Entre a hermenêutica e o estruturalismo: o uso do contextualismo linguístico na interpretação de textos filosóficos

Autores

  • Mariana Dias Pinheiro Santos UFS

Palavras-chave:

Metodologia, Interpretação em Filosofia, Contextualismo Linguístico

Resumo

O objetivo do presente artigo consiste em apresentar a metodologia contextualista histórica da escola de Cambridge, proposta, especificamente, por Quentin Skinner. Para isso, tentar-se-á fazer uso, ainda que de forma bastante geral, deste mesmo método, apresentando-o em relação com os métodos estruturalista e hermenêutico com os quais discute, levando em conta certos pressupostos filosóficos com os quais se posiciona. Espera-se, ainda, apresentar, de forma bastante geral, de que maneira o método de Skinner funciona na pesquisa interpretativa de filosofia e quais ganhos pode fornecer ao exegeta acadêmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANTES, P. Um departamento francês de ultramar. São Paulo: Coleção sentimentos da dialética, 2021.

DOMINGUES, I. O continente e a ilha: duas vias da filosofia contemporânea. São Paulo: Edições Loyola, 2017.

GADAMER, H. O problema da consciência histórica. Tradução de Paulo Estrada. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

GUEROULT, M. O método em história da filosofia. Tradução de Nicole Marcello. Sképsis. Brasil: ano 8, n, 12, 2015.

GOLDSCHMIDT, V. Tempo histórico e tempo lógico na interpretação dos sistemas filosóficos. IN: GOLDSCHMIDT, V. A religião de Platão. Tradução de Ieda e Oswaldo Porchat Pereira. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

HEGEL, G. Lectures on the History of Philosophy. Tradução para o inglês de E. S. Haldane. USA: Gutenberg, 2016.

HOBBES, T. Leviathan. USA: Gutenberg, 2021.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Tradução de Fernando Mattos. São Paulo: Editora Vozes, 2015.

MOURA, Carlos Alberto Ribeiro. História stultitiae e história sapientiae. Discurso. Brasil: n. 17, p. 151-172, 1988.

PETTIT, P. Made with Words: Hobbes on Language, Mind, and Politics. Nova Jersey: Princeton University Press, 2008.

PINTO, P. R. M. O método analítico em filosofia. In: CHIANG, L. H.. (Org.). Filosofia e Método. São Paulo: Loyola, 2002.

POCOCK, J. Quentin Skinner: The History of Politics and the Politics of History. Common Knowledge. Vol. 10, no 3, pp. 532-550, 2002.

_________. The Machiavellian Moment. Nova Jersey: Princeton University Press, 1975.

POPPER, K. Lógica da pesquisa científica. Tradução de Hegenberg. São Paulo: Cultrix, 1972.

RIBEIRO, R. J. A filosofia política na história. In: RIBEIRO, R. J. Ao leitor sem medo: Hobbes escrevendo contra o seu tempo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

RICOEUR, P. Teoria da Interpretação. Tradução de Arthur Mourão. Brasil: Edições 70, 1976.

SANTOS, M. D. P. A linguagem em Hobbes: 1656, 1651 e 1650. Cadernos Espinosanos. São Paulo: n. 45, 2021.

_________. Vício, moral e polidez: a querela do luxo no século XVIII britânico. In: SANTOS, M. D. P. A ficção gótica como crítica da modernidade. Relatório (iniciação científica em filosofia) – Departamento de filosofia da Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, UFS, 2022.

SKINNER, Q. Meaning and Understanding in the History of Ideas. History and Theory. Vol. 8, nş 3, pp. 3-53, 1969.

______. Conventions and the Understanding of Speech Acts. The Philosophical Quarterly. Vol. 20, n. 79, pp. 118-138, 1970.

______. Motives, Intentions and Interpretation of Texts. New Literary History. Vol. 3, nş 2, pp. 393-408, 1972.

______. Hermeneutics and the Role of History. New Literary History. Vol. 8, pp. 209-232, 1975.

_______. Razão e Retórica na Filosofia de Hobbes. Tradução de Vera Ribeiro. São Paulo: Unesp, 1999.

Vogt, D. "Revoluções na filosofia e na historiografia: o contextualismo linguístico em terras brasileiras". Revista Aedos. Brasil: n.3, v.8, 2011.

WITTGENSTEIN, L. Tratado Lógico-Filosófico. Tradução de M. S. Lourenço. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2015.

Downloads

Publicado

2023-12-19

Como Citar

DIAS PINHEIRO SANTOS, M. Entre a hermenêutica e o estruturalismo: o uso do contextualismo linguístico na interpretação de textos filosóficos. Polymatheia - Revista de Filosofia, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 291–327, 2023. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revistapolymatheia/article/view/11502. Acesso em: 23 jul. 2024.