Educação, arte e política:

experiências, alternativas e resistências

  • Jeannette Filomeno Pouchain Ramos Pós-Doutora em Belas Artes pela Universidade do Porto e Professora na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB - Organizadora https://orcid.org/0000-0002-4017-0982

Resumo

Os artigos aqui publicados apresentam investigações empíricas, experiências individuais e coletivas, alternativas e resistências, entre outras vivências, apoiadas em análises e reflexões teóricas e metodológicas. Diferentes territórios são apresentados em um diálogo entre os quatro pontos cardeais. Ao Leste, em Cabo Verde, o “desconseguir” o lugar da educação artística; ao Oeste, transitando por 3 regiões do Brasil (Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste) e pelos movimentos sociais da América Latina; e do Sul para o Norte, partimos da realidade local, seguimos o diálogo transepistemológico e desvelamos as ofensivas atuais, que subordinam a educação, a arte e a política a ditames econômicos, que se manifestam cá e acolá, e as variadas formas de resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alarcão, I. (2003). Professores reflexivos em uma escola reflexiva (2a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Althusser, L. (1996). Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. In S. Zizek (Org.), Um mapa da ideologia (pp. 105-142). Rio de Janeiro, RJ: Contraponto.

Arroyo, M. G. (1986). A escola possível é possível? In M. G. Arroyo (Org.), Da escola carente à escola possível (pp. 11-53). São Paulo, SP: Loyola.

Avritzer, L. (2011). Governabilidade, sistema político e corrupção no Brasil. In L. Avritzer, & F. Filgueiras (Orgs.), Corrupção e sistema político no Brasil (pp. 34-62). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Brecht, B. (2003). Bertolt Brecht: poetry and prose. New York, NY: Continuum International.

Buarque, C. (n.d.). Cordão (Arquivo de Vídeo). Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=ptnnyYp9rEI

Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. (1988). Brasília, DF.

Gonzaguinha. (n.d.). Nunca Pare de Sonhar (Arquivo de vídeo). Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=pNyo0dNL7so

Haubrich, A., & Santos, N. B. (2019, maio). Visibilidade e debate público sobre o caso Bolsonaro/WhatsApp nas capas dos jornais. In Anais do 8o Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política. Brasília, DF. Recuperado de http://ctpol.unb.br/compolitica2019/GT8/gt8_Haubrich_Santos.pdf

Kuhn, T. S. (1991). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo, SP: Perspectiva.

Mignolo, W. (2003). Histórias globais/projetos locais. Colonialidade, saberes subalternos e pensamento limiar. Belo Horizonte, MG: Ed. UFMG.

Morin, E. (2019). “Resistir às incertezas é parte da Educação”, diz Edgar Morin (Entrevista). Recuperado de https://oglobo.globo.com/sociedade/resistir-as-incertezas-parte-da-educacao-diz-edgar-morin-23723035

Oliveira, L. F., & Candau, V. M. F. (2010). Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, 26(1), 15-40.

Quijano, A. (2007). Colonialidad del poder y clasificación social. In S. Castro-Gómez, & R. Grosfoguel (Orgs.), El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global (pp. 93-126). Bogotá, Colombia: Siglo del Hombre.

Ricarte Lanz, H. (2019). Mobilisieren. In M. Krebs, & J. N. Napoles (Hrsg.), Bewegungen denken. Pädagogisch-anthropologische Skizzen. Basel, Schweiz: Beltz.

Rodrigues, N. (2001). Lições do Príncipe e outras lições (20a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Salles, R. (2003). Aprendendo com poesia. São Paulo, SP: Instituto de Arte Social.

Publicado
2019-07-08
Como Citar
Ramos, J. (2019). Educação, arte e política:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 9(23), 5-15. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2019.9.23.1428
Seção
Apresentação