Considerações sobre o teor testemunhal dos escritos de João da Cruz e Primo Levi

Autores

  • Artur Viana do Nascimento Neto Universidade Federal do Ceará

Palavras-chave:

Testemunho, Experiência traumática, Noite escura, Primo Levi, João da Cruz

Resumo

A experiência traumática tem suscitado interesse em várias áreas de estudo, como a Psicologia, a Filosofia, a Literatura, a Sociologia. Na Literatura, por exemplo, contamos com numerosos relatos testemunhais de vivências traumatizantes (ANTELME, 1957; KLÜGER, 2005; LEVI, 2016, 2010, 1988), que impressionam pelo fato de serem memórias dolorosas que conseguiram ser comunicadas. Este trabalho, portanto, tem o objetivo de comparar o relato testemunhal de dois sobreviventes, Primo Levi e João da Cruz, que nos apresentam, cada um a seu modo, a experiência de reclusão que tiveram. Neste estudo comparativo, demonstramos que em Primo Levi o testemunho é um imperativo, um dever perante a memória dos que morreram, enquanto em João da Cruz o testemunho do cárcere toledano se encontra associado à comunicação da experiência mística da noite escura.

Referências

ADORNO, T. W. Dialética Negativa. Tradução de Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Zahar, 2009a.

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, T. W. Indústria cultural e sociedade. Tradução de Juba Elisabeth Levy. 5ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009b.

AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Traduizido por Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

ANTELME, R. L’espèce humaine. Paris: Gallimard, 1957.

BALDINI, M. Il linguaggio dei mistici. Brescia: Queriniana, 1990.

BAUMAN, Z. Modernidade e holocausto. Tradução de Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

BÄUMER, R.; PLATTING, M. (ed.). Noche oscura y depresión: crisis espirituales y psicológicas, naturaleza y diferencia. Bilbao: Desclée de Brouwer, 2011.

BETTELHEIM, B. O coração informado: autonomia na era da massificação. Tradução de Celina Cardim Cavalcanti. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

EGIDO, A. El águila y la tela: estudios sobre Santa Teresa de Jesús y San Juan de la Cruz. Palma de Mallorca: José J. de Olañeta Editor, 2010.

FONSECA, M. C. B. Do trauma ao fenômeno psicossomático (FPS): lidar com o sem-sentido? Ágora, v. 10, n. 2, p. 229-244, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982007000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 05 jan. 2021.

FRANKL, V. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Petrópolis: Editora Vozes, 1991.

FULGENCIO, L. A noção de trauma em Freud e Winnicott. Nat. hum. [online]. vol.6, n.2, p. 255-270, 2004. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1517-24302004000200003&script=sci_abstract . Acesso em: 04 jan. 2021.

JAQUES, A. A. B. As neuroses de guerras e traumáticas: respostas do sujeito à barbárie. Trivium, v. 4, n. 1, p. 10-24, 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-48912012000100003&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 05 jan. 2021.

JOÃO DA CRUZ, Noite escura. In: JOÃO DA CRUZ, Obras completas. Marco de Canaveses: Edições Carmelo, 2005.

JONES, R. H. Philosophy of Mysticism : rainds on the ineffable. New York : Suny Press, 2016.

KLÜGER, R. Paisagem da memória: autobiografia de uma sobrevivente do Holocausto. Tradução de Irene Aron. São Paulo: Editora 34, 2005.

LEUBA, J. H. The psychology of religious mysticism. London : Routledge, 1925. Disponível em : https://archive.org/details/in.ernet.dli.2015.173703/page/n11/mode/2up. Acesso em: 26 dez. 2020.

LEVI, P. A Trégua. Tradução de Marco Lucchesi. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

LEVI, P. Conversazioni e interviste. Torino: Einaudi, 1997.

LEVI, P. É isto um homem? Tradução de Luigi Del Rei. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

LEVI, P. Os afogados e os sobreviventes: os delitos, os castigos, as penas, as impunidades. Tradução de Luiz Sérgio Henriques. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

LEVY, S. D. Histórias de vida: marcas do trauma em narrativas de sobreviventes da Shoah. In: Arquivo Maaravi, v. 11, n. 20, p. 1-9, 2017.

MACHO DUQUE, M. J. El símbolo de la noche en San Juan de la Cruz: estudio léxico-semántico. Salamanca: Universidad de Salamanca, 1982.

MACHO DUQUE, M. J. La espiritualidad española del siglo XVI: aspectos literarios y lingüísticos. Salamanca: Universidad de Salamanca, 1990.

MANCHO DUQUE, M. J. Modulaciones simbólicas de la noche sanjuanista. In: SANCHO FERMÍN, F. J.; CUARTAS LONDOÑO, R. Noche oscura de San Juan de la Cruz: actas del II Congreso Mundial Sanjuanista, Ávila, 3 a 9 de septiembre de 2018. Burgos: Monte Carmelo; Fonte; Universidad de la Mística; p. 101-120.

MANCHO DUQUE, M. J. Palabras y símbolos en San Juan de la Cruz. Madrid: Fundación Universitaria Española, 1993.

MANCHO DUQUE, M. J. Panorámica sobre las raíces originarias del símbolo de la Noche de San Juan de la Cruz. In: Boletín de la Biblioteca de Menéndez Pelayo, año 63, 1987, p. 125-155. Disponível em: http://www.cervantesvirtual.com/obra-visor/boletin-de-la-biblioteca-de-menendez-pelayo--80/html/036dc8ce-82b2-11df-acc7-002185ce6064_239.html. Acesso em: 15 dez. 2020.

MORENO RODRÍGUEZ, I. La noche como experiencia biográfica y existencial en Juan de la Cruz. In: SANCHO FERMÍN, F. J.; CUARTAS LONDOÑO, R. Noche oscura de San Juan de la Cruz: actas del II Congreso Mundial Sanjuanista, Ávila, 3 a 9 de septiembre de 2018. Burgos: Monte Carmelo; Fonte; Universidad de la Mística; p. 39-63.

RODRÍGUEZ FERNÁNDEZ, M. I (org.). Congreso de Antropología, Psicología y Espiritualidad, Ávila 2011. Burgos: Monte Carmelo; Fonte; Universidad de la Mística, 2012.

RODRÍGUEZ FERNÁNDEZ, M. I. Noche oscura y depresión. In: Revista de Espiritualidad, vol. 78, nº 310, 2019, p. 85-115. Disponível em: http://www.revistadeespiritualidad.com/upload/pdf/2662articulo.pdf. Acesso em: 16 dez. 2020.

RODRÍGUEZ, J. V. San Juan de la Cruz: la biografía. Madrid: San Pablo, 2012.

SELIGMANN-SILVA, M. (Org.). História, memória, literatura: o testemunho na era da catástrofe. Campinas: Unicamp, 2003.

SELIGMANN-SILVA, M. (Org.). Palavra e imagem: memória e escritura. Chapecó: Argos, 2006.

SELIGMANN-SILVA, M. Auschwitz: história e memória. Pro-Posições [S.I.], v. 1, n. 5, p. 78-87, 2000. Disponível em: http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/textos/32-artigos-seligmannm.pdf. Acesso em: 18 maio 2018.

SELIGMANN-SILVA, M. Literatura e trauma. Pro-Posições [S.I.], v. 13, n. 3, p. 135-153, mar. 2016. ISSN 1982-6248. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643943. Acesso em: 25 jun. 2018.

SELIGMANN-SILVA, M. Narrar o trauma – A questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia clínica [online]. Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pc/v20n1/05.pdf>. Acesso em: 15 maio 2018.

STACE, W. T. Mysticism and Philosophy. London : The Macmillan Press, 1960.

TERESA DE JESUS, Castelo Interior ou Moradas. In: TERESA DE JESUS, Obras completas. Marco de Canaveses: Edições Carmelo, 2015.

WINNICOTT, D. W. Explorações psicanalíticas. Tradução de José Octavio de Aguiar Abreu. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1994.

Downloads

Publicado

2021-07-06

Como Citar

Viana do Nascimento Neto, A. (2021). Considerações sobre o teor testemunhal dos escritos de João da Cruz e Primo Levi. Conexão ComCiência, 1(3). Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/conexaocomciencia/article/view/5531