Programas para as juventudes cearenses no Plano Plurianual 2016-2019 do governo estadual

  • Bárbara Imaculada Araújo de Oliveira Bacharel em Gestão de Políticas Públicas pela Universidade Federal do Ceará – UFC https://orcid.org/0000-0002-8789-3483
  • Julio Alfredo Racchumi Romero Doutor em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG e Professor da Universidade Federal do Ceará – UFC https://orcid.org/0000-0003-3004-0647
Palavras-chave: juventudes, programas para as juventudes, plano plurianual, Estado do Ceará

Resumo

O objetivo deste artigo é mapear os programas para as juventudes do Plano Plurianual (PPA) 2016-2019 do Governo do Estado do Ceará e classificá-los dentro dos seguintes parâmetros: a) Ressocializador; b) Preparatório; ou c) Empoderamento. A última versão do Anexo I do PPA 2016-2019 (Demonstrativo de Temas Estratégicos e Programas) apresenta programas com enfoque juvenil em 12 de seus 31 temas estratégicos, nos quais foram mapeados 18 programas. Estes são de responsabilidade de 12 das 27 secretarias do governo estadual. Eis a classificação dos 18 programas mapeados: a) 1 tem caráter “Ressocializador”; b) 8 têm caráter “Preparatório”; e c) 9 têm caráter de “Empoderamento”. Por fim, o PPA 2016-2019 apresenta como o Governo do Estado do Ceará vem empreendendo esforços não só para preparar os jovens para sua entrada no mercado de trabalho, mas, também, para empoderá-los por meio de programas que concedam garantias básicas e democratizem seu acesso a temas estratégicos (como esporte e cultura).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abramovay, M. (2002). Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas. Brasília, DF: UNESCO.

Abrantes, M. S. (2012). Juventude e políticas públicas: algumas reflexões. Recuperado de https://psicologado.com.br/atuacao/politicas-publicas/juventude-e-politicas-publicas-algumas-reflexoes

Alves, N. R., & Barbalho, A. A. (2014). A política pública para juventude em Fortaleza. Revista do Mestrado Profissional em Planejamento em Políticas Públicas, 4(12), 125-145.

Aquino, L. M. C. (2009). Juventude como foco nas políticas públicas. In J. A. de Castro; L. M. C. de Aquino, & C. C. de Andrade (Orgs.), Juventude e políticas públicas sociais no Brasil (pp. 25-39). Brasília, DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Braga, M. A. F., Silva, G. P., & Martins, S. B. (2012). Violências, homicídios e vitimização juvenil no Brasil: alguns indicativos de suas maiores incidências. In Anais do 15o Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste. Teresina, PI.

Ceará (Estado). (2018). Anexo I: Demonstrativo de temas estratégicos e programas (Anexo I a que se refere o art. 1º, da Lei n.16.606, 18 de julho de 2018). Fortaleza, CE: Secretaria de Planejamento e Gestão.

Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. (1988). Brasília, DF.

Diógenes, G. (2012). Juventudes, violência e políticas públicas no Brasil: tensões entre o instituído e o instituinte. Sinais Sociais, 18(6), 102-127.

Ferreira, M. P., Constantino, A., Souza, G. O. C., Pitta, M. T., & Dini, N. P. (2010). Identificação das áreas intraurbanas que concentram população jovem vulnerável à violência letal no município de São Paulo: uma proposta metodológica. Revista Brasileira de Segurança Pública, 6(4), 134-144.

Galvão, M. C. B., Pluye, P., & Ricarte, I. L. M. (2017). Métodos de pesquisa mistos e revisões de literatura mistas: conceitos, construção e critérios de avaliação. Revista de Ciência da Informação e Documentação, 8(2), 4-24.

Gil, A. C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa (3a ed.). São Paulo, SP: Atlas.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, & Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2019). Atlas da violência 2019. Brasília, DF: Ipea.

Guimarães, A. Q., & Almeida, M. E. (2012). Jovens e o mercado de trabalho. Recuperado de https://diamantina.cedeplar.ufmg.br/portal/download/diamantina-2012/jovens_e_o_mercado_de_trabalho.pdf

Lei n. 12.852, de 5 de agosto de 2013. (2013). Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE. Brasília, DF.

Manfroi, I. (2016, 1º de abril). Políticas públicas de ressocialização na gestão do sistema carcerário. Recuperado de https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-penal/politicas-publicas-de-ressocializacao-na-gestao-do-sistema-carcerario/

Mantovani, A. L. B. (2009). O papel da sociedade na ressocialização do menor infrator. Recuperado de http://www.ciaap.org.br/artigos/headline.php?n_id=140&u=1

Minayo, M. C. S., & Souza, E. R. (1999). É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, 4(1), 7-32.

Ministério da Saúde. (2009). A declaração de óbito: documento necessário e importante. Recuperado de https://www.saude.gov.br/images/pdf/2015/agosto/14/Declaracao-de-Obito-WEB.pdf

Novaes, R. (2007). Juventude e sociedade: jogos de espelhos. Sentimentos, percepções e demandas por direitos e políticas públicas. Revista Sociologia Especial: Ciência e Vida, 1(2), 6-15.

Oliveira, B. I. A. (2019). Diagnóstico da mortalidade juvenil violenta e políticas públicas de prevenção no Estado do Ceará (Monografia de Graduação). Universidade Federal do Ceará, CE.

Oliveira, R. F. V. (2017). O uso do espaço urbano, por meio das políticas públicas de cultura para a juventude: o caso do Centro Urbano de Cultura, Arte, Ciência e Esporte – Cuca Barra, em Fortaleza-CE. In Anais do 3o Seminário Regional Comércio, Consumo e Cultura nas Cidades. Sobral, CE.

Pais, J. M. (1990). A construção sociológica da juventude: alguns contributos. Análise Social, 25(105-106), 139-165.

Semicheche, A., Higa, K. M., & Cabreira, L. (2012). Protagonismo juvenil: a participação dos jovens para a transformação social. Akrópolis Umuarama, 20(1), 21-38.

Silva, A. M. S., & Ximenes, V. M. (2019). Políticas públicas e juventude: análises sobre o protagonismo juvenil na perspectiva dos jovens pobres. Pesquisas Práticas Psicossociais, 14(1), 1-15.

Waiselfisz, J. J. (2015). Mapa da violência 2015: adolescentes de 16 e 17 anos do Brasil. FLACSO Brasil. Recuperado de http://flacso.org.br/files/2017/04/mapaViolencia2015_adolescentes-1.pdf

Publicado
2020-08-03
Como Citar
Oliveira, B. I., & Romero, J. A. (2020). Programas para as juventudes cearenses no Plano Plurianual 2016-2019 do governo estadual. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 10(25), 183-201. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2020.10.25.3296
Seção
Artigos