Sacerdotes de Dionísio

Para quê Poetas em tempos de miséria?

Autores

Resumo

Este trabalho parte da análise de Heidegger em “Para que poetas?” em que o autor interpreta a poesia de Hölderlin a partir da elegia “Pão e vinho”, apresentaremos algumas destas explicações. Depois disso tentamos entender a resposta de Hölderlin dos poetas serem associados aos “sumos sacerdotes do deus do vinho”, para isso lidamos com as noções de Dionísio tanto em Nietzsche como em Hölderlin, mostraremos semelhanças e diferenças e algumas interpretações. Além disso investigamos reflexões sobre o artista como um deus, da relação entre poesia e filosofia. E considerações de vieses que comprometem argumentações que confrontam o papel da poesia e filosofia. Por fim, terminamos com reflexões de Heidegger em “Elucidações da poesia de Hölderlin” em que o autor superestima o papel da poesia e dos poetas de poderem clarificar até mesmo pensamentos de filosofia mal pensada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sâmara Araújo Costa, Universidade do Porto

Doutoranda em Filosofia pela Universidade do Porto, Portugal. Integrante MLAG (Mind, Language and Action Group) Bolsista FCT. Fundação para a ciência e para a tecnologia . PT

 

 

Referências

Aristóteles, Poética. In Os Pensadores: Aristóteles. Trad. Eudoro de Souza. Vol. II. Nova Cultural, 1991.

Borchmeyer, D. “Nietzsche, Cosima, Wagner. Porträt einer Freundschaft.” Frankfurt am Main / Leipzig 2008. pp. 191-208.

Bubner, R. “Hegel and Goethe” In The innovations of idealism. Trad. Nicholas Walker, Cambridge University Press, 2003. pp. 231-71.

Cervantes Saavedra, Miguel de. “El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha.” Segunda Parte. Edición de Florencio Sevilla y Antonio Rey. Mondadori, Barcelona, 2002.

Fuente Pérez, M. J. “Con pan y vino se anda el camino. Los viajes en la Castilla medieval.” Espacio, Tiempo y Forma, Serie III, H. Medieval, t. 8, 1995, pp. 85-109.

Hegel, G. W. F. Cursos de estética, vol I. Trad. Marco Aurélio Werle e Oliver Toller. EdUsp. 2000.

Hegel, G. W. F. Cursos de Estética, Vol II, “A forma da arte romântica.” Trad. Marco Aurélio Werle. EdUsp, 2001.

Heidegger, M. “What Are Poets For?” In Poetry, Language, Thought. Trad. Albert Hofstadterp. Perennial Classics, 2001.

Heidegger, M. Elucidations of Hölderlin´s Poetry. Trad. Keith Hoeller. Humanity Books, 2000.

Heidegger, M. Para quê poetas? In Caminhos da Floresta. Tradução Bernhard Sylla Vitor Moura. Ed. Irene Borges. Fundação Calouste Gulbenkian, 1998.

Hölderlin, F. Las Grandes Elegias (1800-1801) Traducción y ensayo preliminar de Jenaro Talens Edición bilingüe. Primera edición: 1980, EDICIONES HIPERIÓN, S. L. Madrid. Séptima edición: 2011.

Hölderlin, F. Poemas e Cartas. Trad. e Notas Joãosinho Beckenkamp. (não publicado). (O autor é professor de Filosofia do departamento da Universidade Federal de Minas Gerais e tradutor de autores alemães a exemplo de Kant, Hegel entre outros.)

Nietzsche, F. O Nascimento da Tragédia ou Helenismo e pessimismo. Trad. J. Guinsburg. Companhia das Letras, 1992.

Platão. A República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. Fund. 9ª edição.Calouste Gulbenkian, 1972.

Selected Letters of Friedrich Nietzsche. Ed. e Trad. Christopher Middleton. Hackett Publishing Company, Cambridge, Universidade de Chicago, 1969.

Seaford, Richard. Dionysos. Routledge, 2006.

Sokel, W. H. “On the Dionysian in Nietzsche.” New Literary History, Vol. 36, No. 4, In Exploring Language in Philosophy, Poetry, and History. Autumn, 2005.

Weineck, Silke-Maria, The abyss above: Philosophy and Poetic Madness in Plato, Hölderlin and Nietzsche. State University of New York Press, 2002.

Downloads

Publicado

2023-12-19

Como Citar

ARAÚJO COSTA, S. . Sacerdotes de Dionísio: Para quê Poetas em tempos de miséria?. Polymatheia - Revista de Filosofia, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 274–290, 2023. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revistapolymatheia/article/view/11349. Acesso em: 13 jun. 2024.