Conhecimento e linguagem no perspectivismo nietzschiano

Autores

  • Francisco de Paula Santana de Jesus Universidade Federal do Pará

Palavras-chave:

Nietzsche. Perspectivismo. Conhecimento.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar e discutir a abordagem naturalista de Nietzsche como estratégia perspectivista nos âmbitos do conhecimento e da linguagem. Para Nietzsche, era necessário considerar a proveniência biológica do aparato linguístico-cognitivo humano como meio de se afastar de posturas dogmáticas e metafísicas. Ao apontar a contingência evolutiva da tendência humana em apreender as experiências conceitualmente, o filósofo tem em vista salientar que, apesar de necessário para o ser humano, o conhecimento tem limites que não podem ser extrapolados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco de Paula Santana de Jesus, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Filosofia pela Faculdade São Bento da Bahia. Mestrando em Filosofia pelo PPGFIL-UFPA, linha de pesquisa Teoria do Conhecimento, Epistemologia e Filosofia da Linguagem.

Referências

BEISER, Frederick C. Depois de Hegel: a filosofia alemã de 1840 a 1900. Tradução Gabriel Ferreira. São Leopoldo, Editora UNISINOS, 2017.

FREZZATTI JUNIOR, Wilson Antônio. Nietzsche contra Darwin. São Paulo, Edições Loyola, 2014.

FREZZATTI JUNIOR, W. Nietzsche e Ribot: multiplicidade e filosofia da subjetividade. Philósophos, Goiânia, v.18, n. 2, p. 263-291, jul/dez, 2013.

GUZZARDI, Luca. Ruggiero Boscovich’s Theory of Natural Philosophy: points, distances, determinations. Birkhäuser, 2020.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A gaia ciência. São Paulo, Companhia das Letras, 2012.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. São Paulo, Companhia das Letras, 2005.

NIETZSCHE, F. Crepúsculo dos ídolos, ou Como se filosofa com o martelo. São Paulo, Companhia de Bolso, 2017.

NIETZSCHE, F. Fragmentos do espólio: primavera de 1884 a outono de 1885. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 2008.

NIETZSCHE, F. Fragmentos finais. Brasília, Editora Universidade de Brasília; São Paulo, Imprensa Oficial do Estado, 2002.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo, Companhia das Letras, 2009.

SANTOS, Leonel Ribeiro. Ideia de uma heurística transcendental: ensaios de Meta-Epistemologia Kantiana. Lisboa, Esfera do Caos Editores, 2012.

SCHACHT, Richard. O naturalismo de Nietzsche. cadernos Nietzsche, vol. 29, Guarulhos/Porto Seguro, 2011, p. 35-75.

SLAMA, Paul. Le kantisme biologique de Nietzsche: L’héritage de Lange à propos de la perception. Nietzsche Studien, 48 (1), 2019, p. 220-243.

STEINHART, Eric. Nietzsche’s philosophy of mathematics. International studies in philosophy, 31 (3), 1999, p. 19-27.

WELSHON, Robert C. Perspectivist ontology and de re knowledge. In BABICH, Babette (ed.) Nietzsche, epistemology, and philosophy of science: Nietzsche and the sciences II. Springer, 1999.

ZUCKERT, Rachel. Organism and System in German Idealism. In AMERIKS, Karl. The Cambridge Companion to German Idealism. Cambridge University Press, 2017.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

DE PAULA SANTANA DE JESUS, F. Conhecimento e linguagem no perspectivismo nietzschiano. Polymatheia - Revista de Filosofia, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 59–71, 2022. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revistapolymatheia/article/view/7229. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos