Kalagatos https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos <p>A revista de Filosofia Kalagatos foi criada em 2004 segundo a iniciativa de professores do Curso de Mestrado Acadêmico em Filosofia - CMAF da Universidade Estadual do Ceará - UECE com o intuito de fomentar a pesquisa e a publicação de pesquisadores nos programas de pós graduação em filosofia e áreas afins, bem como de professores no que diz respeito ao âmbito no pensamento filosófico. Desde sua criação, os editores da revista vêm se empenhando para trazer aos leitores, semestralmente, novas edições com artigos inéditos de pesquisadores de todo o Brasil. Oferecendo assim a divulgação da pesquisa de autores que submetem seus artigos para avaliação da revista.</p> <p> </p> CMAF - UECE pt-BR Kalagatos 1808-107X Bachelard - Conversações https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7210 Gabriel Kafure da Rocha Nilton Guimarães Silva Pedro Olivieri Fonseca Marcelo Martins Kretsch Cintia Natalia Chrisosttimo Petronilo Amanda Luciane Simão Lança Luis Filipe Santana Soares Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 226 246 Apresentação https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7290 Vicente Brazil Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 1 7 A Crítica da Modernidade de Alasdair MacIntyre https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7159 <p>O trabalho analisa a crítica de Alasdair MacIntyre contra a modernidade em seu livro “Depois da Virtude” e contrapõe essa proposta em virtude do contexto contemporâneo. MacIntyre parte de uma visão do caos em que a filosofia e as ciências se encontram, com apenas teorias fragmentárias, incapazes de se realocar em um mundo que já não se reconhece a si mesmo. Entre os motivos desta crise está a própria jovialidade da história acadêmica, incapaz de compreender os antelóquios do colapso. Um dos sintomas do problema e a preponderância das teorias emotivistas, que expõe que todos os juízos morais são expressões de preferência, sentimentos ou atitudes, totalmente subjetivos e irredutíveis à uma análise mais precisa. A Ética de Virtudes do Estagirita é defendida como a solução para o problema. No final será mostrado que essa proposta poderá não satisfazer o espectro moral contemporâneo.</p> Magnus Dagios Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 8 21 A Coisa e as contradições do perceber https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7150 <p>O presente trabalho objetiva apresentar a exposição hegeliana da percepção conforme caracterizada no segundo capítulo da <em>Fenomenologia do Espírito</em>. Para tanto, seguindo a estrutura e desenvolvimento do próprio texto, introdutoriamente, há uma breve análise da passagem da certeza sensível à percepção; em seguida, delinea-se a caracterização hegeliana da <em>coisa</em> enquanto objeto a ser apreendido verdadeiramente pela percepção e o processo de <em>experiências da consciência </em>na tentativa de apreensão da verdade da coisa e as contradições inerentes a tal processo. Derradeiramente, demonstra-se como o reconhecimento das insuficiências manifestadas impulsiona a mudança para uma figura de consciência mais complexa, nomeadamente, o entendimento.</p> João Marcelo Silva da Rocha Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 22 39 Nietzsche y Freud: el Nachträglichkeit de la construcción discursiva https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7137 <p>En el presente trabajo se buscará mostrar cómo al desplegar la noción de vida, la construcción de la discursividad tanto en Freud como en Nietzsche se da desde una particular dinámica, la del <em>Nachträglichkeit</em> –concepto freudiano que refiere a la reorganización de un evento pasado que plenifica su sentido en la actualidad. Para ello se abordará la resignificación que se produce con la práctica desaparición de la figura del <em>Übermensch</em> y del ditirambo en la obra post-<em>Zarathustra</em> nietzscheana, y con la ruptura de la pauta epistemológica de la metapsicología freudiana a partir de <em>Más allá del principio del placer</em>.</p> Alonso Zengotita Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 40 64 Chuvalkin, o moderno narrador benjaminiano: o conceito de história na anedota de Franz Kafka https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7160 <p>Walter Benjamin apresenta em seu texto <em>Kafka, a propósito do décimo aniversário de sua morte </em>(1994) o privilegiado narrador moderno: Chuvalkin. Conta-se a História do chanceler Potemkin, no reinado de Catarina II da Rússia (1729-1796), a quem toda a máquina estatal dependia, quando ficou incomunicável por conta de sua depressão, irrompe do tempo onírico Chuvalkin, num lampejo entre o perigo e a esperança, colhe as assinaturas documentais e destrava a imobilidade histórica. Entretanto, em vez de Potemkin tudo estava assinado em nome de Chuvalkin. Trata-se de uma anedota benjaminiana cuja análise desse trabalho é destacar a grande influência de Kafka.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> José Ailton Carlos Correia Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 65 83 Aufklärung em Kant: Olhares de Adorno, Horkheimer e Foucault https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7141 <p>O objetivo é mostrar aspectos da <em>Aufklärung</em> sob abordagens de Kant, Adorno e Horkheimer, e Foucault. Primeiramente o intento é pensar brevemente sobre o conhecimento, considerando Nietzsche e Aristóteles. Subsequentemente, tendo em vista o Iluminismo, então se discute sobre o Método Cartesiano para fazer Ciência e questionamentos sobre como conhecer sob o olhar de Hume. Kant, Adorno e Horkheimer, e Foucault percebem a <em>Aufklärung </em>em acordo com as lentes de suas perspectivas filosóficas; a kantiana que valoriza o sujeito e o uso da razão, a crítica dos filósofos da Escola de Frankfurt e a historiográfica e discursiva de Foucault. &nbsp;&nbsp;</p> Daniana de Costa Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 84 99 A Razão na posição de “Lobo em Pele de Cordeiro” https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7144 <p>O presente artigo parte de uma investigação inspirada no pensamento de Theodor Adorno, para pensar o conceito de Formação (<em>Bildung</em>), em conexão com sua discussão sobre a filosofia e a dialética negativa. A conexão desses três fatores fornece substrato reflexivo para criticarmos a racionalidade moderna, ao mesmo tempo que buscamos alternativas para o quadro de morticínio, que marcou o século XX e continua a delinear nossas existências na atualidade, principalmente com os resultados de infectados e mortos, em decorrência da pandemia de Covid-19.</p> Everton Marcos Grison Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 100 120 Considerações sobre Repetição, Arte e Pensamento em Diferença e Repetição https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7184 <p>O objetivo deste escrito é examinar alguns efeitos, tanto para a arte quanto para a filosofia, do pensamento deleuziano da diferença e da repetição, cuja principal característica consiste em tratar da arte e da filosofia como partes imanentes e inseparáveis de um único e mesmo “plano”. O artigo será dividido em três etapas: em primeiro lugar, abordaremos como Deleuze concebe as linhas gerais do conceito de repetição e qual a sua implicação para a relação entre arte e pensamento; em segundo lugar discutiremos em que medida a repetição compõe uma nova noção de <em>sistema</em> que prima pela divergência, a ausência de centro, as transformações e disfarces. Esse é o mundo dos simulacros, mas também podemos compreendê-lo como o mundo da repetição; em terceiro lugar, sob o aspecto de conclusão, faremos uma relação entre as consequências do conceito de repetição para o pensamento, esse compreendido como um problema que surge das relações extrafilosóficas.</p> Leandro Lelis Matos Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 121 143 Reificação e reconhecimento na teoria política em Axel Honneth https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7271 <p>Com o objetivo de implementar uma análise crítica acerca da intersubjetividade e sua relação com as patologias sociais, o autor contemporâneo Axel Honneth (1949-) se propõe a discutir o conceito de reificação em sua teoria política. Para tanto, autor da escola de Frankfurt se debruça na teoria de outro filósofo importante oriundo da tradição marxista do século XX: Georg Lucaks. Isso se deve à incorporação do termo reificação na tentativa de recolocar a teoria marxista no centro das discussões da teoria crítica. Contudo, para a compreensão atual da utilização do conceito, tornou-se necessário libertar seu referencial originário meramente econômico. É nessa direção de tentar libertar a reificação de “possíveis amarras” da esfera econômica que Axel Honneth pretende reatualizar essa categoria. Além de retomar os principais aspectos do conceito de reificação, segundo a análise do “fetichismo da mercadoria”, o presente artigo pretende apresentar a interpretação de Honneth para os processos sociais reificantes. No primeiro momento serão analisadas as relações dos sujeitos com o mundo circundante. Já o segundo momento, a análise vai se concentrar nas relações sociais entre os sujeitos e nos efeitos patológicos da autoreificação sobre a autorrealização ética. Por fim, o terceiro momento, pretenderá discutir as consequências psicossociais desta produção sucessiva de novas patologias sociais decorrentes da reificação como “esquecimento do reconhecimento”.</p> José Aldo Camurça de Araújo Neto Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 144 165 O Esvaziamento do garantismo penal temperado pela influência midiática https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7166 <p>Para conformar a tensão entre os instrumentos punitivos do Estado e os direitos individuais, a Constituição funda o Direito Penal garantista, como ferramenta de <em>ultima ratio</em>. Em contrariedade aos direitos fundamentais, entretanto, configura-se um Direito Penal máximo. A mídia difunde o medo que constrói um inimigo, o pobre, e legitima a repressão autoritária. O diálogo estabelecido entre os referenciais teóricos da Criminologia Crítica aponta que, em vez de uma atuação penal mínima, há o recrudescimento da repressão em favor de interesses exclusivos das elites dominantes. Configura-se, assim, um Direito Penal seletivo, com a finalidade de manter as estruturas sociais desiguais.</p> Mariana Marujo Velloso Daniel Arruda Nascimento Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 166 189 De Besouro a Matinta: capoeira e filosofia na obra de Paulo César Pinheiro https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7207 <p>Paulo César Pinheiro (1949-) é um dos mais consagrados músicos brasileiros. Sua trajetória como compositor agrega parcerias com nomes como Pixinguinha, Baden Powell, Tom Jobim, Edu Lobo, João de Aquino, João Nogueira, Toquinho e muitos outros. Poeta, escritor (de romance e teatro), Paulo César é, provavelmente, o único compositor da música popular brasileira a compor um disco inteiramente dedicado a um capoeirista. <em>Capoeira de Besouro</em> (2010) é um marco na discografia da capoeira. Transitando entre o histórico e o mítico, a vida de Manoel Henrique Pereira ou Besouro mangangá, é cantada a partir de 14 toques de berimbau que revelam desde aspectos da personalidade conflitiva do negro no século XIX até dimensões sobrehumanas dignas das encantarias que povoam a cultura folclorica brasileira. Nesse artigo, realizo, em um primeiro momento, um percurso focado nos aspectos históricos em torno da figura de Manoel Henrique Pereira para, em seguida, adentrar na interpretação poético-musical articulando o romance <em>Matinta, o Bruxo</em> (2011) e as composições, em particular, presentes em <em>Capoeira de Besouro</em> buscando estabelecer os vínculos de similitudes entre o universo literário e fonográfico de Paulo César Pinheiro.</p> Cicero Cunha Bezerra Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 190 225 "Entre o Absurdo e a Revolta" https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/7289 Debora Maria dos Santos Copyright (c) 2021 cc-by https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/br/ 2021-11-13 2021-11-13 18 1 247 249