Autenticidade como chave de liberdade na construção da identidade

Uma análise heideggeriana

Autores

Palavras-chave:

autenticidade, Dasein, identidade, Heidegger

Resumo

Neste ensaio, exploramos a relevância da “autenticidade” na existência humana, à luz da filosofia de Martin Heidegger, com foco nos conceitos de abertura do ser e autenticidade. Através de uma metodologia de revisão narrativa, analisamos estudos que estabelecem conexões entre a filosofia heideggeriana e a agenda identitária contemporânea. Demonstramos como a autenticidade, a busca por uma vida genuína e a reflexão sobre a própria existência, é crucial na construção da identidade individual. Destacamos como essa ênfase na autenticidade pode questionar rótulos e categorizações impostos por grupos sociais, promovendo, assim, a liberdade na formação dos “modos de ser” de cada pessoa. Essa análise revela como a filosofia de Heidegger oferece uma perspectiva única sobre a existência humana, enriquecendo o diálogo filosófico e identitário. Ao fornecer uma estrutura para a reflexão sobre a autenticidade, esta pesquisa contribui para a compreensão da liberdade individual na formação da identidade e destaca a relevância contínua das ideias heideggerianas na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Vinícius Brito dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Licenciado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e em Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER), Especialista em Ciências Sociais, Gestão Escolar, Direitos Humanos e em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, Mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Doutorando em Filosofia pelo Programa de Pós-graduação em Filosofia no Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFRN (CCHLA-PPGFil-UFRN).

Geiza Venícia dos Santos, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Graduada em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Referências

BUTLER, J. Performative Acts and Gender Constitution: An Essay in Phenomenology and Feminist Theory. Theatre Journal, v. 40, n. 4, p. 519-531, 1988. Disponível em: https://doi.org/10.2307/3207893. Acesso em: 05 set. 2023.

CABESTAN, P.; LAMELO, M. M. G. (2010). Ser si-mesmo: abordagem fenomenológica da autenticidade e da inautenticidade. Winnicott e-prints, v. 5, n. 1, p. 1-16, 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-432X2010000100004&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 01 set. 2023.

CASARIN, S. T.; PORTO, A. R.; GABATZ, R. I. B.; BONOW, C. A.; RIBEIRO, J. P.; MOTA, M. S. (2020). Tipos de revisão de literatura: considerações das editoras do Journal of Nursing and Health. Journal of Nursing and Health, v. 10, n. 5, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.15210/jonah.v10i5.19924. Acesso em: 01 set. 2023.

ÇIFTECI, V. (2020). The Significance of Time, Being and Transcendence on the Road to the Heideggerian Authentic Self. Kilikya Journal of Philosophy, n. 2, p. 169-182, 2020. Disponível em: https://dergipark.org.tr/en/pub/kilikya/issue/57313/812356. Acesso em: 10 set. 2023.

CONNELL, R. W.; MESSERSCHMIDT, J. W. Hegemonic Masculinity: Rethinking the Concept. Gender & Society, v. 19, n. 6, p. 829-859, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0891243205278639 . Acesso em: 02 set. 2023.

ELPIDOROU, A.; FREEMAN, L. Affectivity in Heidegger I: Moods and Emotions in Being and Time. Philosophy Compass, v. 10, p. 661-671, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1111/phc3.12236. Acesso em: 20 set. 2023.

FERREIRA, A. M. C. Culpa e angústia em Heidegger. Cógito, v. 4, p. 75-79, 2002. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-94792002000100012&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 18 set. 2023.

GOFFMAN, E. A elaboração da face. Uma análise dos elementos rituais da interação social. In: FIGUEIRA, S. (Org.). Psicanálise e ciências sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980, p. 76-114.

HEIDDEGER, M. Ser e Tempo. Parte I. 15. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

LECOURT, D. Erreurs agréables, vérités désagréables. In: GOUYON, P.-H.; LECOURT, D.; MEMMI, D.; THOMAS, J.-P.; THOUVENIN, D. La bioéthique est-elle de mauvaise foi?. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.

MORAN, D. Immanence, Self-Experience, and Transcendence in Edmund Husserl, Edith Stein, and Karl Jaspers. American Catholic Philosophical Quarterly, v. 82, n. 2, p. 265-291, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.5840/acpq20088224. Acesso em: 01 set. 2023.

O'CONNELL, D. R. Heidegger's Authenticity. Dissertação (Doutorado em Filosofia). University of Illinois at Urbana-Champaign, Urbana, Illinois, 2015. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/158301888.pdf. Acesso em: 10 set. 2023.

PÓVOAS, J. F. A má-fé na analítica existencial sartriana. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2005. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/11481?locale=es. Acesso em: 15 set. 2023.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, [editorial], v. 20, n. 2, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ape/a/z7zZ4Z4GwYV6FR7S9FHTByr/. Acesso em: 07 set. 2023.

SARTRE, J. -P. L’être et le néant. Essai d'ontologie phénoménologique. Paris: Librairie Gallimard, 1943.

SEBOLD, L. F.; CARRARO, T. E. The authenticity of the being nursing-professor in the nursing care teaching practice: a Heideggerian hermeneutics. Texto & Contexto - Enfermagem, v. 22, n. 1, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000100003. Acesso em: 22 set. 2023.

YAMAGUTI, A. C. Reflexões hermenêutico-fenomenológicas sobre a condição paterna. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: https://repositorio.pucsp.br/handle/handle/15458 . Acesso em: 08 set. 2023.

WENDET, S. Sein durch den Tod?: Ein Essay über Heideggers Sein-zum-Tode. Múnich: Grin Verlag, 2012.

Downloads

Publicado

2023-12-19

Como Citar

SANTOS, D. V. B. dos; SANTOS, G. V. dos. Autenticidade como chave de liberdade na construção da identidade: Uma análise heideggeriana. Polymatheia - Revista de Filosofia, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 399–411, 2023. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revistapolymatheia/article/view/11536. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Ensaio e Relato de Experiência