Microrregionalização de Saúde em Contexto de Reforma do Estado:

experiência de implantação de um projeto piloto no Ceará - Brasil

  • Maria Goreti Macedo Lobo de Andrade Mestra em Planejamento e Políticas Públicas - UECE
  • Liduina Farias Almeida da Costa Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará – UFC e Professora do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas (PPGPP) da UECE
Palavras-chave: Políticas Públicas, Planejamento, Saúde, Reforma do Estado, Microrregionalização, Ceará

Resumo

O artigo discute o processo de implantação das Microrregiões de Saúde no Ceará com foco no projeto-piloto constituído no município de Baturité. O objetivo é registrar as articulações entre os diversos protagonistas do processo, como também as “etapas” de implantação desse projeto piloto constituído para servir como matriz de referência para a microrregionalização de saúde do Ceará. Quanto à metodologia da pesquisa que deu suporte a este artigo, foi de natureza eminentemente qualitativa e consistiu em estudo de caso. Incluiu pesquisa bibliográfica, documental e de campo, e será descrita em parte específica do texto. Entre os resultados, destacamos: essa matriz foi constituída no contexto de reforma do Estado de 1990; a germinação de conhecimentos, métodos, técnicas e instrumentos sobre uma forma singular de organização de serviços de saúde no Ceará, a qual serviu de modelo para a política nacional de saúde nesta área, conforme a a Norma Operacional de Assistência à Saúde (NOAS/2001); e o fortalecimento de Fóruns de Negociação, Conselhos Municipais de Saúde e Comissões Intergestoras Bipartites. Concluímos o seguinte: no contexto dessa reforma do Estado que inclui a administração gerenciada, a implantação das microrregiões de saúde segundo o modelo criado na dinâmica do projeto piloto de Baturité desencadearam-se mudanças positivas na organização dos serviços. Houve respostas de governos municipais, para além do propósito de racionalização de recursos, com repercussões também em melhoria de serviços, e em contextos posteriores as definições de região de saúde e os processos de regionalização adquiriram novos elementos que se somaram aos da experiência aqui discutida.

Referências

Abu-El-Haj, J. (2013). Entre a governança administrativa e a governabilidade política: uma perspectiva histórica das reformas administrativas no Brasil. Gestão e Controle, 1(1), 15-52.

Andrade, M. G. M. L. (2007). Microrregiões de saúde: a experiência do estado do Ceará (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE.

ANDRADE, M. G. M.L. de; COSTA, L. F. A. da. Política de saúde e microrregionalização em face da reforma do Estado: uma experiência pioneira no Ceará – Brasil. Anais da III Jornada Internacional de Políticas Públicas. Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas. São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2007.

Becker, H. (1997). Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo, SP: Hucitec.

Brasil. (1994). Incentivo à participação popular e controle social no SUS: textos técnicos para conselheiros de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. (1997). Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. (2000). IDB 2000: Brasil – indicadores e dados básicos para a saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. (2001a). Parâmetros consensuais sobre a implementação e regulação da Emenda Constitucional n. 29. Brasília, DF: Conselho Nacional de Saúde.

Brasil. (2001b). Gestão municipal de saúde: textos básicos. Rio de Janeiro, RJ: Ministério da Saúde .

Brasil. (2001c). Instrumentos de gestão: manual de consulta rápida. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. (2001d). Caderno Conass. Relatório da diretoria do Conass na gestão do presidente Anastácio de Queiroz Souza e coletânea de oficinas de trabalho do Conass no período de agosto de 1999 a outubro de 2000. Brasília, DF: Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

Brasil. (2002). Guia do conselheiro: curso de capacitação de conselheiros estaduais e municipais de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. (2006). Diretrizes operacionais dos pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão (Série Pactos pela Saúde). Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. (2011). Legislação Estruturante do SUS. Brasília, DF: Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

Carvalho, C. (2006). A aprendizagem baseada em problemas: a importância do tutor. Educação em Poucas Palavras, (6), 23-26.

Ceará. (2000a). Consolidado o novo Ceará: plano de desenvolvimento sustentável 1999-2002. Fortaleza, CE: Secretaria de Planejamento e Coordenação.

Ceará. (2000b). Sistemas microrregionais de serviços de saúde de Baturité. Fortaleza, CE: [s.n.].

Ceará. (2001a). Resolução n. 3/2001. Aprova a tipologia dos hospitais na rede assistencial do SUS. Fortaleza, CE: Conselho Estadual de Saúde.

Ceará. (2001b). Conjuntura econômica: 2000. Fortaleza, CE: Secretaria de Planejamento e Coordenação.

Ceará. (2002a). Microrregiões de saúde: uma opção do Ceará. Fortaleza, CE: Secretaria da Saúde do Estado do Ceará.

Ceará. (2002b). O modo de fazer saúde no Estado do Ceará. Fortaleza, CE: Secretaria da Saúde do Estado do Ceará.

Ceará. (2002c). Os sistemas de serviços de saúde: o que os gestores deveriam saber sobre essas organizações complexas. Fortaleza, CE: Escola de Saúde Pública do Ceará.

Ceará. (2002d). Sistemas microrregionais de serviços de saúde: uma estratégia de reorganização do SUS – Ceará. Fortaleza, CE: Secretaria da Saúde do Estado do Ceará.

Cohen, E., & Franco, R. (2000). Avaliação de projetos sociais. Petrópolis, RJ: Vozes.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988, 5 de outubro). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm

Costa, L. F. A., & Oliveira, L. C. (2016). O Sistema Único de Saúde na confluência do público e do privado e o serviço social. In L. F. A. Costa, & H. M. C. B. Ribeiro (Orgs.), Políticas de saúde e serviço social: contradições, ambiguidades e possibilidades. Campina Grande, PB: Ed. UFCG.

Donabedian, A. (1990). Garantía y monitoria de la calidad de la atención médica: un texto introductorio. México, DF: Instituto Nacional de Salud Pública.

Fialho, T. M. M. (1999). Ciclos políticos: uma resenha. Revista de Economia Política, 19(2), 131-149.

Harvey, D. (1993). A condição pós-moderna. São Paulo, SP: Loyola.

Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. (1990). Dispõe sobre as condições para a promoção e recuperação da saúde, a organização e funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF.

Lei n. 8.142, de 29 de dezembro de 1990. (1990). Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde – SUS e sobre as transferências intragovernamentais de recursos na área de saúde e dá outras providências. Brasília, DF.

Lemieux, V. (1994). Les politiques publiques et les alliances d’acteurs.In V. Lemieux, P. Bergeron, C. Bégin, & G. Bélanger (Dirs.), Le système de santé au Québec: Organisations, acteurs et enjeux (pp. 107-128). Québec, Canada: Les Presses de l’Université Laval.

Mendes, E. V. (1999). Uma agenda para a saúde. São Paulo, SP: Hucitec.

Mendes, E. V. (2000). A descentralização do sistema e serviços de saúde no Brasil: novos rumos e um outro olhar sobre o nível local. In Autor, A organização da saúde no nível local. São Paulo, SP: Hucitec.

Mendes, E. V (2001a). Os grandes dilemas do SUS (Vol. 1). Salvador, BA: Casa da Qualidade.

Mendes, E. V. (2001b). Os grandes dilemas do SUS (Vol. 2). Salvador, BA: Casa da Qualidade.

Mendes, E. V. (2002). Os sistemas de serviços de saúde: o que os gestores deveriam saber sobre essas organizações complexas. Fortaleza, CE: Escola de Saúde Pública do Ceará.

Merhy, E. E. (2005). Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo, SP: Hucitec.

Norma Operacional Básica SUS 01/91. (1991a). Brasília, DF.

Norma Operacional Básica SUS 01/96. (1991b). Brasília, DF.

Norma Operacional Básica SUS 01/93. (1993). Brasília, DF.

Norma Operacional de Assistência à Saúde. (2001). Brasília, DF.

Oliveira, F. (1977). Elegia para uma re(li)gião: Sudene, Nordeste, planejamento e conflitos de classe. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Portaria n. 393, de 29 de março de 2001. (2001). Aprova a agenda nacional da saúde, Brasília, DF.

Portaria n. 2.203, de 5 de novembro de 1996. (1996). Estabelece a norma operacional básica do Sistema Único de Saúde, NOB SUS 01/96. Brasília, DF.

Santos, M. (1996). O retorno do território. In M. Santos, M. A. A. Souza, & M. L. Silveira (Orgs.), Território: globalização e fragmentação. São Paulo, SP: Hucitec.

Saquet, M. A. (2007). Abordagens e concepções de território. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Publicado
2018-01-08
Como Citar
Andrade, M. G., & Costa, L. (2018). Microrregionalização de Saúde em Contexto de Reforma do Estado:. Conhecer: Debate Entre O Público E O Privado, 8(20), 154-172. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2018.8.20.1055
Seção
Artigos