp. 7-22, 2009. Consultado em [fevereiro, 2021] em http://sisifo.fpce.ul.pt

MARIOTINI, Sérgio Donizeti. O professor reflexivo e autonomia docente. PLURES – HUMANIDADES: Revista de Coordenadoria e Pesquisa e PósGraduação, Ribeirão Preto, SP, nº5, p. 79 -93, 2004.

MATIJASCIC, Milko. Professores da educação básica no Brasil: condições de vida, inserção no mercado de trabalho e remuneração. 1ed. Brasília: Ipea, 2017

MENEZES, Ebenezer Takuno de. Verbete HEM (Habilitação Específica para o Magistério). Dicionário Interativo da Educação Brasileira - EducaBrasil. São Paulo: Midiamix Editora, 2001. Disponível em <https://www.educabrasil.com.br/hem-habilitacao-especifica-para-o-magisterio/>. Acesso em 22 fev 2021.

NÓVOA, António. Professores: imagens do futuro presente. 1ed. Lisboa: Educa, 2009

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Os trabalhadores da educação e a construção política da profissão docente no Brasil. Educar em Revista. Curitiba, PR, nº Esp., p.17-35. ISSN 1984-0411, 2010.

OLIVEIRA, João Ferreira de; MORAES, Karine Nunes de; DOURADO, Luiz Fernandes. Gestão escolar democrática: definições, princípios e mecanismos de implementação. 2014. Consultado em [fevereiro, 2021] em http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/sem_pedagogica/fev_2014/NRE/5gestao_escolar_democratica_definicoes_principios_mecanismo_implementacao.pdf.

OLIVEIRA, Valeska Fortes de. Em que espelhos andamos nos projetando? Entre representações e saberes: o professor universitário. Revista Iberoamericana de Educación 43(4): 1-10, 2007.

PARO, Vitor Henrique. Administração escolar: introdução crítica. 17ed. São Paulo: Cortez, 2018

SANTOS, Westerley Antonio. 2017. Uma reflexão necessária sobre a profissão docente no Brasil, a partir dos cinco tipos de desvalorização do professor. Sapere Aude 6(11): 349-358.

São Paulo. 1988. Decreto n. 28.089/88, de 13 de janeiro de 1988. Cria Centros Específicos de Formação e Aperfeiçoamento do Magistério e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo – Executivo, São Paulo, 14 jan. 1988. p.1.

SAVIANI, Dermeval. Ensino público e algumas falas sobre a universidade. 3ed. São Paulo: Cortez, 1986

SAVIANI, Demerval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema do contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação 14(40): 143-155. 2009.

VASCONCELLOS, Celso dos S. Formação didática do educador contemporâneo: desafios e perspectivas. Caderno de Formação: formação de professores didática geral 9: p. 33-58. 2011.

Downloads

Publicado

2021-05-03

Como Citar

Ramos Miron Ferreira, A. A., & LEONIR DA SILVA, A. (2021). A Desvalorização do professor e quais ações dos gestores podem contribuir na reversão desse quadro. Conexão ComCiência, 1(3). Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conexaocomciencia/article/view/5157