Erguer a voz com bell hooks

Autores

  • Izilda Johanson Universidade Federal de São Paulo

Palavras-chave:

feminismo negro, erguer a voz, escuta, liberdade

Resumo

Neste artigo exploraremos alguns pontos nucleares da reflexão que bell hooks propõe em seu ensaio Erguer a voz: falar como feminista, falar como negra. Veremos que, segundo bell hooks, erguer a voz dirá respeito à constituição sobretudo de um lugar em que ser mulher e ser negra deverá significar o mesmo que ser sujeito do próprio pensar; e, ainda, fazer-se ouvir: ouvir a si mesma, por si mesma, e ser ouvida por outras, outros, outres também, num processo que exigirá, necessariamente, a contrapartida de uma escuta. Por fim, restará a questão do modo como esses movimentos e esses gestos que levam alguém a ser sujeito, ser voz e ser escuta podem se integrar; veremos que isto se tornará real por meio de um agir e de um pensar autenticamente feminista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

hooks, bel - Erguer a Voz - Pensar como feminista, pensar como negra, São Paulo, Editora Elefante, 2019.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada, São Paulo: Ática, 2014.

FRANCO, Marielle - "não serei interrompida" - Câmara dos vereadores do Rio de Janeiro. Discurso - Vereadora Marielle Franco - Sessão: Ordinária Expediente: 2ª Parte do Grande Expediente Data da Sessão: 08/03/2018 Hora: 15h40min. Disponível em:

http://mail.camara.rj.gov.br/APL/Legislativos/discvot.nsf/5d50d39bd976391b83256536006a2502/cd266fdef87ea5fc8325824a006d079d?OpenDocument

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra no mercado de trabalho. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Pensamento Feminista Brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de Fala. São Paulo: Pólen, 2019.

VIEIRA, Julia de Freitas; JOHANSON, Izilda Cristina. A interseccionalidade a partir de Quarto de Despejo, de Carolina Maria de Jesus. Revista PHILIA | Filosofia, Literatura & Arte, Porto Alegre, volume 2, número 2, p. 244–268, novembro de 2020.

Downloads

Publicado

2022-05-19

Como Citar

JOHANSON, I. Erguer a voz com bell hooks. Kalagatos , [S. l.], v. 19, n. 1, p. eK22017, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/8297. Acesso em: 28 jun. 2022.