Kalagatos https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos <p>A <strong>Kalagatos - Revista de Filosofia</strong> (Qualis A3) foi criada em 2004, segundo a iniciativa de professores do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Estadual do Ceará - PPGFIL-UECE. Desde sua criação, os editores do periódico vêm se empenhando para trazer aos leitores, semestralmente, novas edições com artigos inéditos, resenhas, ensaios e traduções, visando à divulgação de textos de professores e pesquisadores dos programas de pós-graduação em Filosofia e áreas afins, do Brasil e de outros países. Frisa-se que os artigos a serem publicados deverão ter a titulação mínima de doutorandos e que as submissões em português deverão, caso aprovadas, ter uma versão em outra língua estrangeira para publicação bilíngue.</p> <p><span style="vertical-align: inherit;">Qualis Capes 2017-2020: A3<br />Prefixo DOI: 10.23845<br />e-ISSN: 1984-9206 | ISSN: 1808-107X</span></p> PPGFil-UECE pt-BR Kalagatos 1808-107X <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License" /></a></p> Filosofia brasileira como metáfora do Brasil https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12201 <p>O objetivo do presente ensaio é trabalhar algumas questões relativas às relações entre nacionalidade e filosofia. Para tanto, recuperamos um filósofo mui injustamente olvidado, Álvaro Veira Pinto e debatemos o papel que o mesmo assinalava como próprio á filosofia no contexto do desenvolvimento nacional. &nbsp;A tese principal do ensaio é que o desprezo pela filosofia nacional é, no fundo, um desprezo pelo Brasil e que a valorização dela vai de par com a constituição de uma sociedade justa, igualitária e preocupada com seu povo.</p> Felipe Luiz Copyright (c) 2024 Felipe Luiz https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-16 2024-05-16 21 1 ek24020 ek24020 A Refutação kantiana do ceticismo do mundo exterior no quarto paralogismo da primeira edição da crítica https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/10606 <p>Este trabalho objetiva defender a pertinência da refutação do ceticismo acerca dos objetos do mundo exterior a partir do Quarto Paralogismo da primeira edição da Crítica da Razão Pura (1781). Para tanto, delineamos a origem de tal ceticismo no idealismo cartesiano; em seguida, indicamos as razões pelas quais Kant interpreta tal silogismo como sendo um paralogismo. Posteriormente, abordamos os passos da estratégia de Kant para refutar o idealismo: 1) provar a imediatidade dos objetos externos e 2) provar a dependência da faculdade imaginativa desses mesmos objetos. Por fim, concluímos que os objetos que podemos percepcionar e que podem ser considerados exteriores são apenas os objetos fenomênicos.</p> David Barroso Braga Copyright (c) 2024 David Barroso Braga https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK24001 eK24001 Human nature, equality and violence: https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12450 <p>This article discusses the effects of the political structures that emerged with the civilization process on human nature in Hobbes. Hobbes constructs the state of nature in an area where humans can live their nature completely freely. Although this situation creates a certain area of freedom for human nature, when it comes to social relations, this freedom endangers the lives of all people. As is known, Hobbes' solution on this issue is to build political structures such as states that will benefit everyone, rather than people acting as in the state of nature. However, what I am trying to draw attention to here is whether human nature is dispensable with this transition. My main purpose in this article will be to show that even if there is a change in human position, his nature repositions itself as a fundamental determinant that in a sense manages and shapes all processes within political structures under different appearances, as in the state of nature. In the article handled for such a purpose, it is shown that human nature is no longer possible to remain in its pure form and has transformed into something that we can deal with through a political relationship. The basic view defended in this article is that with this new situation, which we can call the emergence of political nature, human nature emerges as a new force shaping the entire political field.</p> Mehmet Şirin ÇAĞMAR Copyright (c) 2024 Mehmet Şirin ÇAĞMAR https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK24002 eK24002 Paralaxe da casa: o lugar-do-ser e o ser-do-lugar https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/9982 <p>Para uma compreensão da casa, tece-se o sentido da paralaxe (método) como prumo para sua fenomenologia (logia). Nisso, a casa, enquanto lugar, admite a dialética aristotélica: o lugar-do-ser (rumo ao construir) e o ser-do-lugar (rumo ao constituir). Desse modo, guia-se a trama dos conceitos entrelaçados aos sentidos da casa: o morar (lugar-do-ser) e o residir (ser-do-lugar), aos extremos do morar sem residir (habitar) e o residir sem morar (abrigar). Assim, tenciona-se a lugaridade, ao fundamento ontológico, da paralaxe política e da paralaxe científica. Dessarte, à abertura da paralaxe geográfica, visou-se a entretecer o modo de ser da casa: a casidade.</p> Jahan Natanael Domingos Lopes Copyright (c) 2023 Jahan Natanael Domingos Lopes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK240003 eK240003 Histoire du Centre de recherches sur l'imaginaire des Universités de Chambéry et Grenoble : présentation et commentaire d'archives autour de Gilbert Durand https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12472 <p>Fondé en 1966 à l'Université de Savoie, le premier Centre de Recherches sur l'Imaginaire a marqué, sans doute, un tournant dans l'histoire des études sur l’imaginaire au XX<sup>e </sup>siècle. Pendant les années 1960 et 1970 les chercheurs du C.R.I. Chambérien/Grenoblois ont cherché à collecter et organiser diverses informations sur les imaginaires de l’Occident et de l’Orient, ce qui a permis de créer une riche base de données. Au fil du temps, le C.R.I. a connu plusieurs transformations, au risque parfois de menacer l'exploitation des informations accumulées et stockées. Le présent travail cherchera à montrer que la documentation historique léguée par les anciens chercheurs de l’imaginaire nous invite aujourd’hui à réexaminer le contexte intellectuel et culturel français et international auquel le C.R.I appartenait. Par là nous voulons contribuer à une synthèse historique et épistémologique des recherches sur l'imaginaire au XXème siècle, qui sert aussi de fondement à notre étude sur le développement de ces recherches en France et au Brésil.</p> Thácio Ferreira dos Santos Copyright (c) 2024 Thácio Ferreira dos Santos https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK24004 eK24004 The Role of Language in the Development of Social Consciousness in Karl Marx’s Philosophy https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12308 <p>The issue of social consciousness is an important content of Karl Marx's philosophy. Deeply understanding this issue is of great significance to the task of building a new social consciousness. On the basis of Karl Marx's philosophy, the role of language in the development of social consciousness is examined extensively. Marx not only considered language a tool of communication, but also a means of reflecting and influencing the relations of production and productive forces in society. Language not only reflects social conflicts but also forms ideology, affecting how people understand the world around them and themselves. In this work, we will focus on clarifying the above issues and suggesting future research directions.</p> Phuong Vo Vo Van Dung Copyright (c) 2024 Phuong Vo https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK24005 eK24005 (Não é só) mais um trabalho sobre os reflexos sociais da pandemia. Feminismos habermasianos: https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/10583 <p>O presente artigo tem como objetivo investigar a violência doméstica no Brasil, justificando que esse tema não é uma novidade do período de pandemia, pelo contrário, o período pandêmico, ressaltou ainda mais a fragilidade desse tipo específico de violência. Busca-se enfatizar a importância de abordar a violência doméstica como um problema estrutural e global que requer atenção urgente. Por meio de uma metodologia dialética, se utilizando de marcos teóricos como Habermas, Foucault, Bourdieu, o estudo explora, a partir de teorias Habermasianas, o conceito de um espaço público para fala livre e imparcial como um meio de transformar valores sociais enraizados que levam à subordinação e inferiorização das mulheres. Diante tais fatores, conclui-se que a falta de espaço para as mulheres dentro da esfera pública, levam a manutenção do estereótipo de cidadãs de segunda classe, o que contribui para a perpetuação da cultura machista que alimenta a violência doméstica. O intuito é quebrar o ciclo de violência e criar uma sociedade mais justa, igualitária e principalmente inclusiva para todos.</p> Maíra Ribeiro de Rezende Edson Vieira da Silva Filho Copyright (c) 2023 Maíra Ribeiro de Rezende, Edson Vieira da Silva Filho https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK24006 eK24006 A Critique of a necessitist argument by Timothy Williamson https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/11851 <p>In ‘Modal Logic as Metaphysics’, Timothy Williamson presents an argument for necessitism based on the Converse Barcan Formula (CBF): $ν ◊<em>A</em> g ◊$ν <em>A</em>. By sub-stituting ‘‘Ø$y x=y’ for ‘<em>A</em>’ he arrives at: $x ◊Ø$y x=y. He claims that the antecedent formulates the contingentist view that something could have not existed; but the consequent is inconsistent. Williamson’s argument collapses once the ambiguity concerning the scope of the modal operator is removed: CBF does apply to $x ◊(Ø$y x=y)’, ‘something possibly has the property of being identical to something nonexistent’; however, this is not the contingentist thesis, but is inconsistent; whereas ‘$x, ◊Ø$y: x=y’ does formulate the contingentist thesis: something is identical to something which in some possible world does not exist, but CBF does not apply. Some other misunderstandings concerning the Barcan Formula and the Principle of Existential Generalization can also be resolved after this.</p> Konrad Utz Copyright (c) 2024 Konrad Utz https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK24007 eK24007 Moral e economia de mercado em Adam Smith https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12593 <p>Neste artigo busca-se &nbsp;analisar nos escritos de Adam Smith &nbsp;uma relação entre moralidade e mercado/capitalismo. Isso pode ser visto em suas obras The Wealth of Nations e Theory of Moral Sentiments. Mesmo que Smith considera estes escritos interdependentes, ambos fazem parte de um projeto &nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;filosófico de maior amplitude. Desta forma, surgem as questões como: a) Mercado e moral&nbsp; &nbsp;tem alguma relação? b) Podemos fundamentar em Smith uma relação entre economia e moral? c) O indivíduo que se envolve com o mercado pode ser portador de uma moralidade? d) O capitalismo só pode ser desenvolvido dentro de um sistema de exploração e consequentemente por um via imoral? e) E para sermos prósperos devemos abandonar qualquer resquício de moralidade? No entanto, objetiva-se mortrar que &nbsp;tais questões já estão presente no pensamento de Smith, sendo &nbsp;possível ver uma fundamentação e compreensão do aspecto moral nas relações de mercado/capitalismo.</p> Sergio Adriano Ribeiro Copyright (c) 2024 Sergio Adriano Ribeiro https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK24008 eK24008 The Philosophy of Human emancipation in Ho Chi Minh's ideas and its Contemporary relevance in Vietnam https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12513 <p>Este artigo investiga a filosofia abrangente de libertação humana de Ho Chi Minh, uma filosofia que evoluiu a partir de uma profunda compreensão e desenvolvimento dos pensamentos nacionais, orientais e ocidentais, especialmente influenciados pelos ideais marxistas-leninistas. A filosofia de Ho Chi Minh, enriquecida pelas suas actividades revolucionárias dinâmicas, é adaptada ao contexto único do Vietname e às tendências globais emergentes após a Revolução Russa de Outubro. Os autores expõem aspectos-chave da filosofia de Ho Chi Minh, explorando temas de libertação a nível nacional, de classe e humano, e abordando a libertação da opressão, exploração e escravização com o objectivo de promover o desenvolvimento humano. Além disso, o documento destaca a importância, o valor e a aplicação prática da filosofia de Ho Chi Minh pelo Partido Comunista do Vietname nos esforços de reforma em curso do país.</p> Phuong Thi Nguyen Quyet Thi Nguyen Copyright (c) 2024 Phuong Thi Nguyen, Quyet Thi Nguyen https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-22 2024-02-22 21 1 eK24009 eK24009 Esquizoanálise dá samba? https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12091 <p align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">O presente artigo pretende definir os sambas enredos como literatura menor. Para isto discutiremos o conceito de rizoma de Deleuze e Guattari, como uma abordagem que facilita as conexões entre os saberes promovendo agenciamentos múltiplos. Em seguida discutiremos o conceito de história a partir da perspectiva genealógica de Foucault, requerendo elevar a história das descontinuidades, vazios e silêncios, como processos esquecidos pela grande história. </span><span lang="pt-BR">Este ponto é importante para inscrever os povos negros como promotores de seu próprio discurso histórico e o samba é um veículo para tal ensejo. </span><span lang="pt-BR">Por fim, definiremos literatura menor e como os sambas enredos navegam bem dentro do conceito. </span> </span></span></span></p> Wesley Barbosa Copyright (c) 2024 Wesley Barbosa https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-03-03 2024-03-03 21 1 eK24010 eK24010 Considerações a respeito da da comunidade na Républica de Platão e na política de Aristóteles https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/11522 <p>O artigo analisa comparativamente o pensamento político exposto na República de Platão e na Política de Aristóteles no que tange às noções de comunidade, propriedade, justiça e governo. A constituição da cidade, na Política, dissona da ideia de comunitarismo da República em que famílias e bens devem ser comuns. As concepções de justiça e de propriedade também diferem: ainda que para ambos a justiça seja imprescindível na constituição da comunidade e do governo, a analogia platônica entre partes da alma e partes da cidade é criticada por Aristóteles. Sobre o governo, Aristóteles parece devedor da concepção platônica, mas difere por pensar que uma maioria de homens bons decide melhor que um só homem, ainda que excelente.</p> Jaqueline Stefani Lucídio Conzatti Júnior Copyright (c) 2024 Jaqueline Stefani, Lucídio Conzatti Júnior https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-03-03 2024-03-03 21 1 e24011 e24011 O Esquecimento da diferença ontológica no primeiro início grego https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12387 <p>O artigo analisa a crítica de Heidegger à abordagem bipartida de Aristóteles sobre o ente e o ser na gênese da metafísica ocidental. Heidegger contesta a análise aristotélica, argumentando que a integração do ente como um todo e dos entes particulares na <em>phýsis </em>resultou no desprezo pela diferença ontológica. O filósofo alemão sugeriu que a bifurcação do ser levou à tradição metafísica tornar-se uma "ontoteologia". Em contraste, Heidegger, através da hermenêutica fenomenológica, reintroduziu a questão do ser, enfatizando a compreensão dos seres pela maneira pré-lógica como o dasein existe no mundo, sem depender de um fundamento eterno e imóvel.</p> Nathalia Claro Moreira Copyright (c) 2024 Nathalia Claro Moreira https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-03-14 2024-03-14 21 1 eK24012 eK24012 La forme informelle du monde et de l’improvisation https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12701 <p>Este ensaio parte de uma leitura do ensaio clássico «&nbsp;Vers une Musique Informelle&nbsp;» se concentrando no conceito de «&nbsp;informal&nbsp;» trabalhado por Adorno para pensar a sua utopia musical. O objetivo será expandi-lo para dois lugares que o filósofo não soube remarcar ou antecipar. Primeiramente a improvisação (musical como para além) e, apoiado nas pesquisas de Christoph Türcke, para uma possível maneira de pensar a configuração do mundo do capital após a morte do filósofo frankfurtiano.</p> Frederico Lyra de Carvalho Copyright (c) 2024 Frederico Lyra de Carvalho https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-03-17 2024-03-17 21 1 eK24013 eK24013 Da Imobilidade Social à superação da Vontade de Saber: https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/11930 <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;">Este trabalho tr</span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;">ata de maneira sucinta da utilização de modelos como analogias para justificar discursos e práticas excludentes na obra </span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><em>A Política</em></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;">, de Aristóteles – e por modelos aqui se entende não apenas a analogia ao mundo natural e à forma como outros seres vivos se organizam em sociedade, mas a utilização de estruturas modelares de cunho moralista, porém merecedoras de uma mais aprofundada reflexão filosófica. Contra esses tipos de incorreções de ordem ética e de raciocínio, tanto para quem porta, como para quem acolhe esses discursos, este artigo ressalta o valor do pensamento foucaultiano </span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span lang="pt-BR">à</span></span></span></span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"> prática política equitativa na atualidade</span><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><em>.</em></span></p> Thiago Guagliardo Klohn Idalgo José Sangalli Copyright (c) 2024 Thiago Guagliardo Klohn, Idalgo J. Sangalli https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-03-17 2024-03-17 21 1 eK24014 eK24014 The Analyzing Human Existence Through Fyodor Dostoevsky’s literary contributions https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12601 <p>This study examines the existentialist perspectives within the works of Fyodor Dostoevsky, a pivotal 19th-century Russian literary and philosophical figure. Dostoevsky is celebrated for introducing existential themes to Russian literature, with his narratives deeply rooted in the human condition. His key works, such as “Notes from Underground,” “Crime and Punishment,” “The Idiot,” and “The Brothers Karamazov,” delve into the human psyche challenged by the societal norms of 19th-century Russia. This paper seeks to dissect Dostoevsky’s nuanced examination of self-discovery, the pursuit of genuine existence, ongoing inner turmoil, solitude as a means to spiritual liberation, and the significant role of religious belief in shaping human experience. Through an analytical lens, this research scrutinizes the existential quandaries faced by Dostoevsky’s characters, positing that his literary and philosophical contributions not only shed light on human complexity but also serve as an enduring meditation on the nature of existence.</p> Quynh Nguyen Copyright (c) 2024 Quynh Nguyen https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-03-31 2024-03-31 21 1 eK24015 eK24015 A morte da Psicologia: https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12633 <p>Hans Jonas, Harari e Han abordam o impacto da tecnologia na vida humana. Enquanto Jonas carece de experiência em logaritmos e IAs, previu a rápida evolução técnico-científica. Ele também sabia que as novas tecnologias afetariam relações humanas e nas entrelinhas deixa sutilmente a ideia de que a psicologia enfrentaria alguns desafios. Por meio de uma revisão bibliográfica, serão analisados conceitos como sociedade da transparência e infoesfera, revelando a digitalização crescente. Consequentemente, a ênfase na informação digital compromete a subjetividade e a introspecção, como alertado por Harari. Além disso, com a coleta massiva de dados, algoritmos e IAs podem manipular e descrever indivíduos detalhadamente, exigindo uma revisão dos valores éticos contemporâneos.</p> Sandonaity Monteiro Amorim Júnior Joziane Kamily da Silva Oliveira Tereza Raquel Lucena de Oliveira Karidja Kalliany Carlos de Freitas Moura Copyright (c) 2024 Sandonaity Monteiro Amorim Júnior, Joziane Kamily da Silva Oliveira, Tereza Raquel Lucena de Oliveira, Karidja Kalliany Carlos de Freitas Moura https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-04-09 2024-04-09 21 1 eK24016 eK24016 Toward Hermeneutical Community and Hospitality https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/12403 <p>Esse artigo delineia um diálogo entre hermenêutica filosófica e desconstrução no que tange dois conceitos importantes tanto para a Filosofia, quanto para as Relações Internacionais: comunidade e hospitalidade, as quais têm a ver com as reflexões kantianas sobre cosmopolitismo. Eles são cruciais para a descrição e compreensão da chamada “sociedade internacional”. A análise busca mostrar que ambas podem alcançar uma melhor produtividade se guiadas pela ideia paradoxal de “estranheza”. Essa ideia poderia “desconstruir” tanto a comunidade, quanto a hospitalidade ao constantemente mostrar as suas “clausuras” particulares. Então, podemos começar a ver as interações entre eles e sua produtividade filosófica para análise da “sociedade internacional”.</p> Rodrigo Viana Passos Copyright (c) 2024 Rodrigo Viana Passos https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-04-26 2024-04-26 21 1 eK24017 eK24017 Explorando as Fronteiras da Superveniência: Uma defensa disjuntivista ao argumento da Causalidade https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/13031 <p>O objetivo deste estudo é fornecer uma defesa do Realismo Ingênuo/Disjuntivismo, apresentando uma nova resposta ao Argumento Causal de Michael Martin que resista à sua subconclusão de que as percepções instanciam a propriedade fundamental das alucinações. Para alcançar esse objetivo, conduzimos uma análise crítica da premissa do argumento, que sustenta que meros processos mentais são suficientes para a exemplificação das propriedades fundamentais das alucinações. Direcionamos nossos questionamentos às razões apresentadas por defensores do argumento, que se baseiam na conjunção de duas proposições. A primeira proposição, nosso foco no presente estudo, afirma que as experiências, em geral, são exclusivamente causadas por processos cerebrais. Essa razão é principalmente respaldada por regularidades observadas entre o cérebro e eventos mentais. No entanto, questionamos esse último passo com base na concepção de que ele implica uma conclusão inadequada a partir de dados empíricos. Em primeiro lugar, isso ocorre por desconsiderar possíveis hipóteses causais adicionais que, segundo o modelo de causação de propriedades determináveis, admitem padrões extras sobrepostos. Em segundo lugar, a razão ignora algumas observações fundamentais sobre subdeterminação empírica</p> Ícaro Miguel Ibiapina Machado Copyright (c) 2024 Ícaro Miguel Ibiapina Machado https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-09 2024-05-09 21 1 ek24018 ek24018 Ensinando a Transgredir a Ordem do Discurso https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/11880 <p>Este texto tem por objetivo realizar reflexões, no âmbito da linguagem, sobre a escrita da autora norte-americana bell hooks, em <em>Lingua: ensinando novos mundos/ novas palavras, </em>que compõe o capítulo 11 do livro <em>Ensinando a Transgredir: a educação como prática da liberdade</em>, situando o debate interseccional da autora a partir da análise de Michel Foucault sobre a produção do discurso, na sua aula inaugural no Collège de France: <em>A ordem do discurso. </em>Para isso, apontamos alguns autores que marcaram a relação entre racismo e linguagem na constituição da sociedade contemporânea: Franz Fanon e as consequências da colonialidade para a população negra; Beatriz Nascimento, advertindo a importância de o negro narrar-se a si mesmo; e Lélia González, com a designação do termo “Pretuguês”, que representaria a linguagem como uma camada fundante da cultura brasileira. Concluímos que, tanto para bell hooks como para Foucault, a linguagem é bem mais que uma ferramenta de comunicação neutra e objetiva, mas pode se tornar uma condutora poderosa na construção de identidades e do pensamento crítico à medida que provoca tensões. Daí a relevância de situar o pensamento de Foucault no debate que intersecciona gênero e raça no contexto da educação.</p> Ruth Furtado Costa Lucas Nogueira do Rêgo Monteiro Villa Lages Copyright (c) 2024 Ruth Furtado Costa, Lucas Villa https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-05-14 2024-05-14 21 1 eK24019 eK24019