O COLÉGIO JESUÍTA ENTRE A COMPOSIÇÃO DE IDEIAS E SONS NA BAHIA COLONIAL

Autores

  • Diego Luiz Ribeiro de Almeida UPE
  • Karina Moreira Ribeiro da Silva e Melo UPE

Palavras-chave:

Cultura letrada, Música, Indígenas, Jesuítas

Resumo

Neste trabalho, buscamos apontar a função sociocultural do Colégio Jesuíta da Bahia no Brasil Colonial, especialmente no que se refere à formação intelectual e catequese indígena. Por ser uma instituição de ensino que também atendia o público leigo, ou seja, cristãos e convertidos que não pertenciam às camadas eclesiásticas da igreja católica, o colégio da Bahia participava ativamente da vida política da então capital da colônia. Dessa forma, nos baseamos principalmente na proposta de Gouvêa, Frazão e Santos (2004) acerca das redes de poder e conhecimento, bem como a formação de círculos letrados idealizada por Souza (2015). Além deste referencial bibliográfico, usaremos também a análise de fontes primárias escritas por padres que estiveram no colégio, como Fernão Cardim e Cristóvão Valente. Com isso, esperamos demonstrar a fundamental importância do Colégio da Bahia neste recorte específico, como um importante polo na estrutura da colônia portuguesa nas américas.

Biografia do Autor

Diego Luiz Ribeiro de Almeida, UPE

Graduando no curso de Licenciatura em História pela UPE – Campus Garanhuns e bolsista de Iniciação Científica pela Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (FACEPE) com o subprojeto Práticas musicais em colégios das capitanias do Norte entre fins do século XVI e início do XVII.

Karina Moreira Ribeiro da Silva e Melo, UPE

Doutora em História Social pela Universidade Estadual de Campinas e orientadora do projeto de Iniciação Científica intitulado Entre fronteiras coloniais e imperiais: Indígenas na formação histórica de Pernambuco, do qual o aluno bolsista acima faz parte. Coordenadora e professora adjunta do Curso de Licenciatura em História da UPE – Campus Garanhuns e colaboradora do Mestrado Profissional em Culturas Africanas, da Diáspora e dos Povos Indígenas (PROCADI).

Referências

FONTES PRIMÁRIAS

Autores e Livros: suplemento literario de A Manhã. In: Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/066559/2589. Acesso em 28 set. 2021.

CARDIM, Fernão. Narrativa epistolar de uma viagem e missão jesuítica pela Bahia, Ilheos, Porto Seguro, Pernambuco, Espírito Santo, Rio de Janeiro, S. Vicente, S. Paulo, etc. desde o anno de 1583 ao de 1590, indo por visitador o P. Christovam de Gouvea escripta em duas Cartas ao P. Provincial em Portugal. Lisboa: Imprensa Nacional, 1847. Acervo digital, coleção de livros. Biblioteca brasiliana Guita e José Martin Mindlin, Universidade de São Paulo. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/4790?locale=en. Acesso em: 20/08/2020.

DENIS, Ferdinand. Uma festa brasileira. Brasília: Conselho editorial do Senado Federal, 2011.

Documentos Manuscritos Avulsos Referentes à Capitania de Pernambuco - Projeto Resgate, nº 5613. In: Arquivo Histórico Ultramarino. Disponível em: http://resgate.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=015_PE&pagfis=48385. Acesso em: 15 set, 2021.

Jornal do commercio (RJ). In: Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/364568_13/18889. Acesso em 29 set. 2021.

SOUSA, Gabriel Soares de. Tratado descritivo do Brasil em 1586. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1851 (1587). Disponível em https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/4795/1/017204_COMPLETO.pdf. Acesso em 1 out. 2021.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AYROSA, Plinio. Poemas brasílicos do pe. Cristóvao Valente, S.J. (Notas e tradução). São Paulo: Sem editora, 1941.

BOWIE, Andrew. MUSIC, PHILOSOPHY, AND MODERNITY. New York: Cambridge University Press, 2007.

CANCELA, Francisco. De volta ao tema da primeira prisão da Inquisição no Brasil: balanço historiográfico e novos olhares sobre a experiência de Pero do Campo Tourinho. Revista Pindorama, v. 1, n. 01, Bahia, jul-dez, 2010, p. 1-20. Disponível em: https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/Pindorama/article/view/358. Acesso em: 15 set. 2021.

GINZBURG, Carlo. O Queijo e Os Vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 2006 [1939].

GOUVEA, Maria de Fátima Silva; FRAZAO, Gabriel Almeida; SANTOS, Marília Nogueira dos. Redes de poder e conhecimento na governação do Império Português, 1688-1735. Topoi, v. 5, n. 8, Rio de Janeiro, jan-jun, 2004, pp. 96-137.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Tomo I. Lisboa: Livraria Portugália, 1938.

MONTEIRO, John Manuel. Unidade, diversidade e a invenção dos índios: entre Gabriel Soares de Sousa e Francisco Varnhagen. Revista de História, s. v., n. 149. São Paulo, jul-dez, 2003, p. 109-137.

PUNTONI, Pedro. O Estado do Brasil: poder e política na Bahia colonial (1548-1700). São Paulo: Alameda, 2013.

SILVA, Kalina Vanderlei Paiva da. ‘Nas Solidões Vastas e Assustadoras'- Os pobres do açúcar e a conquista do sertão de Pernambuco nos séculos XVII e XVIII. Tese (Doutorado – Programa de Pós Graduação em História da UFPE). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2003.

SOUZA, Juarlyson Jhones Santos de. O Colégio Jesuíta da Bahia e a formação de círculos letrados nas duas últimas décadas do século XVI. Os casos de Bento Teixeira e Bartolomeu Fragoso. In: Territórios & Fronteiras, v. 8, n. 2, Cuiabá, jul-dez, 2015, p. 365-384.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular de índios, negros e mestiços. Petrópolis: Editora Vozes Ltda, 1972.

TODOROV, Tzvetan. A Conquista da América: a Questão do Outro. 2ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

VAINFAS, Ronaldo. A Problemática das Mentalidades e a Inquisição no Brasil Colonial. In: Estudos Históricos, vol. 1, n. 1, Rio de Janeiro, jan-jun, 1988, p. 167-173.

Publicado

2022-05-03

Como Citar

ALMEIDA, D. L. R. de .; SILVA E MELO, K. M. R. da . O COLÉGIO JESUÍTA ENTRE A COMPOSIÇÃO DE IDEIAS E SONS NA BAHIA COLONIAL. Revista de História Bilros: História(s), Sociedade(s) e Cultura(s), [S. l.], v. 9, n. 19, p. 78–96, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/bilros/article/view/8198. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS