Campanhas eleitorais no Facebook:

usos na eleição municipal de Curitiba em 2016

  • Edna Miola Doutora em Comunicação Social (UFMG) e Professora do curso de Comunicação Organizacional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
  • Francisco Paulo Jamil Marques Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas (UFBA), Professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq
  • Nayane Pantoja Cardoso Bacharel em Comunicação Organizacional (UTFPR) e Bolsista PIBIC/Fundação Araucária e bolsista PIBITI/CNPq
  • Camila Raphaela Peres Mancio Estudante de Comunicação Organizacional (UTFPR) e Voluntária do Programa de Iniciação Científica (PIVIT/UTFPR)
Palavras-chave: Comunicação Política, Campanhas online, Comunicação estratégica, Redes sociais digitais, Facebook

Resumo

O artigo examina as páginas de Facebook dos candidatos à Prefeitura de Curitiba no primeiro turno das eleições de 2016 com o objetivo de avaliar quais foram as principais formas de uso de tal rede social e quais os níveis de engajamento do público nesses espaços. Para isso, foram analisadas, de modo comparativo, as 2701 publicações veiculadas entre 16 de agosto e 30 de setembro, observando-se seguintes variáveis quantitativas: volume de publicações, distribuição temporal das postagens e tipo e volume de engajamento verificado em cada uma delas. Dentre as conclusões da investigação, descobriu-se que (1) as estratégias afinadas com os critérios de relevância do Facebook coincidem apenas parcialmente com aquelas de maior engajamento do público; (2) nem todos os candidatos priorizam o tipo de conteúdo mais favorecido pelo algoritmo da plataforma; e (3) o desempenho das publicações no Facebook em termos de engajamento não espelha o desempenho dos candidatos nas urnas – o que reforça a necessidade de evitar determinismos tecnológicos.

Referências

Aggio, C. (2010). Campanhas online: o percurso de formação das questões, problemas e configurações a partir da literatura produzida entre 1992 e 2009. Opinião Pública, 16(2), 426-445.

Aggio, C. O., & Reis, L. S. (2013). Campanha eleitoral no Facebook: usos, configurações e o papel atribuído a este site pelos candidatos durante as eleições municipais de 2012. Revista Compolítica, 3(2), 155-188.

Aldé, A., & Marques, F. P. J. (Orgs.). (2015). Internet e poder local. Salvador, BA: Ed. UFBA.

Bimber, B. (1998). The Internet and political mobilization: research note on the 1996 election season. Social Science Computer Review, 16(4), 391-401.

Cerqueira, R., & Silva, T. (2011). Marcas e engajamento digital: algumas considerações. In W. Gomes & Lucas Reis (Orgs.), Publicidade digital: formatos e tendências da nova fronteira publicitária (pp. 107-122). Salvador, BA: Propeg Comunicação.

Cervi, E. U. (2014). Análise de dados categóricos em ciência política: uso de testes estatísticos em tabelas de contingência com fontes secundárias de dados. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Dulio, D. A., Goff, D. L., & Thurber, J. A. (1999). Untangled web: Internet use during the 1998 election. PS: Political Science & Politics, 32(1), 53-59.

Gerlitz, C., & Helmond, A. (2013). The like economy: social buttons and the data-intensive web. New Media Society, 15(8), 1348-1365.

Gibson, R. (2001). Elections online: assessing Internet voting in light of the Arizona Democratic Primary. Political Science Quarterly, 116(4), 561-583.

Gomes, W., Fernandes, B., Reis, L., & Silva, T. (2009). “Politics 2.0”: a campanha on-line de Barack Obama em 2008. Revista de Sociologia e Política, 17(34), 29-43.

Gramacho, W. G., & Jácomo, A. (2015). Padrões de uso dos meios de comunicação no Brasil e seu impacto sobre níveis de informação política. Revista Debates, 9(3), 11-36.

Herman, F. (2017). Campanhas online e sociabilidade política: o uso do Facebook e do Twitter pelos candidatos a vereador em Curitiba nas eleições de 2016 (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Kirkpatrick, D. (2011). O efeito Facebook: os bastidores da história da empresa que conecta o mundo. Rio de Janeiro, RJ: Intrínseca.

Lavareda, A. (2009). Emoções ocultas e estratégias eleitorais. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva.

Lavareda, A., & Telles, H. (Orgs.). (2011). Como o eleitor escolhe seu prefeito. Rio de Janeiro, RJ: Ed. FGV.

Marques, F. P. J., & Mont’Alverne, C. (2016). How important is Twitter to local elections in Brazil? A case study of Fortaleza City Council. Brazilian Political Science Review, 10(3), 1-35.

Martino, L. M. & Aleixo, T. (2016). Usos do entretenimento como estratégia de visibilidade política na página da prefeitura de Curitiba no Facebook. Rumores, 10(20), 68-89.

Massuchin, M. G., Mitozo, I. B., Carvalho, F. C., & Motta, J. C. B. (2016). Debate online em período eleitoral: diferenças e similaridades no comportamento dos comentadores entre veículos e candidatos. In E. U. Cervi, M. G. Massuchin, & F. C. Carvalho (Org.), Internet e eleições no Brasil (pp. 36-61). Curitiba, PR: Grupo de Pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública.

Miola, E. & Marques, F. P. J. (2017). Por uma definição de Comunicação Pública: tipologias e experiências brasileiras. Anais do VII Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política (COMPOLITICA), Porto Alegre-RS, 1-22.

Netvizz. (n.d.). Recuperado de https://apps.facebook.com/107036545989762/

Pesquisa Brasileira de Mídia 2015. (2014). Brasília, DF: Secretaria de Comunicação Social.

Steffen, C. (2004). A política nos espaços digitais: a campanha presidencial de 2002 na internet (Dissertação de Mestrado). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS.

Stromer-Galley, J. (2000). On-line interaction and why candidates avoid it. Journal of Communication, 50(4), 111-132.

Tribunal Superior Eleitoral. (2017). Divulgação de candidaturas e contas eleitorais. Brasília, DF: Autor. Recuperado de http://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/#/municipios/2016/2/75353/candidatos

Publicado
2018-08-06
Como Citar
Miola, E., Marques, F. P., Cardoso, N., & Mancio, C. (2018). Campanhas eleitorais no Facebook:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 8(21), 78-97. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2018.8.21.1057
Seção
Artigos