PATERNIDADE ATIVA:

A LÓGICA DAS REDES SOCIAIS

Autores

  • Tuany Abreu de Moura UECE/DÍCTIS

Palavras-chave:

paternidade ativa, redes sociais,, masculinidades

Resumo

Esse artigo é o compartilhamento dosresultados da pesquisa intitulada Paternidades Contemporâneas: um estudo sobre paternidade “ativa” e “positiva” nas redes sociais (2018 -2021). Esta dissertação buscou compreender a “paternidade ativa” entendida como uma das manifestações das paternidades contemporâneas. Essa paternidade teve as redes sociais on line como principal espaço de visibilização e debates, geralmente realizados por produtores de conteúdo para demarcar uma prática de paternidade que participa ativamente na economia do cuidado dos filhos e do lar. Esta paternidade estabelece uma relação horizontal entre os integrantes da família. Nosso objetivo nesse artigo é mostrar a relação que essa paternidade manteve com as redes sociais. O estudo foi realizado por meio da pesquisa bibliográfica e de campo ancoradas em uma abordagem qualitativa. O campo da pesquisa foi constituído pelas páginas e canais de redes sociais online de pais e influenciadores digitais produtores de conteúdos sobre paternidade ativa no período de 2018-2021. As incursões realizadas ao campo tiveram como inspiração o método etnográfico. Desse modo, houve  a elaboração de diário de campo e banco de dados on line para registrar as observações realizadas em imagens, áudios, vídeos e textos postados das redes analisadas. A hipótese que interpretamos  a paternidade ativa repousa no processo de ressignificação do ser pai frente as mudanças da sociedade contemporânea embasada nos conceitos de liberdade, igualdade  e individualização.

Biografia do Autor

Tuany Abreu de Moura, UECE/DÍCTIS

Mestra em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará- UFC. Graduada em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará- UECE. 

E-mail: tuany.abreu@uece.br

Referências

AGUAYO, Francisco; KIMELMAN, Eduardo. Guía de paternidade activa para padres. Santiago de Chile, CL: UNICEF, 2014. Disponível em: https://www.unicef.org/chile/media/1126/file/guia_de_paternidad_activa_para_padres.pdf. Acesso em: 19 set.2019.

ALMEIDA, Angela Mendes de. Notas sobre a família no Brasil. In: ALMEIDA, Angela Mendes de et al. Pensando a família no Brasil: da colônia a modernidade. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo: UFRRJ, 1987.

ALVES, Rachel Cristina Vesú. Metadados como elementos do processo de catalogação. 2010. 132 f. Tese (Doutorado em Ciências da Informação) - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/103361. Acesso em:19 set. 2019.

D’ANDRÉA, Carlos. Pesquisando plataformas digitais on line: conceitos e métodos. Salvador: EDUFBA, 2020.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução: Dora Flaksman. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

ARILHA, Margareth Martha. Masculinidade e gênero: discursos sobre responsabilidade na reprodução. Orientador: Fúlvia Rosemberg. 1999. 126f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Pontificia Universidade Católica, São Paulo, 1999. Disponivel em:https://www.pagu.unicamp.br/pf-pagu/public-files/arquivo/24_arilha_margaret_termo.pdf.

Acesso em: 19 set. 2019.

BECK, Ulrich; BECK-GERNSHEIM, Elisabeth. O caos totalmente normal do amor. Tradução: Fernanda Romero Fernandes Engel e Milton Camargo Mota. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. 6. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira Editora, 1985.

BADINTER, Elisabeth. XY: sobre a identidade masculina. Tradução de Maria Ignez Duque Estrada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BERNARDI, Denise. Paternidade e cuidado: “novos conceitos”, velhos discursos. Psic. Rev., São Paulo, v. 26, n.1, p. 59-80, 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/psicorevista/article/view/28743. Acesso em: 06 out. 2021.

BURGESS, Jean; GREEN, Joshua. YouTube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. Tradução: Ricardo Giassetti. SãoPaulo: Aleph, 2009.

CAVALCANTE, Clarisse Castro. Desafio da maternidade ou da adequação?: análise dos discursos sobre ser mãe no Facebook, a partir do depoimento de Juliana Reis. In: CONGRESSOBRASILEIRODECIÊNCIASDACOMUNICAÇÃO, 40, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Intercom, 2017. Disponível em: https://www.portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-0480-1.pdf. Acesso em: 06 out. 2021.

CICCHELLI, Vicenzo; PEIXOTO, Clarisse Ehlers. SINGLY, François de. (org.). Família e individualização. Tradução: Angela Xavier de Brito. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

CONNELL, Raewyn. Gênero: uma perspectiva global. Tradução: Marília Moschkovich. São Paulo: nVersos, 2015.

CONNELL, Robert W. Políticas da masculinidade. In: Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p.185-206, 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71725.

Acesso em: 07 ago.2019.

CORNEAU, Guy. Pai ausente, filho carente. Tradução: Fernanda Silva Rando. Barueri, SP: Manole, 2015.

CHAUVIN, Sébastien; JOUNIN, Nicolas. A observação direta. In: PAUGAM, Serge (coord.). A pesquisa sociológica. Tradução: Francisco Morás. Petrópolis, RJ: Editora vozes, 2015.

DONATH, Orna. Mães arrependidas: uma outra visão da maternidade. Tradução: MarinaVargas. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

ELIAS, Norbert. A civilização dos pais. Revista Sociedade e Estado, v. 27, n. 3, set./dez.2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/se/a/d8cs7Bb6zx8n83kgYdP7kRH/?lang=pt. Acesso em: 06 out. 2021.

FLICK, Uwe. Desenho da pesquisa qualitativa. Tradução: Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIDDENS, Anthony. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. Tradução: Magda Lopes. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993.

GOMES, Aguinaldo José da Silva; RESENDE, Vera da Rocha. O pai presente: o desvelar da paternidade em uma família contemporânea. Psicologia:Teoria e Pesquisa, v.20, n.2, p. 119-

mai./ago. 2004. Disponivel em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v20n2/a04v20n2.pdf. Acesso em: 07 jun. 2019.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Tradução: Ana Luiza Libânio. 2. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 2018.

HOOKS, Bell. Teoria Feminista: da margem ao centro. Tradução: Rainer Patriota. SãoPaulo: Perspectiva, 2019.

LEBRUN, Jean-Pierre. Um mundo sem limite: ensaio para uma clínica psicanalítica do social. Jose Nazar (org.). Tradução: Sandra Regina Filgueiras. Rio de Janeiro: Companhia Freud, 2004.

LYRA, Jorge; MEDRADO, Benedito. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Estudos Feministas, v. 16, n. 3, p.809-840., set-dez, 2008. Disponívelem:https://www.scielo.br/j/ref/a/7VrRmvB6SNMwQL5r6mXs8Sr/?lang=pt.

Acessoem: 06 out.2021.

LYRA, Jorge; MEDRADO, Benedito. O gênero dos/nos homens: linhas de uma proto-genealogia. Ciênc. Saúde Coletiva, v.17, n.10, p. 2579-2581, out. 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001000003. Acesso em: 04 jul.2022

NOLASCO, Sócrates. O mito da masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco 1995.

MÃE,Valter Hugo. O filho de mil homens. São Paulo: Biblioteca Azul, 2016.

MENDES, Lorena Sena Teixeira; ROCHA, Neusa Sica da. Teoria do Apego: conceitos

básicos e implicações para a psicoterapia de orientação analítica. In: Revista Brasileira de Psicoterapia. v.18., n.3.,dez. 2016, p.1-15. Disponível em: https://rbp.celg.org.br/detalhe_artigo.asp?id=209. Acessoem: 06 out.2021.

MILLER, Daniel; SLATER, Don. Etnografia on e off-line: cibercafés em trinidad. In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 10, n. 21, p. 41-65, jan./jun. 2004. Disponívelem: https://www.scielo.br/j/ha/a/byXgK3hjvpRs4snhb8MSbGy/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 06 out.2021.

MINATEL, Isabela. Crianças sem limites: educação empreendedora na primeira infância. Barueri, SP: Novo Século Editora, 2019.

MINATEL, Isa. Temperamentos sem limites: como conseguir resultados com crianças da raiva e com crianças da tristeza. Barueri, SP: Novo Século Editora, 2019.

NELSEN, Jane. Disciplina positiva. Tradução: Bernadette Pereira Rodrigues e SamanthaSchreier.3.ed. Barueri, SP. Manole, 2015.

PELÚCIO, Larissa. Amor em tempos de aplicativos: masculinidades heterossexuais e anegociações de afetos na nova economia do desejo. 2017. 230f. Tese (Livre docência) –Departamento de Ciências Humanas da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual deSão Paulo, Bauru, 2017.

PEREIRA, Jamile Peixoto. Da paternidade responsável à paternidade participativa? Representações de paternidade na política nacional de atenção integral à saúde do homem (PNAISH). Orientador: Dagmar Elisabeth Estermann Meyer. 2015. 119f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva,Universidade Federal doRio Grandedo Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2015.

PIZA, Mariana Vassallo. O fenômeno Instagram: considerações sob a perspectiva tecnológica. Orientador: Michelangelo Giotto Santoro Trigueiro. 2021. 48 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais) – Instituto de Ciências Sociais, Departamentode Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. 2.ed. Porto Alegre: Sulina, 2020.

ROSENBERG, Marshall B. Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. Tradução: MárioVilela. SãoPaulo: Ágora, 2006.

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2003.

SALEM, Tania. O casal grávido: disposições e dilemas da parceria igualitária. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. 232p.

SANTOS, Elisama. Educação não violenta: como estimular autoestima, autonomia, autodisciplina e resiliência em você e nas crianças. 4. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

SILVA, Caroline Guimarães. Maternidade, cultura e redes sociais: análise da interaçãosocial de mães solo através de netnografia e mineração de dados no Instagram. Orientador: Douglas Farias Cordeiro. 2020. 64 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa dePós-Graduação em Comunicação, Faculdade de Informação e Comunicação, UniversidadeFederalde Goiás, Goiânia, 2021.

SILVA, Janaína. Pode uma mãe não gostar de ser mãe? As controvérsias acerca do feminino. Curitiba: Editora Appris, 2020.

SINGLY, François de. Sociologia da família contemporânea. Tradução: Clarice Ehlers Peixoto. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

SOUZA, Ana Luiza de Figueiredo. “Me deixem decidir se quero ou não ser mãe!”: narrativas pessoais de mulheres sobre a maternidade nas mídias sociais. Orientador: Beatriz Brandão Polivanov. 2019. 216 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Programa de Pós-Gradução em Comunicação, Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

QUEIROZ,Thiago. Abrace seu filho. Caxias do Sul, RS: Editora Belas Letras LTDA.

UZIEL, Anna Paula. Homossexualidade e adoção. Rio de Janeiro: Gramond, 2007.

VIGOYA, Mara Viveros. As cores da masculinidade: experiências interseccionais e práticasde poder na nossa américa. Tradução: Allyson de Andrade Perez. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, 2011.

Publicado

2023-08-27

Como Citar

ABREU DE MOURA, T. PATERNIDADE ATIVA: : A LÓGICA DAS REDES SOCIAIS. Revista de História Bilros: História(s), Sociedade(s) e Cultura(s), [S. l.], v. 10, n. 21, p. 25, 2023. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/bilros/article/view/11335. Acesso em: 16 jun. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS