Rompendo com o colonialismo de gênero

Autores

  • Aline de Oliveira Rosa

Palavras-chave:

gênero, sexualidade, estética, corporeidade, colonialidade

Resumo

Não apenas a mulher, mas todo tipo de subjetivação que escapa o termo ‘Maior’ masculino, sua sexualidade é negada, é ela o não-discurso. Neste artigo proponho pensar os corpos não normativos, não binários, para além das categorias coloniais. Uma abordagem de gênero e sexualidade como performance poético/estético, um fazer que é sempre devir e político e que também inscritos sobre raça, pensando gênero-sexualidade-raça categorias inseparáveis. Para além da perspectiva masculina/feminina, homem/mulher, mas um grito rebelde que rompe com a estrutura da própria língua, produzindo novos discursos, novas simbolizações dos lábios, construindo novas performatividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n.11. Brasília, maio/agosto de 2013.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo – fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BUTLER, Judith. Atos performáticos e a formação das gêneros: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. In.: Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Org. Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019. p. 213-230.

_______. Corpos em aliança e política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

_______. Problema de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

_______. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BRUNEL, Emma Álvarez y Nahuala. Afectos y disidencias sexuales jota-cola-mariconas en Abya Yala. Org. Joterismo: feminismos jotos y analquismo. Buenos Aires: Madrágoras de Fuego, 2018.

________. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 4. Tradução de Suely Rolnik. Rio de Janeiro: Editora 34, 2005.

________. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G. PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Relógio D'água, 2004.

________. História da sexualidade 1: A vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

HORTA, Maria Teresa. Poemas Eróticos. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2018.

KAUR, Rupi. Outros jeitos de usar a boca. São Paulo: Planeta do Brasil, 2017.

LUGONES, Maria. Colonialidade e gênero. In.: Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Org. Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2020. p. 53-83.

________. Rumo a um feminismo decolonial. In.: Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Org. Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019. p. 357-377.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

DE OLIVEIRA ROSA, A. . Rompendo com o colonialismo de gênero. Polymatheia - Revista de Filosofia, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 164–190, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revistapolymatheia/article/view/8099. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos